São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Opinião

Tsunami varre o PT
Imprimir

Entrevista de Marta Suplicy põe o dedo em feridas que o petismo preferia ignorar

Ao detonar o PT na entrevista que concedeu à colunista do Estadão, Eliane Cantanhêde, a senadora Marta Suplicy sabe que criou um nó no partido que dificilmente será desfeito sem deixar uma ferida exposta: ou ela deixa o PT por decisão própria ou pode ter o dissabor de enfrentar inclusive um pedido de expulsão.

No PT, ela não tem mais condições de continuar, sobretudo porque já comentou que será candidata à Prefeitura da Capital no ano que vem, sem qualquer possibilidade, portanto, de conseguir a legenda e o apoio da cúpula petista.

O PT bateu o martelo e já decidiu que seu candidato será Fernando Haddad, que vai tentar a reeleição, apesar de ostentar razoável índice de popularidade no Ibope e no Datafolha.

Marta Suplicy foi dura nas críticas a Dilma Rousseff, ao ministro da Justiça, Aloísio Mercadante e, principalmente, ao presidente do partido, Rui Falcão, a quem xingou de traidor. A senadora carregou no verbo ao defenestrar Mercadante e Falcão, dizendo que ambos traíram Lula, impedindo que o ex-presidente fosse o candidato do PT ao Palácio do Planalto em 2014.

Marta deixou a oposição satisfeita ao dizer que o PT pode acabar e endureceu novamente as críticas responsabilizando a presidente Dilma pelo deslize na condução da política econômica do País e pelo pibinho de pouco mais de 0% no ano passado.

Dilma, Lula, Mercadante e Falcão continuam em silêncio, mas os petistas esperam que a cúpula responda acusação por acusação da senadora, antes de tomar, por exemplo, a decisão extrema de expulsá-la do partido, se for o caso. Por enquanto, apenas o chamado baixo clero do PT decidiu cutucar Marta, dizendo que ela está sem a identidade política verdadeira, porque continua usando o sobrenome do ex-marido Eduardo, de quem se divorciou há muitos anos.

Marta Suplicy está namorando o Partido Solidariedade, recém criado por Paulinho da Força Sindical e flerta ao mesmo tempo também com o PMDB. Como o PMDB deve bancar a candidatura do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, à Prefeitura, é mais provável que a senadora faça a opção pelo Solidariedade ou procure uma outra legenda.

Seja qual for seu destino, porém, dificilmente Marta Suplicy vai encontrar um partido com a mesma força eleitoral do PT, capaz de brigar em igualdade de condições com adversários fortes, como é o caso do PSDB.

 Os últimos levantamentos de opinião indicam que o mais provável é que PT e PSDB voltem a polarizar a campanha de prefeito em 2016. O PMDB surge nas pesquisas como terceira força, porque o PSD de Gilberto Kassab e Guilherme Afif Domingos não deve concorrer à eleição, já que o partido participa da equipe do primeiro escalão do governo de Dilma Rousseff, ocupando dois ministérios importantes.

Uma coisa, finalmente, intriga o PT: Marta Suplicy ainda é lembrada por muitos eleitores da periferia da Capital, apesar de ter deixado a Prefeitura há tanto tempo. É isso que alimenta o otimismo da senadora em ser candidata no ano que vem.

 



Programas como o Inovar Auto, para o setor automotivo, e a Lei de Inclusão Digital, foram considerados ‘subsídios disfarçados’ de políticas de incentivo

comentários

Dos 80 mil ambulantes espalhados pelas ruas de São Paulo, apenas 2,5 mil têm licença. Outras gestões tentaram resolver o problema com proposta semelhante

comentários

Monica de Bolle conta como a ex-presidente chegou ao poder disposta a governar de um modo diferente e acabou mergulhando o país na crise

comentários