São Paulo, 25 de Junho de 2017

/ Vida e Estilo

Quanto mais "jovens", mais lucro
Imprimir

Quanto mais jovens os empregados se sentem, mais eficientes eles são para a empresa - e isso não tem nada a ver com o ano em que eles nasceram

Reza a lenda que juventude é um estado de espírito. Essa máxima parece ser verdade, ao menos, dentro do universo de recursos humanos. O estado de espírito dos funcionários importa - e muito - no resultado da empresa.

O último estudo dos pesquisadores Florian Kunze, Anneloes Raes e Heike Bruch dão sinais claros disso. A pesquisa incluiu 15.164 funcionários em 107 empresas alemãs dos mais diferentes setores da indústria. Também foram pesquisadas as práticas de recursos humanos o desempenho geral dessa empresas.

Sentir-se jovem está associado a vitalidade e produtividade. A pesquisa concluiu que quanto mais jovens os funcionários se sentem, maior o empenho deles em atingir metas e adotar visões de longo prazo. Ao viver uma juventude subjetiva, mesmo com a maturidade, eles continuam buscando oportunidades de promoção e de crescimento dentro da empresa - o que garante um ambiente dínâmico e lucrativo.

Ainda que seja um assunto tão particular, os pesquisadores garantem que é possível estimular a juventude subjetiva dos funcionários.

LEIA MAIS: Estresse do empreendedor: uma doença silenciosa

O primeiro passo é abolir os estereótipos. Políticas de recursos humanos que separam os funcionários por idade tendem a relembrar os mais velhos que eles fazem parte de um grupo com diferentes intenções dentro da companhia. Treinamentos e benefícios devem estar disponíveis a todos, independente da idade.

O significado do trabalho que eles executam também tem peso. Quanto maior a relevância dos serviços executados, maior é satisfação do funcionário - e menor é a idade subjetiva dele. Sentir-se importante dentro da companhia é um bálsamo da juventude - e reforça o dinamismo do ambiente.

DIFERENÇAS CULTURAIS

Na Alemanha, segundo a pesquisa, os funcionários mais jovens, com menos de 25 anos, em geral, se sentem ligeiramente mais velhos do que a idade cronológica. Mas eles são os únicos: o restante da amostra demonstrou sentir-se,em média, quatro anos mais jovens do que são.

Estudos anteriores revelaram que a distância entre a idade real e a subjetiva varia drasticamente de um país para outro. Na Inglaterra, por exemplo, os funcionários chegam a se sentir 10 anos mais jovens do que são. Já na China, essa diferença cai para 10 meses.



O cálculo é do Ministério do Planejamento, que faz uma avaliação positiva do impacto da mudança na correção de uma queda que se acentua desde os anos 80

comentários

Para Kelly Carvalho, economista da FecomercioSP, alta rotatividade, baixa remuneração e pouca capacitação de funcionários e gestores criam gargalos de crescimento e reduz a produtividade do segmento

comentários

Para Charles Duhigg (foto), autor do livro O Poder do Hábito, pensar com profundidade e criar rotinas são cada vez mais importantes para os negócios e a vida na era da informação

comentários