São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Opinião

Voo de galinha
Imprimir

A divisão entre tucanos, por ambições presidenciais, pode levar Alckmin ao PSB e Serra ao PMDB

Uma troca de bicadas entre três presidenciáveis -Aécio Neves, José Serra e Geraldo Alckmin- pode melar e comprometer o tênue fio de favoritismo do PSDB para ganhar a eleição em 2018, mesmo que o grande adversário, o PT, continue sucumbindo na crise que se agravou no país, após o escândalo das propinas na Petrobrás.

A guerra no ninho dos tucanos é esperada para a época em que o partido tiver de escolher o candidato à sucessão de Dilma Rousseff.
 
Os três presidenciáveis se julgam no direito de conquistar a legenda tucana, já que todos eles saíram consagrados das urnas nas eleições de 2014.

Mas, como Aécio tem o domínio absoluto do partido, por presidir a sigla, é provável que tenha a segunda oportunidade, em apenas quatro anos, de conseguir concorrer ao Palácio do Planalto pelo PSDB.

Não existe data, por enquanto, para os tucanos realizarem a convenção para eleger o novo diretório nacional, que se encarregaria de conduzir o processo de escolha dos candidatos.

Até lá, quem dá as cartas é o senador Aécio Neves.

É aí que a roda pega: Serra sabe que, até pela idade que avança no tempo, sua derradeira chance de ser candidato à presidência pela terceira vez se esgota em 2018.

Mas, o que está sendo tramado na surdina é que - se for preterido no PSDB- Serra tem sinal verde de Michel Temer para se candidatar ao Planalto pelo PMDB. Serra e Michel estão assim, ó.

A iniciativa pode vingar, porque o PMDB já admitiu que não dá mais para indicar o candidato a vice-presidente na chapa do PT. O ciclo da boa convivência entre os dois partidos também se esgotou.

A ordem entre peemedebistas é que o partido tenha candidato próprio ao Planalto, e o mais indicado para Michel Temer é o senador José Serra, que nada teria a perder, porque vai exercer o mandato no Senado até 2022.

O enigma no PSDB não acaba com a possível desfiliação de Serra para voltar ao PMDB, de onde saiu para criar o PSDB ao lado de Fernando Henrique, Franco Montoro e Mário Covas.

Os quatro não queriam conviver mais no PMDB sob a liderança de Orestes Quércia.

O imbróglio no PSDB não para por aí: também Geraldo Alckmin pode surpreender a cúpula do partido, caso a legenda presidencial tucana fique com Aécio Neves, em 2018.

A jogada que está sendo articulada é que o governador paulista seja candidato à presidência pelo PSB, partido com o qual está afinado desde as eleições de 2014, quando escolheu o socialista Márcio França para ser o seu companheiro de chapa.

Existe uma dúvida entre os presidenciáveis tucanos: será que a divisão de votos entre Aécio, Serra e Alckmin, na mesma área, não prejudicaria a oposição, beneficiando diretamente o inimigo político número um dos três, o petista Lula, provável candidato ao Planalto pela sextaª vez?

Fernando Henrique pode reagir e intervir na guerra dos presidenciáveis, temendo que tucano de asas cortadas tenha um voo raso e curto de galinha.
 
O principal argumento de Aécio Neves para reivindicar a legenda em 2018 é que, apesar de derrotado por Dilma Rousseff em 2014, saiu consagrado das urnas com 51 milhões de votos.

Serra e Alckmin, no entanto, contra-atacam com o mesmo veneno. Serra se elegeu senador derrotando o forte candidato do PT, Eduardo Suplicy, enquanto Alckmin se reelegeu governador, ainda no 1º turno, com 68% dos votos.

Como o seguro morreu de velho, Aécio toma a vacina da precaução e pretende seduzir Geraldo Alckmin, convidando-o para ser o seu vice.

A conta que Aécio faz tem lógica, porque uma chapa puro-sangue, café-com-leite, uniria os dois maiores colégios eleitorais do País, São Paulo e Minas, que somam cerca de 50 milhões de votos de um total de 140 milhões de eleitores brasileiros. 

 



Datafolha revela que presidente interino ganha aos poucos confiança maior da população. Senador tucano é prejudicado pela Lava Jato. E candidatura de Haddad à Prefeitura está em situação dolorosa

comentários

Cresceu o peso de Alemanha e França no bloco europeu. São países "mais complicados" do que os britânicos nas negociações de comércio, afirma o ministro das Relações Exteriores

comentários

Dilma é a maior prejudicada: perde votos no Senado e transforma em inevitável a confirmação do impeachment. Mas Henrique Alves (PMDB) e Aécio Neves (PSDB) também estão desconfortáveis

comentários