São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Tecnologia

Muito além do Facebook | Como usar o Instagram
Imprimir

Um dos aplicativos mais baixados no mundo pode ajudar sua empresa a se tornar uma marca conhecida e a melhorar o relacionamento com seus clientes

Em outubro de 2010, o Instagram – um aplicativo gratuito em que os internautas podem tirar fotos, alterá-las com a ajuda de filtros e postá-las para seus seguidores – foi lançado na Apple Store. Durante o primeiro mês, poucos acreditavam no potencial dessa nova rede social baseada inteiramente em imagens. 

Os fundadores da empresa, o brasileiro Michel Krieger e o americano Kevin Systrom, tiveram uma ideia simples: criar um app que pudesse melhorar a qualidade das fotos feitas por smartphones. 

Nas primeiras semanas, o aplicativo foi disponibilizado apenas para o sistema iOS e era utilizado por poucos. Em apenas três meses, no entanto, o Instagram já contava com 1 milhão de usuários. Um número expressivo para tão pouco tempo, mas ainda baixo se comparado às grandes redes. A escalada estava apenas no começo.

Em 2011, o Instagram foi eleito o aplicativo do ano pela Apple Store e o número de usuários foi se multiplicando até atingir 15 milhões. Desde então, a rede social se tornou uma febre na internet. Em 2012, a empresa registrou um crescimento meteórico após o lançamento da versão feita para o sistema Android.  

Nesse mesmo período, o Instagram foi vendido para o Facebook por um valor estimado de US$ 1 bilhão. Hoje, é uma das mídias sociais mais usadas no mundo e, em 2014, contabilizava mais de 300 milhões de usuários ativos, ultrapassando os números do Twitter. Diariamente, são colocadas nessa rede 70 milhões de imagens. 

COMO FUNCIONA

O Instagram é uma mistura de rede social e editor de imagens. O nome se origina da contração das palavras instant camera (câmera instantânea) e telegram (telegrama). Ou seja, além de compartilhar a imagens é possível colocar uma pequena frase, algo similar à mensagem de um telegrama.  

O uso dessa rede social é bastante simples. Após baixar o aplicativo, o usuário pode postar suas fotos e alterá-las com a ajuda de filtros e ferramentas. Depois de finalizar as alterações, é possível compartilhar a imagem com os seus seguidores do Instagram e em outras redes sociais, como Facebook, Twitter e Tumblr. Os outros usuários podem curtir, comentar e republicar essas fotografias em suas próprias páginas. 

Além das frases e fotos, outro recurso muito usado na rede são hashtags, palavras precedidas pelo símbolo #. O recurso foi importado do Twitter e ajuda a classificar as fotos e a conectar pessoas com interesses em comum de forma ágil. “A interação entre os usuários do Instagram é mais rápida porque as pessoas estão conectadas à rede 24 horas por dia por meio dos smartphones”, diz Rafael Arrigoni, diretor da Airstrip, consultoria que faz pesquisa de dados nas redes sociais.

A maioria das publicações dessa mídia social são imagens pessoais, como fotos dos usuários em situações cotidianas, de bichos de estimação e de belas paisagens. O Instagram é conhecido também como o aplicativo que ajudou a popularizar as famosas selfies. 

O BRASILEIRO MICHEL KRIEGER E O AMERICANO KEVIN SYSTROM, OS FUNDADORES DO INSTAGRAM/FOTO: DIVULGAÇÃO

INSTAGRAM PARA EMPRESAS

Ao entender a dinâmica do Instagram, é provável que surja um questionamento: Como uma rede tão voltada para a vida pessoal de seus usuários pode ajudar uma empresa a vender mais ou a posicionar melhor a marca? 

A resposta é simples: humanizando as corporações. A melhor forma de utilizar o Instagram é como ponte para construir um bom relacionamento com seus clientes. Um ponto a considerar: anunciar ofertas não funciona.

A ideia é fazer com que uma empresa se torne admirada por meio das imagens que publica. As fotos podem até exibir produtos, mas de maneira a inspirar seus usuários e não apenas para vender. 

Outra forma de atrair mais atenção dos consumidores é utilizando pessoas de influência nessa rede. “No Brasil, as blogueiras são uma boa alternativa para quem quer chamar atenção dos clientes”, afirma Arrigoni. É comum que, mediante a um cachê, usuários influentes no Instagram postem fotos suas usando produtos. O valor pode ser salgado: algumas blogueiras ou celebridades – com muitos seguidores no Instagram – podem cobrar entre R$ 900 e R$ 5 mil por apenas uma imagem com os produtos de uma empresa.

O investimento pode valer a pena para marcas de roupas, maquiagens, suplementos alimentares, cosméticos e outros produtos femininos, já que esse é o principal público do Instagram. De acordo com dados divulgados pela Bussiness Insider sobre essa rede, mais de 90% dos usuários tem menos de 35 anos e 68% são mulheres. 

A NIKE CONSEGUE INSPIRAR SEUS SEGUIDORES NO INSTAGRAM A PRATICAR MAIS ESPORTES/FOTO: THINKSTOCK

ESTUDO DE CASO: NIKE  

Uma das mais celebrizadas marcas esportivas do mundo, a americana Nike, é também, atualmente, uma das empresas mais bem posicionadas no Instagram. Na página oficial, não há anúncios explícitos. Algumas fotos mostram atletas profissionais, como o craque Neymar, do futebol, e o jogador de basquete Lebron James, usando os produtos da marca durante práticas esportivas. Há também fotografias semelhantes de pessoas anônimas. Em ambos os casos, no entanto, a presença da marca é sutil. 

Em outras imagens, não há referência a nenhum produto, são fotografias de pessoas apenas superando barreiras físicas ou se exercitando em cenários bonitos. “São imagens fantásticas e ajudam a inspirar os usuários do Instagram”, afirma Arrigoni.

O posicionamento da marca nessa rede é objetivo e claro: influenciar as pessoas a praticar esportes. Com isso, a página da Nike no Instagram tem mais 13 milhões de seguidores e mais 350 mil interações por imagem postada. 

Para integrar mais usuários, a empresa transformou seu lema Just do it (Apenas faça, em tradução livre) em uma hashtag. O termo já foi citado mais de 5 milhões de vezes na rede social. Além disso, a Nike promove ações, um exemplo foi a campanha Nike PHOTOiD – que permitia que os usuários do Instagram personalizassem seu tênis com suas fotos favoritas da rede.   
 

COMO USAR:

Reputação: Por se tratar de uma rede social voltada para imagens pessoais, é importante que as empresas criem uma identidade para seus perfis no Instagram. Escolha temas relacionados à sua área de atuação e não coloque apenas fotos de produtos. 

Fotos: É fundamental ser original nas fotografias para se destacar nessa rede. Procure colocar imagens que inspirarem os usuários da rede. Use os filtros e as ferramentas para melhorar as fotografias e criar uma identidade visual para as postagens. 

Interação: Uma boa forma de interagir como os usuários do Instagram é reutilizar uma imagem já postadas. O Starbucks faz isso com frequência. A empresa monitora as postagens do usuários e quando percebe uma imagem bonita postada com um dos produtos de sua loja, republica essa foto e cita o usuário. Essa é uma forma de prestigiar os clientes. 

Hashtags: É possível criar suas próprias hashtags como o nome da sua empresa ou dos produtos. Porém, exageros devem ser evitados, não use muitos termos numa única publicação. Elas podem ser escritas em português ou em inglês, dependendo seu público-alvo. 

Monitoramento: Existem alguns aplicativos gratuitos, como Statigram e Simply Measured, que podem ajudar a conhecer seus seguidores no Instagram. Esse apps permitem saber de onde os seus seguidores estão vindo, em que horas eles estão online e quais são os tipos de publicação que geram mais comentários e interação.  

Dados da Business Insider 

*FOTO: THINKSTOCK 



O impacto da paralisação nos resultados é cada vez menor, por causa da digitalização das transações, via computadores e do celulares

comentários

Após o desapontamento dos consumidores e investidores, a marca de Steve Jobs aposta na nova edição do iPhone e do Apple Watch (foto). Os lançamentos chegam nos primeiros países em 16 de setembro. O Brasil não está na lista.

comentários

Como três grandes e-commerces estão utilizando Facebook, Instagram e WhatsApp para concretizar as vendas online

comentários