São Paulo, 23 de Julho de 2017

/ Opinião

Do que são capazes...
Imprimir

O triste exemplo das senadoras em nada dignifica as mulheres que querem participar da política

O Brasil assistiu estarrecido, nesta terça-feira (11/07) a um espetáculo dantesco, patrocinado pelas senadoras do PT e do PCdB,  mostrando do que são capazes de fazer para defender a “democracia bolivariana” , que os brasileiros já rejeitaram em recente passado.

Defendem elas a mesma “democracia” que está matando na Venezuela.

O triste exemplo de ontem em nada dignifica as mulheres que querem participar da política, não só porque não fazem jus à figura sagrada de mãe e cocriadora da vida, como também do brilho intelectual das profissionais que se destacam em suas múltiplas tarefas, na iniciativa pública e privada.

O que  restou  da grave ofensa  às instituições democráticas, provocada por aquelas senadoras  com sua atitude sem precedentes em nossa história, certamente não deve representar a posição do partido que representam.

Mesmo porque, reconhece-se que há lá pessoas de bem que não devem compactuar com a posição extremada daquelas senadorasm, desrespeitando a casa maior do Legislativo.

É verdade que o senhor Rui Falcão, ex-presidente do partido,  declarou recentemente que o Brasil não sabe do que eles são capazes de fazer...

Quero crer, no entanto, que seu brado não passou de simples retórica para impressionar suas bases.

A Constituição Federal e as nossas instituições estão acima de ideais partidários; mesmo porque temos o Supremo Tribunal Federal como nosso guardião constitucional e as forças armadas que jamais faltarão para manter a ordem e o progresso.

O Brasil é maior do que pensam essas senhoras e outros oportunistas desavisados. Nosso papel no cenário mundial é mais profundo do que possa demonstrar esse triste momento político.

O importante neste momento será promover as reformas e vencer a crise econômica, gerando emprego para milhões de brasileiros e assim permitir que suas famílias tenham uma qualidade de vida melhor.

As riquezas de nossa extensão territorial e o potencial de produção não existem por acaso. Há de haver uma razão mais profunda do que a simples disputa política partidária.

O Brasil rico existe para que seu desenvolvimento promova naturalmente a justiça social interna, gerando renda e trabalho sem disputas intestinas e mostrando ao mundo uma população solidária e fraterna.

Será preciso apenas vencer a ignorância e a corrupção, que ainda existem por aqui, promovendo uma educação mais eficiente e abrangente.  

O resto virá pelo trabalho e o esforço da brava gente brasileira, que apenas deseja viver em paz.

 



Alguns açodados analistas, não compreendendo as altas responsabilidades de presidir um órgão dessa magnitude, passou a cobrar de Paulo Rabello de Castro medidas autoritárias.

comentários

Sem perspectivas e sem recursos, nossas metrópoles afastam-se, cada vez mais, do seu papel civilizador e inovador

comentários

Acordamos a cada dia sem saber qual a nova bomba e de quem, de onde virá. Mas virá

comentários