São Paulo, 25 de Junho de 2017

/ Opinião

Cadê o Aécio?
Imprimir

O senador por Minas não é o dono dos 51 milhões de votos que recebeu. Qualquer opositor ao PT teria feito o mesmo

 

Fico com a sensação de que, apesar de toda sua experiência em vida pública e jogo político, iniciados na adolescência na “escola” de seu avô Tancredo Neves, em Minas Gerais, o atual senador Aécio Neves não se deu conta de que a maior parte dos mais de 51 milhões de votos que recebeu foram anti-PT e seriam de qualquer candidato que pudesse ter a chance –e ele quase conseguiu - de derrotar Lula, o PT e Dilma.

Às vezes parece que o volume de votos lhe subiu à cabeça como se dele fosse de verdade, porque a missão que recebeu através dessa votação expressiva não foi a ele dirigida para encerrar no fechamento da eleição, com a derrota, sua atuação oposicionista.

Ao contrário, apenas 3 milhões de votos a menos do que Dilma, com tudo de errado, irregular e ilegal que a candidata reeleita fez, o credenciaram para ser o mais atuante líder de combate aos desmandos e malfeitos petistas, grudado na jugular da governanta, do PT e de Lula, sem dar-lhes trégua.
 
E o que tem feito nosso suposto grande líder? Vacila, titubeia, se esconde, não vocifera, foge de ir às ruas, esconde-se de movimentos sociais que o abrigariam com facilidade, se omite atrás das mais tolas desculpas, quando já deveria estar pressionando o Congresso, O Ministério Público e o STF pelo impedimento constitucional da governanta que simboliza o maior grupo de assalto a que o Tesouro e o Estado brasileiro já foram submetidos.

Em condições normais de temperatura e pressão, Aécio até poderia ser um bom governante. Experiência não lhe falta. Sustentação partidária e lastro executivo e judiciário também não.

Falta coragem?

Tem o rabo preso?

Eu não tenho as respostas. Só a tristeza de ver o avanço das ruas, da sociedade, contra um governo que está aniquilando da dignidade aos cofres brasileiros, dos brasileiros, e ele acuado como se tivesse falta de apoio.

Como se diz, não há espaço vazio na política. Aécio está deixando ocupar o que era dele. Álvaro Dias, senador do PSDB do Paraná, deu uma derrapada feia ao defender a aprovação do agora ministro do STF, o petista Luís Faxina. Alckmin está apanhando da estiagem. É melhor ficar de olho no Ronaldo Caiado, embora ainda seja cedo.

Ouso dizer, pelo cheiro da brilhantina: estivesse vivo o Dr. Enéas, ninguém tirava dele o Planalto em 2018.

REFORMA?

Plus ça change, plus c´est la même chose.

A reforma política do Congresso foi feita para não mudar nada.

Ninguém na área de governo e poderes da República está colaborando.



Enquanto STF decidia se senador mineiro seria preso, presidente é acusado de corrupção em investigação pedida por Janot, e comissão do Senado derrota a reforma Trabalhista

comentários

Ministros do PSDB (fotos) podem ser os últimos a abandonar um governo que, de tão comprometido e impopular, compromete os planos eleitorais do partido para 2018

comentários

Mudar as regras do jogo em caso de queda de Temer seria uma manobra demorada no Congresso. Mas, se desse certo, favoreceria a candidatura presidencial de Lula

comentários