São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Tecnologia

Ponto Frio adota o pagamento móvel em suas lojas
Imprimir

A Via Varejo, controladora da rede, desenvolveu um sistema tecnológico próprio para fechar a compra no tablet, a exemplo do comércio eletrônico

O Ponto Frio é uma das primeiras grandes varejistas a adotar o pagamento móvel nas lojas. O serviço já está disponível em três unidades e deve ser estendido para outras lojas gradativamente. A novidade faz parte de um projeto de revitalização da marca, que tenta se posicionar como uma varejista inovadora.

O primeiro passo para implementar o serviço foi dar tablets para todos os vendedores - hoje cerca de 20 lojas do Ponto Frio já funcionam assim. Eles usam o dispositivo para consultar o estoque e apresentar mais informações sobre o produto.

A Via Varejo, dona das marcas Ponto Frio e Casas Bahia, desenvolveu um sistema tecnológico próprio para fechar a compra no tablet. O pedido é feito como se fosse uma compra no e-commerce.

Na hora de pagar, o cliente insere o cartão em uma máquina da Ingênico, conectada ao tablet via bluetooth. O cliente não passa no caixa, mas o vendedor tem de buscar um cupom fiscal impresso para entregar ao consumidor.

"A emissão do cupom impresso ainda é uma exigência da legislação. Com a adoção da nota fiscal eletrônica, isso não será necessário. O vendedor poderá enviar ao cliente a nota fiscal na hora por e-mail", explica o diretor de tecnologia da empresa, Julio Baião.

A solução pode levar a mudanças no leiaute das lojas e até eliminar o espaço do caixa, afirmou o vice-presidente de operações da Via Varejo, Jorge Herzog. "É uma evolução natural, que vai acontecer quando o consumidor tiver confiança no pagamento móvel", explicou.

Para o coordenador do Núcleo de Varejo da ESPM, Ricardo Pastore, a grande evolução no varejo só será plenamente percebida quando as lojas já forem construídas considerando o uso de novas tecnologias. "A loja do futuro terá mais espaço para os produtos e para experiências."

TENDÊNCIA

Além da Apple, varejistas estrangeiras como J.C. Penney e Nordstrom estão usando opções de pagamento móvel para eliminar filas. No Brasil, no entanto, são poucas as varejistas que permitem que o cliente faça o pagamento sem passar no caixa.

A primeira a oferecer uma opção de pagamento móvel foi a gaúcha Paquetá, que fez um projeto piloto em 2013. Hoje há outras iniciativas em curso, como uma parceria entre o Suplicy Café e o PayPal, na qual o pagamento é feito no celular do cliente.

A Paquetá usou um dispositivo móvel acoplado no celular dos vendedores para fazer os pagamentos. "Tivemos diversos problemas na época. O maior deles foi que os adquirentes (donos das maquininhas) ainda não tinham soluções homologadas pelas bandeiras de cartão. Então, não dava para aceitar Visa ou Mastercard, só o cartão da nossa loja", lembra o diretor da Paquetá, Marcos Ravazzolli.

A empresa suspendeu o projeto, mas pretende relançar a solução nas lojas nos próximos meses. Desta vez, a companhia vai testar um sistema em que o vendedor pedirá o produto pelo celular e um funcionário que estará no estoque vai receber uma notificação para separar o produto, diz Ravazzolli. "O vendedor ficará mais tempo com o cliente. Queremos melhorar a experiência na loja."

LEIA MAIS: O varejo na era do consumidor mimado //Se não funciona no celular, não funciona



A crise econômica gerou mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros, que aprenderam a pesquisar preços e transformaram presentes em lembrancinhas

comentários

De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários

Os preços dos eletroeletrônicos foram os que registraram as maiores quedas, de 5% em média, na passagem de maio para junho

comentários