Blog Acontece no Estado

/ Marília

Comerciantes de Marília discutem reajuste da Acim-Med

João Gonçalves, coordenador da Acim-Med, quer discutir proposta de reajuste de 22,5% proposto pela Unimed

Comerciantes e beneficiários dos planos de saúde da Associação Comercial e Industrial de Marília (Acim) estão sendo convocados para uma assembleia geral, que acontecerá na terça-feira (dia 16) às 18h30 na sede da Acim, que irá decidir a proposta de reajuste nos valores dos diversos planos de saúde oferecidos pela entidade, numa parceria de 20 anos com a Unimed de Marília. “Vamos discutir os reajustes que somente uma assembleia pode decidir”, comentou o presidente da Acim, Libânio Victor Nunes de Oliveira ao assinar edital de convocação publicado em tempo hábil para a realização do encontro. “No atual momento da economia que vivemos qualquer índice de reajuste é motivo de ampla discussão e debate”, afirmou o dirigente que prevê um encontro demorado. “Acredito que pelo assunto ser polêmico exigirá uma série de análises”, completou.

Para o coordenador da Acim-Med, João Gonçalves, a proposta da Unimed de Marília de 22,5% é considerada por muitos beneficiários como elevadíssima. “Acredito que existirão vários tipos de pensamentos e propostas em que somente a votação e a decisão da maioria resolverá a questão”, comentou o dirigente que tornou-se especializado na área dos planos de saúde coorporativos por ser o coordenador do serviço na Acim desde o início. “Nada que uma boa conversa e discussão não resolvam a questão pendente”, opinou ao acreditar na presença de um grande número de beneficiários que se responsabilizarão pelos pagamentos dos planos, de acordo com o índice aprovado na assembleia. “Dai a importância de estar presente, pois o índice que for aprovado será apresentado para a Unimed e, dependendo da situação, será seguido para o próximo ano”, explicou o dirigente que está munido de planilhas, referendos, exemplos e farta documentação para assessorar a decisão. 

Não opinião de João Gonçalves a elevação no reajuste é inevitável, pois a Agencia Nacional de Saúde já autorizou um reajuste superior a 13%. “Só esse aumento é mais do que o dobro da inflação do ano passado”, alertou o dirigente da Acim ao lembrar que este índice é o maior desde que a ANS foi criada, há 15 anos. A ANS justificou o índice alto com os custos do setor, como investimento em novas tecnologias, além de considerar a média dos reajustes dos planos de saúde coletivo definidos em negociação entre empresas e operadoras. “O reajuste dos planos coletivos, que a ANS usa como base para reajustar os individuais, não é controlado pela Agência”, alertou. “Então, como é que você pode ter um reajuste fixado pela Agência, que tem como base um reajuste que a Agência não controla”, questionou o dirigente da Acim que apresentará a questão no encontro a ser realizado, nesta terça-feira, às 18h30, na sede da Acim. 

A discussão sobre o reajuste será complexa porque as operadoras também foram autorizadas pela ANS a cobrar o retroativo. “Os planos são corrigidos no mês que os contratos fazem aniversário”, lembrou João Gonçalves, que considera esses índices elevadíssimos. “Não é essa a nossa realidade”, garantiu ao ter na pauta da assembleia o reajuste anual de mensalidade do plano de saúde, com proposta da Unimed de Marília de 22,5%, além das consultas excedentes e a campanha de vacinação contra a gripe. “Esses três assuntos estão na pauta para discussão”, anunciou o dirigente da Acim-Med.



Dirigentes da associação comercial se reúnem para análise das contas da temporada de 2016

comentários

José Augusto Gomes, da Acim, tenta explicar os cuidados do MEI na entrega do Imposto de Renda

comentários

Libânio Victor Nunes de Oliveira animado com os créditos do FGTS no comércio varejista em geral

comentários