São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Opinião

Totalmente sem graça
Imprimir

A linha da cartilha petista, inaugurada por Lula, do “nada sei, nada vi, não sabia e exijo providências” é seguida à risca por todo e qualquer envolvido em escândalos de roubo do dinheiro público no país

A defesa que a presidente Dilma Roussef fez da presidente da Petrobras, Graça Foster, e a entrevista que essa senhora concedeu ao Jornal Nacional nesta segunda-feira (21), são duas demonstrações de como a opinião pública nacional é subestimada pelos detentores do poder federal no país. Desrespeito, se não desprezo.

A linha da cartilha petista, inaugurada por Lula, do “nada sei, nada vi, não sabia e exijo providências” é seguida à risca por todo e qualquer envolvido em escândalos de roubo do dinheiro público no país. O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, indicado por Dilma para o cargo pediu a demissão de toda a diretoria da empresa. Dilma vai manter e ainda defendeu a “amiga”.

Graça, numa entrevista totalmente encomendada à Globo por conta da entrevista anterior da funcionária que foi punida por ter denunciado as falcatruas, disse que a direção da empresa “não recebeu e não sabia”. Foi totalmente sem graça.

Perdida numa entrevista “amiga” tropeçou nas perguntas mais previsíveis para levantar a bola que o repórter recebeu na pauta, certamente, e deixou patente, uma vez mais, ser incompetente para o cargo que ocupa. Evasiva, sem conteúdo e tentando se passar por vítima, brindou o telespectador, eu, por dever de ofício, sou obrigado a assistir o chapa branca Jornal Nacional da Globo, com pérolas do desmando que assola a direção geral do país. Reeleita.

Ambas, Dilma, Graça ou Graças, e a TV Globo também, foram totalmente sem graça ao, em nome de esclarecer a verdade como jornalismo, acolher, sem editorial contrário, a armação feita, ao estilo petista, para desconstruir a verdade que inunda de lama a Petrobrás e os brasileiros que pensam de vergonha.

A funcionária punida conclamou os funcionários da Petrobrás a seguirem seu exemplo e denunciarem o que sabem de ladroagens cometidas nos cofres da estatal. Vai prevalecer, aposto, o medo sobre a verdade.

Quem quer ser punido por dizer a verdade? Sabendo que o Planalto dará cobertura aos dirigentes acusados, sendo a principal personagem no caso a própria presidente da Republica, ex-presidente do Conselho de Administração da empresa, que autorizou as negociações bandidas?

Tudo muito sem graça. E que cobre com a cor preta do petróleo de luto o bom senso, a honestidade, a verdade, e os rumos do país.

 

 



Somente a perseverança no ajuste fiscal e uma redução menos tímida dos juros serão capazes de contribuir para uma recuperação da atividade

comentários

Um ministro do STF, sem consultar seus pares, podia decidir liminarmente pela deposição do presidente do Senado?

comentários

Ele não é o presidente que merecem, mas é o herói de que os Estados Unidos precisam

comentários