São Paulo, 24 de Julho de 2017

/ Opinião

Fim de ciclo
Imprimir

Chegou a hora de chamar os profissionais, se é que ainda existem. O ciclo da política feita por antigos líderes estudantis e sindicais, com as suas obvias visões dominadoras, excludentes e inconsequentes, chegou ao seu esgotamento.

Quando se sobrepõem três crises de grandes proporções – quais sejam, econômica, política e social – acende-se um sinal de emergência para a sociedade.

Os conflitos e tensões se exacerbam, mas, na melhor tradição brasileira, começa-se a afastar os radicalismos e a buscar uma solução capaz de articular uma nova composição política com o equilíbrio necessário para conduzir o país.

Diante do alerta, o objetivo passa a ser o de viabilizar uma nova governança que tenha a disposição de mudar o rumo das opções econômicas e políticas.

O fracasso da “Nova Matriz Econômica” deixou um legado preocupante de inflação fora de controle, crescimento negativo e desarticulação das contas públicas.

Justamente a mudança de rumo que prometia um novo e glorioso ciclo de desenvolvimentismo – com um “pouquinho” de inflação, bem entendido – trouxe, como consequência, o gosto amargo de um passado que julgávamos para sempre superado.

O desrespeito à aspiração da sociedade pela estabilidade da moeda não poderia deixar de ter consequências políticas.

Começou, assim, a desmoronar a governabilidade do país mantida à custa de fantásticos esquemas de corrupção e submissão do Legislativo aos desígnios de um Executivo imperial.

Todavia, de forma surpreendente, o Legislativo passou a dar demonstrações de independência, e partidos políticos começam a se reagrupar em busca de novas alianças capazes de viabilizar alguma estabilidade política para gerir o país neste grave momento.

O conjunto da obra do governo Dilma 1 e o delírio consumista do governo Lula 2 só poderiam desembocar em inflação, recessão e desemprego. E agora cabe aos políticos terem a grandeza e descortino para resolver um imbróglio destas proporções.

O que não é tarefa fácil para um Congresso que vinha sendo submisso ao Executivo e paroquial nas suas aspirações. A dimensão e complexidade das crises exigem postura de grandes estadistas.

A crise social obviamente se agrava com as perspectivas de crescimento da inflação e do desemprego, jogando por terra precisamente as conquistas de redução da pobreza e busca de maior equidade.

O discurso oficial, cada vez mais, se descola da dura realidade das famílias, e esse distanciamento alimenta um ambiente de crescente insatisfação e frustração.

As tensões sociais, acompanhadas de níveis inéditos de violência e criminalidade, tornam a sociedade refém do crime organizado, o qual, como diria o saudoso Millor, é produto de um Estado desorganizado.

O cansaço com a corrupção e a violência, ao contrário do que a “ideologia” oficial quer dar a entender, não é um capricho da “classe média”. Na verdade, são os pobres e a “nova” classe média aqueles mais atingidos por essas duas pragas.

E, afinal, não era a nova classe média que o governo tanto exaltava como conquista da ascensão social? A redução da pobreza não iria diminuir a criminalidade? E achava-se que esta nova classe média jamais iria protestar contra a péssima qualidade dos serviços públicos, a corrupção ciclópica e a carestia?

Crise econômica e tensões sociais tendem a ser mais bem resolvidas no plano político.

Mas, para isto, é preciso que se tenha uma visão clara, objetiva e serena do que deve ser feito. Não é com arroubos demagógicos e marketing de um país de fantasia – e, claro, nem jogando gasolina na fogueira – que iremos resolver esses problemas.

Chegou a hora de chamar os profissionais, se é que ainda existem. O ciclo da política feita por antigos líderes estudantis e sindicais, com as suas obvias visões dominadoras, excludentes e inconsequentes, chegou ao seu esgotamento.

Neste país, que na genial síntese atribuída à Oswaldo Aranha é “um deserto de homens e ideias”, é importante que os melhores assumam o compromisso de reorientar o comando político. É a hora de virar a página...



O patrimônio de R$ 9,6 milhões bloqueado pela Lava Jato é menor do que ele recebeu como presidente, e palestras podem ter servido como lavagem de dinheiro

comentários

O juiz Sérgio Moro considerou que o ex-presidente recebeu propina no caso do triplex do Guarujá. A decisão é de primeira instância, assim, só pode haver prisão após decisão em segundo grau

comentários

Mudar as regras do jogo em caso de queda de Temer seria uma manobra demorada no Congresso. Mas, se desse certo, favoreceria a candidatura presidencial de Lula

comentários