São Paulo, 26 de Fevereiro de 2017

/ Opinião

Mudanças climáticas: posicionamento e compromisso
Imprimir

Cabe nos manifestar quando a humanidade enfrenta o aquecimento global, a maior ameaça à civilização moderna, provocando mudanças climáticas que afetarão a economia, o cotidiano das pessoas e a biodiversidade do planeta

A Associação Comercial de São Paulo, ao longo de seus 120 anos de existência, tem exercido papel de protagonismo e apoio a iniciativas em prol do ideário democrático, causas ambientais e culturais e progresso econômico com justiça social. A entidade defende a livre concorrência, iniciativa privada, empreendedorismo e promoção da ética, boa governança, desburocratização, simplificação e desoneração tributária e eficiência e probidade na gestão dos recursos públicos.
Assim cabe nos manifestar oficialmente quando a humanidade enfrenta o aquecimento global, a maior ameaça à civilização moderna, provocando mudanças climáticas, que afetarão a economia, cotidiano das pessoas e biodiversidade do planeta.
O setor de comércio e serviços da maior metrópole da América Latina, representado nesta Casa, pode contribuir de forma significativa no esforço mundial para mitigação, adaptação, conscientização e articulação de ações de governos, empresas, ONGs, Academia e sociedade civil e não pode se furtar a manifestar-se publicamente. 
Ouvidos o Conselho de Política Urbana e os Núcleos de Estudos Socioambientais e de Estudos Urbanos, lançamos a presente Carta-Compromisso pública, com nossa visão e posições:

•    A ACSP está ciente de que o aquecimento global tem causas antrópicas e é preciso enfrentá-lo sobretudo pela criação de uma nova economia descarbonizada, livre da dependência dos combustíveis fósseis na energia e transporte, pela ampliação da vegetação nativa e de práticas de uso do solo que conduzam  idealmente a se zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa a médio prazo, evitando que limites de descontrole climático sejam superados;

•    A ACSP considerará em seu planejamento estratégico, programas e projetos, publicações e posições em colegiados nos quais participa, as oportunidades de engajamento em ações que reduzam ou sequestrem emissões, tornem as atividades humanas mais resilientes ao impacto da alteração do clima e preservem os demais seres vivos da Terra;

•    A ACSP vislumbra grandes oportunidades de progresso e geração de renda através da economia verde, otimização do uso dos recursos naturais e de eficiência energética, construindo-se o almejado desenvolvimento sustentável; 

•    A ACSP acredita que o setor de comércio e serviços pode exercer papel muito relevante pela adoção de boas práticas nas cadeias de distribuição, notadamente no frete mais eficiente, promoção de produtos e serviços ambientalmente amigáveis, redução de resíduos sólidos, uso racional da água e energia e pela adesão a padrões de construção verde nas lojas e centros de estocagem. Neste sentido fomentará a inovação e sua disseminação entre associados, fornecedores e clientes;

•    A ACSP dispõe-se a colaborar proativamente com autoridades públicas, outras entidades empresariais e com a sociedade em geral, na consecução destes altos objetivos, promovendo  os mecanismos de mercado, incentivos tributários, fomento à inovação e educação ambiental de toda população.

 



O Índice Nacional de Confiança, da ACSP, mostra que desde dezembro do ano passado o otimismo da população só recuou

comentários

Não poderá vir majoritariamente do consumo, pois o elevado desemprego, o alto grau de endividamento e a contração do crédito impedirão um rápido aumento das compras

comentários

Debate na ACSP questiona decisão judicial e discute o status de arte dessa manifestação. "Combate a grafites e pichações não compete ao DPH", afirma diretora de Patrimônio Histórico

comentários