São Paulo, 01 de Outubro de 2016

/ Opinião

Dilma, chore menos, trabalhe mais
Imprimir

A presidente confunde como sendo tentativa de golpe a indignação com seu imobilismo e com a desonestidade do PT

Em meio às crises que transtornam o país, como as de gestão, econômica, política, de credibilidade, hídrica, energética, todas geradas de dentro do governo para a sociedade, e não o inverso, sem nenhum constrangimento de uma vez mais parecer e ser autoritária, a governanta Dilma fala em golpismo.

Na mesma ocasião – o aniversário do PT (enrubescido) – em que tenta justificar o fracasso de sua gestão inicial e o começo desastroso da segunda, se escondendo atrás de um golpismo que só ela e seus áulicos veem, sai a notícia de que a inflação em janeiro deste 2015 foi a maior em 12 anos, aliás, o mesmo tempo que o PT está no poder federal.

Não seria preciso outro fato, a inflação crescente de volta, para justificar a insatisfação cada vez mais generalizada com o estilo petista de governar, que leva os responsáveis pelos desastres que se abatem sobre a administração pública a se esconder atrás de desculpas incabíveis na realidade do país.

Falar em pessoas inconformadas com a vitória de Dilma nas eleições, terceiro turno, golpe e outras bobagens é confessar o flagrante com desculpas sem nexo para tentar confundir a mente de parte da população que ainda acredita na santidade petista.

Não haveria o alegado golpismo –desculpa esfarrapada de perdedores, estes sim- se a inflação estivesse controlada e baixa; se a governanta não tivesse mentido na televisão ao comunicar, sorridente, que as tarifas de energia elétrica seriam menores e nunca mais haveria apagão no país; se a Petrobras não estivesse sob o maior escândalo de corrupção da história da humanidade; se a troca da diretoria da empresa tivesse sido feita para sanar a estatal e não aliviar a situação dos petistas e governantes que colaboraram para o quadro de insolvência daquela que foi a maior empresa da América do Sul.

Não haveria golpismo se os dirigentes petistas tivessem a mínima humildade de reconhecer erros e mostrar interesse efetivo em corrigi-los em vez de acusar para se defender; não haveria golpismo se o Planalto parasse de tentar controlar –como já faz- o Legislativo e o Judiciário, para ser hegemônico e ditatorial; não haveria golpismo se os petistas autoritários e os corruptos não tentassem censurar a imprensa através de neologismos estapafúrdios, para impedir que suas ações nefastas cheguem ao conhecimento público.

Não haveria golpismo se os serviços públicos, como hospitais, estradas, abastecimento, escolas, repartições, funcionassem, no mínimo, com respeito ao brasileiro comum; enfim, não haveria como não há golpismo, na demonstração oposicionista – pertinente num país livre e caminho que levou o PT ao poder- se o governo fosse decente, digno, eficiente e focado no país e não em sua perenidade no comando do Brasil.

Demonstrado está, sem maiores esforços, que golpismo é fruto de duas vertentes: a impossibilidade de defesa de um governo que começa seu segundo mandato acabado, sem energia (também a elétrica) sem moral e chafurdado nas denúncias de corrupção e má gestão, e na da arrogância histórica de se achar vítima, quando e réu.

Pare de chorar, Dilma. Trabalhe mais, com mais foco no Brasil do que no PT e aliado$ internos e externo$, anacrônicos, atropelados pelo trem bala da história e que perderam a noção da realidade.

Ouvir o presidente nacional do PT choramingar é como se fosse jogador de time de futebol goleado por 7 a 1, tentando provar que foi melhor que o adversário...

Ouvir a governanta choramingar alegando golpismo é o mesmo que prometer energia mais barata e eliminação de apagão, quando acaba a água na torneira e a luz na coletiva do ministro de Minas e Energia.

Esse é o retrato patético a que o PT reduziu o país. E não tem como se defender. Então ataca a vigência sadia das instituições que permitem liberdade de imprensa, oposição e impeachment (previsto na Constituição) onde se fizer necessário.

O resto é choradeira de quem ganhou perdendo...

 

 



Redução do volume de investimento não terá grande impacto nas metas operacionais. O plano também prevê a adoção de orçamento zero e novas medidas para redução de custos

comentários

A base da nova gestão, segundo o presidente Pedro Parente (foto), será o conceito de orçamento base zero, que redefine a cada ano os projetos e investimentos prioritários

comentários

Ex-presidente sofreu impeachment, mas não foi inabilitada para cargos públicos. STF analisa oito ações contra essa inconstitucionalidade. O pior que poderia ocorrer seria o divórcio entre o PMDB do Planalto e o PMDB do Congresso

comentários