sex 10 24 2014

Destaques:

Mutirão para renegociar as dívidas

Os autônomos André Aguiar e Jéferson Guelfi, à esquerda, formalizaram seu negócio em 15 minutos./Chico Ferreira-LUZ / -

 
Além de oferecer às pessoas físicas a oportunidade de limpar o nome, o evento também permite que pessoas jurídicas tenham acesso a financiamentos e coloquem em dia sua situação fiscal. O Acertando Suas Contas tem como parceiros a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que edita este Diário do Comércio e as Secretarias Municipais do Trabalho e do Microempreendedor Individual (MEI).
 
Dorival Dourado, presidente da BVS, destacou justamente o caráter de mutirão que esse tipo de parceria permite. "É um serviço de utilidade pública. Em um único espaço o devedor pode ter as contas em dia. Caso ele seja um trabalhador informal, pode se formalizar, e se for um empreendedor, ter acesso a microcrédito", disse.
 
A expectativa é de que até o dia 27 sejam atendidas 30 mil pessoas nas tendas montadas no Anhangabaú. Cerca de 3 mil pessoas passaram pelo local ao longo do dia de ontem. A partir de março de 2012, uma nova fase do Acertando Suas Contas deve se iniciar, envolvendo eventos itinerantes por diferentes pontos da Capital paulista e interior. 
 
Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), lembrou que o evento tem um forte caráter educativo. Quem chega ao local recebe uma cartilha com dicas para organizar o orçamento doméstico. Orientações também são passadas pessoalmente pelos profissionais que fazem plantão no local. "É preciso entender que muitos dos inadimplentes de hoje fazem parte de uma camada social recém-chegada ao mercado de consumo, que só agora passou a ter acesso a crédito, ao cartão de banco, ao talão de cheque. É preciso, acima de tudo, educá-los", disse Amato.
 
 
Segundo o presidente da ACSP, a maior parte dos endividados recebe até dois salários-mínimos. Na média, as dívidas desses consumidores giram em torno de R$ 1 mil. 
 
Entre as pessoas que aguardavam ontem para limpar o nome estava o microempresário José Fábio Carneiro de Oliveira. Segundo ele, seu problema é uma dívida no cartão, totalizando R$ 2,8 mil. Oliveira conseguiu renegociar o débito no posto do Banco do Brasil montado no local. "Consegui parcelar em oito vezes. Agora facilitou, porque pagando a primeira parcela meu nome deixa de estar sujo", disse o microempresário, que listava as vantagens de limpar o nome. "Não estava conseguindo financiamento para o apartamento que estou comprando por causa da dívida. Agora vão aprovar meu crédito" comemorou.
 
Os consultores autônomos André Aguiar e Jéferson Guelfi também elogiavam a iniciativa da BVS. Em quinze minutos, eles passaram da informalidade para o universo formal. Esse foi o tempo que levaram para obter o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), no mutirão do Anhangabaú. Eles ainda iniciaram no local o cadastramento para se tornarem MEI. "A iniciativa é ótima. Trabalhar como formal tem inúmeras vantagens: muitas empresas não contratam serviços de informais", lembrou Guelfi. "Quem se formaliza ganha o respeito do mercado. Muitas vezes tínhamos dificuldade de receber de clientes porque estávamos informais", completou Aguiar.
 
Serviço
 
Acertando Suas Contas
De 21 até 27 de novembro, das 9h às 19h30, no Vale do Anhangabaú
Mais informações em www.acertandosuascontas.com.br
Empresas  participantes:
Santander; Itaú-Unibanco; Banco do Brasil; AES Eletropaulo; Telefônica; Vivo; Casas Bahia; Banco Carrefour; Credifibra; Recovery; Tricard.




Adicionar Comentário!