São Paulo, 26 de Setembro de 2016

/ Opinião

Bem-vindos
Imprimir

Não é verdade que o presidencialismo petista produziu uma política errática de alianças externas. Existe nela uma lógica inegável

Os discursos proferidos por ocasião das posses dos novos ministros foram da sensatez ao delírio, da ponderação à aventura, da prudência à arrogância, caracterizando bem as contradições, mais que do novo governo, da situação política no Brasil.

Pontes também se lançaram entre esses extremos que levam ao lugar nenhum, como a discussão bizantina em torno da existência ou não de latifúndios, tão ao gosto dos marqueteiros, hábeis em desfocar o essencial, no caso da agricultura, como de qualquer outro setor produtivo, a geração de riqueza.

A recepção ao novo governo que haveria de ser sombria, dada a sua apertada vitória eleitoral e os escândalos que o rondam, esvaziou-se assim de qualquer esperança, sobrando apenas a perspectiva da luta política que já lavra desde as entranhas do PT até as mais altas esferas da República e para qual não existe prognóstico, só preocupação.

Da confusão de advertências, patranhas e bravatas que ecoaram na Esplanada nos primeiros dias de 2015 é possível distinguir dois grupos ministeriais, por assim dizer, bem nítidos quanto às suas atribuições e missões.

O primeiro é o dos operadores da normalidade, aos quais incumbe fazer o sistema produtivo do País e a máquina administrativa do Estado funcionarem, explorando ao máximo as credenciais profissionais e as ligações setoriais dos seus expoentes.

Com reputações e discursos impecáveis, como aconteceu desde o primeiro governo Lula, aportaram em Brasília com a atribuição de respaldar a versão socialdemocrata, capitalista e constitucional dos governos do PT.

O outro grupo é o dos ideólogos do poder, auto investidos da missão de transformar a sociedade brasileira segundo a sua visão de mundo, para o que necessitam dos recursos e da institucionalidade que os primeiros lhes proporcionam.

Explorado ao máximo o modelo ao longo de doze anos, com evidentes consequências negativas, seria inevitável minguarem os operadores da normalidade, ao ponto de agora terem de ser recrutados na segunda linha das elites cooptadas, enquanto se magnificam os ideólogos do poder que expedem os releases do “projeto vitorioso” que ecoam pelos ministérios, pairando irrelevantes entre os dois grupos os zumbi-nulidades necessários ao presidencialismo de coalizão.

Mas depois de muita tinta gasta sobre quem é quem, querendo o quê e para onde quer nos levar, não resta a menor dúvida que o rumo do País vai sendo dado pelos ideólogos.  A conversinha ruim dos operadores de que eram essenciais para conterem os ideólogos vai se diluindo na pequeneza cada vez maior dos convocados a encenarem a farsa que lhes cabe e na audácia dos que realmente exercem o poder.

Ninguém tem mais dúvida da falência funcional do tal do presidencialismo de coalizão e nem dos prejuízos que a mistura de radicalismo e canalhice de toda sorte causaram ao País. O que não parece tão clara é a gravidade dos alinhamentos internacionais, que vêm sendo impostos ao Brasil em nome de uma maioria das urnas que não tem a menor ideia do que está sendo feito em seu nome.

Este foi um objetivo que o PT nunca deixou de perseguir, a construção de uma nova identidade do Brasil no cenário mundial, algo que, aparentemente, desafiava a razoabilidade e lógica dos que criticavam essa marcha insensata.

Tanto quanto a construção de um quadro sócio-político interno que pretendem irreversível pela desinstitucionalização, pela luta de classes e pela disseminação das ideologias de gênero, minorias e etnias, os ideólogos no poder se apressam em cristalizar uma posição do Brasil no cenário regional e internacional que justifique a sua permanência no poder.

Para a análise e crítica das ações ultimamente empreendidas pelo governo brasileiro no cenário internacional é imprescindível ter em conta que elas integram um projeto de poder consistente, conduzido por um conjunto de interesses que é em tudo distinto do consenso em torno de um suposto interesse nacional. 

Para o pensamento que orienta esse projeto, a Aliança do Pacífico não passa de mais uma iniciativa de contenção contra a China e a Rússia; não há nada de errado com a desindustrialização do Brasil em proveito da China; a criação de um banco dos BRIC com sede em Xangai e do correspondente fundo financeiro equivale aos acordos de Breton Woods; a integração econômica regional não está naufragando; e o alinhamento antiocidental é prova da maturidade e independência das políticas externas dos países sul-americanos.

Não são conjecturas, mas sim despautérios disponíveis em documentos governamentais e partidários ou propalados em declarações públicas.

Não é mais tempo para surpresas e perplexidades. Erra quem vê essas medidas como erros de uma política mal concebida e executada. Elas são perfeitamente razoáveis para a consecução de objetivos do projeto que há mais de uma década vem catalisando na política externa brasileira posicionamentos antiocidentais e antinacionais num amplo arco, desde o apoio incondicional a radicais islâmicos estatais e não estatais à aberta hostilidade ao combate às Farc na Colômbia, passando pela tolerância, e mesmo alinhamento, com ditaduras de distintas naturezas, particularmente a cubana.
 
Enquanto não vem a crise com a qual os radicais flertam, quem sabe com o transbordamento das Farc na Amazônia brasileira ou com os desdobramentos da aquisição pela Argentina de caças Sukhoi Su-24 Fencer em troca da comida para a população russa de que necessita o autocrata Putin, vamos perseguindo a miragem dos BRIC.

Quem leu o documento Dreaming with the BRICs: The Path to 2050, do banco Goldman Sachs, em face do desafio colossal que a realização da “profecia” dos BRIC representa para o Brasil em termos de segurança, educação, saúde e infraestrutura, fica com a desagradável impressão de que não há alternativa à instauração de um regime autoritário capaz de lidar com as desigualdades exponenciais do País alçado a uma das maiores economias mundiais, uma versão menor da China nos trópicos.

Para isso não estamos no caminho errado: basta consolidarmos as verticalidades e concentrações que já se desenham na economia brasileira. É só uma questão de tempo para tudo e todos dependerem do Estado.

Não há muitos motivos para se dar as boas-vindas a todos os novos integrantes do governo que se inaugurou no último dia 1o, tamanha é a incerteza e as dificuldades que os esperam. Mas daqueles que forem capazes de pensar por si e de se posicionarem patrioticamente diante dos riscos que rondam o Brasil se espera muito.

A eles damos as boas-vindas aos nossos piores pesadelos.

 

 



Ele disse desconhecer que os valores depositados em conta secreta do casal de marqueteiros eram relativos a dívida de campanha da presidente afastada Dilma Rousseff

comentários

Dá-se destaque, como se fosse notícia, ao desânimo de Lula. Enquanto isso, milhões de brasileiros buscam emprego

comentários

O ex-tesoureiro João Vaccari Netto pensa em delação premiada, enquanto José Dirceu propõe um inédito "acordo de leniência" para abrir os segredos do partido

comentários