São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Tecnologia

Como se adaptar ao novo motor de busca do Google
Imprimir

As alterações no algoritmo do maior site de buscas do mundo vão privilegiar sites adaptados para os smartphones. Confira o que fazer para se adequar

Ter um grande número de visitantes num site depende de muitos fatores, como uma divulgação eficiente nas redes sociais, um layout agradável, um conteúdo interessante e anúncios atraentes. No entanto, nenhum deles é tão fundamental quanto um bom posicionamento nas buscas do Google.

Segundo estimativas de especialistas, são realizadas 3.5 bilhões de pesquisas por dia no buscador. Ou seja, quanto melhor a colocação de um site, maior é a possibilidade de ele agarrar uma fatia dessa imensa audiência. 

Para realizar essas buscas de forma eficiente e mostrar páginas que sejam relevantes para seus usuários, o Google utiliza fórmulas e complexos programas de computador que são conhecidos como algoritmos. São motores de busca. Em outras palavras, é como se fosse uma receita de bolo – existem instruções que são seguidas e  sempre chegam ao mesmo resultado. 

Esses algoritmos buscam pistas que combinam as palavras colocadas pelos usuários na caixa de pesquisa com os milhões de sites existentes na internet.

Atualmente, há mais de 200 critérios que são avaliados pelo Google, entre eles estão as palavras que são utilizadas nos textos, a atualização do conteúdo e a quantidade de links que são remetidos para uma mesma página.

“É um conjunto de características que busca compreender quais são os sites mais relevantes para os usuários. É uma avaliação”, afirma Cadu Alves, gerente de marketing digital da Infracommerce.

MUDANÇAS NO ALGORITMO 

De tempos em tempos, o Google faz pequenas alterações nesse algoritmo para aprimorar os resultados das buscas. No último mês, a empresa anunciou uma mudança importante nessa fórmula e que pode afetar o posicionamento de diversos sites.

O novo critério passa a avaliar a compatibilidade dos sites com os dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Ou seja, sites programados para serem visualizados nessas pequenas telas terão prioridade nas pesquisas realizadas. 

 O Google fez essa mudança para se adaptar a uma nova realidade: os usuários estão se servindo cada vez mais os dispositivos móveis para realizar as buscas.

No Brasil, 43 milhões de pessoas acessam a internet através dos smartphones, segundo a pesquisa do Datafolha. O trabalho do buscador é entregar os melhores resultados e aprimorar a experiência dos seus usuários. Por isso é fundamental para a empresa que os sites estejam adaptados e esses novos dispositivos. 

“Alguns e-commerces e sites podem perder a relevância nas pesquisas, por isso é fundamental se planejar para não ser prejudicado”, afirma Alves. 

O QUE FAZER 

Confira as sugestões de Cadu Alves, gerente de marketing digital da Infracommerce, para se adaptar a essas novas tecnologias e não ficar para trás na pesquisa do Google:

TENHA UMA VERSÃO PARA MOBILE OU UM SITE RESPONSIVO

Esses dois formatos são bem visualizados pelos smartphones. A diferença é que a versão mobile é um site completamente novo que é feito exclusivamente para esses equipamentos. Já o responsivo é uma adaptação do original para as outras telas. Ambos são bem aceitos pelo algoritmo do Google. 

GARANTA UMA BOA NAVEGAÇÃO

Um site para smartphone deve ser fácil de navegar. O tamanho reduzido da tela exige diversas adaptações, por exemplo, os botões devem ser maiores para que os usuários consigam clicar sem dificuldades. O tamanho da letra precisa ser alterado. O menu deve estar numa posição que facilite o acesso, além disso, as principais páginas devem ser acessadas em poucos cliques. 

SEJA LEVE

Um dos principais empecilhos para que as pessoas acessem os sites por meio dos celulares é a baixa qualidade da conexão no país.  Por isso, é fundamental que um site para mobile seja fácil de carregar. Por isso, as fotos devem ser em baixa resolução e os vídeos devem ser evitados. “Quanto menos elementos melhor, para os e-commerces o foco deve ser no produto”, afirma Alves. 

CRIE MARKETING ESPECÍFICO

A tendência é que o uso dos smartphones aumente nos próximos anos, por isso é importante estar preparado para atrair mais internautas para o seu site e, com isso, impulsionar a classificação de suas páginas no Google. Por isso, as ações de marketing devem levar em consideração tanto os usuários que usam computadores quando os que utilizam tablets e celulares. “São plataformas diferentes e que exigem estratégias distintas de divulgação”, diz Alves. 

PRODUZA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Os internautas que usam o celular para acessar a internet querem ter informações rapidamente. Por isso, Alves indica que alguns textos sejam produzidos exclusivamente para os dispositivos móveis. “Mesmo que você não tenha uma alta conversão de vendas pelos smartphones, essa é uma boa chance de impactar seus consumidores”, afirma Alves. 

Quer saber se seu site está adaptado aos dispositivos móveis? Faça o teste que na página do Google. Em caso de dúvidas, consulte a cartilha que a empresa preparou. 



O resultado é de agosto e segue a trajetória de queda iniciada em junho, segundo levantamento do Ibevar/Provar

comentários

Ritmo de crescimento é inferior aos 17% de 2015, segundo o Índice Cielo. Mesmo assim, desempenho é superior à média do varejo total no período, que foi de 4%

comentários

Em tempos de recessão, o varejo precisa adotar estratégias para não sacrificar o valor dos produtos que comercializa

comentários