São Paulo, 27 de Julho de 2017

/ Opinião

Economia e emoção
Imprimir

É preciso criar um clima de tranquilidade, deixando o confronto para um período curto da agenda política, e as investigações, para o Judiciário

A economia moderna se baseia muito no ambiente de negócios proporcionados pelos países, com políticos pró capital, sem prejuízo, é claro, para a correta mão de obra e ao fiel cumprimento das leis.

A China, com parte de sua população ainda subempregada, uma ditadura sem direitos sociais, é a exceção que confirma a regra.

O Brasil vive um momento de acirramento de ânimos que não contribui para a paz social, política e o enfrentamento de uma imensa crise na sua economia, nos seus números mais importantes.

Apesar de ser dona de um temperamento difícil, a presidente tem dado provas de boa vontade ao tentar corrigir equívocos do primeiro mandato. E deve ser estimulada a prosseguir neste caminho.

Não podemos viver na agitação das ruas, e buscarmos investimentos, rolamos uma dívida de dimensão razoável – temos, sim, mais de 300 bilhões de dólares de reservas, mas devemos mais de 500 bilhões.

Precisamos manter o mercado interno em patamar médio dos últimos anos e, principalmente, ganharmos credibilidade no setor financeiro mundial.

Na verdade, a oposição dividida e sem um líder desenvolve ações nem sempre dentro dos padrões do bom senso e do respeito às normas democráticas.

A presidente abriga em seu governo elementos de pensamento radical, assim como uma ala significativa de incendiários. É preciso união pelo centro.

O Congresso poderia colaborar e juntar, no esforço concentrado de uma semana, todas as medidas que faltam de ajuste fiscal e de reformas que possam tornar melhor o ambiente de investimentos, para que se passe logo à prática.

Perder tempo discutindo, negociando e dificultando só agravará a crise. Ceder aos políticos ou aos grupos ideológicos só atrapalhará. Votar as medidas fatiadas pode custar caro demais.

É preciso equilíbrio, uma pausa na ação meramente política e deixar o Judiciário livre para julgar os malfeitos na Petrobras e em outros setores estatais, inclusive estaduais.

Não é possível um país viver em permanente tensão política e social e ainda por cima cuidar de imensas dificuldades na economia. O dinheiro tem medo, não gosta deste ambiente.

Esta conta acaba custando ao povo como um todo, com empresários e grupos internacionais afetados em suas empresas, trabalhadores em seus empregos. É preciso responsabilidade e menos emoção. Empurrar a presidente para os braços dos radicais não é prudente!

O capital para investimento não virá com tanta burocracia e a insegurança provocada por ambientalistas, por exemplo. E esta legislação trabalhista e previdenciária fora da realidade mundial.

A oposição vem errando ao criticar as boas iniciativas do governo, quando poderia se concentrar, objetivamente, nos casos graves de desvios de dinheiro, inclusive em financiamentos a países sem crédito internacional.

 



PT, PC do B e Psol apoiam o regime de Nicolas Maduro, e o clima nesses partidos de esquerda é de ressentimento. Mas as Forças Armadas não se deixariam instrumentalizar por aqui

comentários

Mudar as regras do jogo em caso de queda de Temer seria uma manobra demorada no Congresso. Mas, se desse certo, favoreceria a candidatura presidencial de Lula

comentários

O processo foi originado de uma ação movida em 2014 pelo PSDB, que pedia a cassação da chapa vencedora das últimas eleições para presidente

comentários