São Paulo, 05 de Dezembro de 2016

/ Opinião

Taxa de juros: para que lado o vesgo enxerga?
Imprimir

O Brasil segue o exemplo exatamente oposto ao dos Estados Unidos, com juros elevados que travam a produção e o consumo

Acreditamos que ninguém mais suporta falar, ouvir falar ou ver e sentir a nossa estratosférica taxa de juros.

Qual a empresa que consegue produzir decentemente com ela? Que consumidor pode comprar normalmente com esta taxa absurda e desproposital, que somente consegue agradar aos cegos e vesgos?

O que está acontecendo com nossos homens públicos? Ou seria melhor perguntar o que está acontecendo com a nossa imensa população que aceita tudo isso? Será que dá para todos irem ao oculista, mudarem os óculos e passarem finalmente a enxergar?

É tão simples olhar para o que acontece no resto do mundo. Se a nossa taxa de juros real é a maior do mundo, e ninguém mais tem dúvidas sobre isso, há que se tomar providências.

Vide que estamos amargando uma crise sem fim há três décadas e meia, desde 1981, e isso deve ser algum sinal, ainda que imperceptível (sic).

Se quisermos saber o quanto isso é prejudicial é só olharmos para o que acontece nos demais países no resto do mundo.

Em todos eles, as taxas de juros, em tempos de crescimento, apresentam forte relação com a inflação, isto é, são muito parecidas, sendo em alguns casos até mais baixas, implicando em juros reais negativos.

Em tempos de crise, como tem sido os últimos anos, as taxas de juros podem ser jogadas a “0%”, que é o acontece já há muitos anos em muitos países como Japão, EUA, e quase isso em outros como a União Europeia.

Se não desejarmos olhar para os vizinhos, supondo estarem todos errados e somente nós certos, e querendo reinventar a roda, então olhemos para nosso próprio passado.

Se voltarmos algumas décadas, veremos que nossa inflação era mais baixa quando apresentávamos crescimento. Segundo se pode acompanhar pela grande imprensa, o país cresceu entre 1959 e 1981 a uma taxa asiática de 8,1% ao ano.

Entre 1967 e 1974 crescemos a taxas maiores do que crescem hoje os países asiáticos. E quais eram os nossos níveis inflacionários nesses períodos de grande prosperidade? A resposta, obviamente, é que tínhamos inflação baixa, suportável.

Então porque estamos tentando reinventar a roda? Será que a existente não foi suficientemente aperfeiçoada de modo que até o Brasil possa utilizá-la? Se não for perfeita, e estiver ligeiramente ovalada, qual o problema? O mundo está usando e com sucesso.

Precisamos parar de pensar em inflação, que, quando ela não era tão vedete, funcionávamos melhor. É preciso entender que inflação é própria de países em crise, e que os em desenvolvimento e desenvolvidos não tem problemas com ela.

Gostaríamos de colocar em discussão apenas as visões de Brasil e EUA quanto a como tratar a taxa de juros. Quando o EUA ameaçaram entrar em recessão no final da década passada, o todo poderoso presidente do FED, Banco Central norte-americano, a utilizou como forma de reativar a economia. Há seis anos ela é “0%”.

Pensamento básico nos EUA: A prioridade é o crescimento e o emprego. 

Baixemos a taxa de juros e os empresários investirão, aumentando a produção e o emprego. Baixemos a taxa de juros e os consumidores estarão dispostos a comprar e financiar mais.

Resultado básico nos EUA: a economia do poderoso irmão do norte da nossa América, que entrou em recessão, voltou a crescer, ainda que modestamente, por ora. Logo estará voando novamente.

Pensamento básico no Brasil: A prioridade é a inflação. Aumentemos a taxa de juros, ou mantenhamo-la bem alta em termos reais, que a inflação cederá. O consumo? Ora o consumo, ele é inflacionário.

Resultado básico no Brasil: O país patina há três décadas e meia em seu crescimento, o desemprego aumenta novamente, o consumo está em queda, e os salários começam a cair. E a inflação está cada vez mais fora de controle, quase o dobro da meta.

Mais uma vez perguntamos, singelamente, sob risco de cometermos o desatino de irritarmos o leitor. Quem está vesgo, nós ou os EUA e seu presidente do FED? Nós ou o mundo?

Novamente transferimos para o leitor a resposta já que, em análise sob paixão, sempre podemos incorrer em erros de avaliação.

E, também, novamente, conclamamos nossos governantes a assumirem a bandeira do desenvolvimento, para colocarmos fim a mais de três décadas de sofrimento, que isso já foi mais que suficiente.

Em especial se concluirmos que esse é o melhor país do mundo, fisicamente. Temos o maior território do mundo para plantarmos e criarmos. Temos 16% de toda a água doce do planeta. Temos recursos naturais e subterrâneos como poucos. Uma costa marítima invejável. Um povo altamente criativo e que se adapta a qualquer situação (sic).

E não temos as porcarias que outros países têm como terremoto, furacão, vulcão, etc. etc. etc.

 



O país foi novamente superado por economias que recentemente passaram por forte crise como a Grécia, Ucrânia e Rússia, de acordo com levantamento de agência de risco

comentários

"Embora a região não tenha sido poupada da pior recessão da história moderna do Brasil, seus efeitos foram mais leves", observa a revista britânica, que aponta Florianópolis (foto) como um dos principais polos de startups

comentários

Citação apareceu duas vezes, para compra de reais e de ações, entre as seis principais sugestões feitas pelo banco aos seus clientes

comentários