São Paulo, 24 de Julho de 2017

/ Opinião

Um filme para ver como dever cívico
Imprimir

"Eu, Daniel Blake" nos ajuda a entender o que vivemos no Brasil de hoje com 12 milhões de desempregados e um choque de realismo na inexequibilidade das promessas dos governantes e, de resto, da maior parte da classe política.

Fui ver "Eu, Daniel Blake", do engajado e premiado diretor britânico Ken Loach. Um drama humanitário, a tragédia política da falência do Estado de bem-estar social europeu e ao mesmo tempo a narrativa comovente da infinita solidariedade humana.

Um manifesto que opõe o valor do trabalho ao valor social da riqueza numa sociedade capitalista que ele critica com veemência.

Um filme que nos ajuda a entender o que vivemos no Brasil de hoje com 12 milhões de desempregados e um choque de realismo na inexequibilidade das promessas dos governantes e, de resto, da maior parte da classe política.

Acabado o filme, recebi de uma amiga um meme que anda circulando nas redes. Sobreposta à figura do perfil de um homem a figura de seu rosto frontal.

O MEME QUE ELUCIDA

Representação em foto do antigo  recurso pictórico da arte egípcia, reincidente em várias culturas primitivas  africanas e retomada pelo desenho facial da pintura cubista.

O que chega a dar um certo frisson ao passarmos os olhos pelos elementos recortados do perfil, como o queixo, a boca, o nariz.

Mas quando chegamos ao olho, o elemento não nos trai, e denuncia que se trata na verdade de um rosto frontal recortado.

Ao lado, a legenda acerca de uma aparente verdade consagrada: "Respeite o ponto de vista das pessoas. Às vezes estamos vendo a mesma coisa, porém de forma diferente."

E respondo de pronto ao meme de minha amiga: "Taí o início do relativismo moral do Ocidente: na retomada cubista dos perfis egípcios às garatujas infantis da arte “livre  do rigor formal” e o retorno às máscaras primitivas africanas, a quebra da convenção milenar da perspectiva clássica grega.

Podemos entrar no jogo do tanto faz, mas o olhar frontal não nos engana. Basta ver no olho-a-olho.

Respeitar, portanto, não significa se omitir diante do erro, uma exigência primeira e universal da cidadania de não compactuar com o erro.

E a propósito do relativismo moral esquerdista, é que recomendo o filme "Daniel Blake".

O Estado não dá conta de Deus. É o que estamos vendo com a decadência das políticas globalistas de cooperação multilateral de viés humanitário que vêm sendo praticadas pela hegemonia da social-democracia internacional e às custas do compromisso maior dos estados nacionais para com os cidadãos que os sustentam.

À custa de dumping, mão de obra sub-remunerada, desprovida de redes de proteção social, a China sequestrou milhões de empregos do mundo ocidental.

É a "guerra por empregos” que integrou ao mundo capitalista um bilhão de chineses, transformando a China em fábrica do mundo de tudo que não é estratégico na indústria! Sobre o tema veja aqui o economista Paulo Guedes.

Esta é a verdade: os welfare states ocidentais traíram seus cidadãos como denúncia Mr Trump. É feio, não tem o charme romântico do Obama bom moço.

Como Thatcher não tinha, nem os conservadores Reagan, Sarkozy, Cameron e tantos outros não tiveram. Mas é a verdade, basta fazer contas e olhar de frente a situação.

O homem não pode ser sempre visto pelo que gostaríamos que ele fosse, mas como ele é de fato, um falho pecador.

Como está na Torá, no Evangelho, em David Hume quando nos ensina que o homem é o lobo do homem e não o bom selvagem de Rousseau, pai de todos os socialistas utópicos.

O Estado não dá conta de substituir Deus. Pois, se nenhum deus de nenhuma religião ocidental garante a vida, seu dom intransferível, o que dirá o risível Estado distributivista dos humanos.

Esta que foi a maior torção do humanismo, a maior distorção e corrupção dentre todos os valores morais da tradição humanista judaico-cristã: o Estado não pode garantir nem mesmo o valor absoluto da vida. Os homens são pecadores, cruéis e solidários para com seus semelhantes.

Não há direitos sociais ilimitados para a garantia de todos, simples ilusão  romântico-esquerdista.

É dever cívico e político do cidadão vigiar para que não se endeuse o Estado intervencionista que resulta apenas em estagnação econômica e civilizatória. Filme em cartaz no Brasil num cinema perto de você, sob o título "Eu, Daniel Blake”.

********
As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 



Alguns açodados analistas, não compreendendo as altas responsabilidades de presidir um órgão dessa magnitude, passou a cobrar de Paulo Rabello de Castro medidas autoritárias.

comentários

Sem perspectivas e sem recursos, nossas metrópoles afastam-se, cada vez mais, do seu papel civilizador e inovador

comentários

Acordamos a cada dia sem saber qual a nova bomba e de quem, de onde virá. Mas virá

comentários