São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Opinião

As pedras no caminho
Imprimir

O ajuste fiscal está mais complicado que se imaginava, em razão das resistências do PMDB e da má vontade do PT

Na semana passada escrevi nesse espaço que via como factível alcançar-se o superávit primário almejado pelo ministro Joaquim Levy, de 1,2% do PIB em 2015. O pressuposto era de que as medidas contariam com o necessário suporte legislativo.

Essa expectativa tinha sua razão de ser na consistência do plano de ajuste formulado pelo ministro Joaquim Levy. O total do ajuste superaria R$ 110 bilhões a serem plenamente implementados a partir do primeiro trimestre desse ano.

Do corte de gastos que consta da programação financeira do primeiro trimestre de 2015 resultaria em poupar R$ 57,5 bilhões; os recursos poupados com a redução de despesas obrigatórias nas rubricas de seguro-desemprego, pensão por morte e abono salarial permitiriam cortar outros R$ 18 bilhões; o aumento de tributos – Cide, IOF, PIS-Cofins sobre produtos importados e IPI de cosméticos, outros 20,6 bilhões; o aumento da contribuição previdenciária sobre o faturamento das empresas beneficiadas, objeto da recente querela entre o Executivo e o Senado, mais R$ 5,35 bilhões; a redução do repasse para o CDE, R$ 7,8 bilhões; e a redução do subsídio do Reintegra, R$ 5,4 bilhões.

Quando escrevi que julgava factível atingir a meta, estava ciente das dificuldades a encontrar pelo caminho. A maior das dificuldades residia no fato de que o PIB de 2014 foi muito menor que se esperava. De fato, especula-se se não terá tido um "crescimento" negativo. Com o denominador da relação superávit/PIB menor, o numerador terá que ser maior do que o anteriormente calculado.
A essa questão aritmética soma-se outra, de mais difícil superação: a oposição política ao programa de ajuste. Que o PT se opusesse, não surpreende ninguém, mesmo que essa oposição seja somente verbal, um jogo para a plateia.

O que não se esperava era o estado de ebulição a que chegaram as relações entre a presidente e o PMDB. Certo ou errado, a percepção, tanto do presidente do Senado como do presidente da Câmara dos Deputados, é de que o Executivo criou um fato político com o objetivo de desviar a atenção do escândalo da Petrobras para a lista de parlamentares.

Qualquer que seja o desfecho desse mais novo imbróglio, já se pode ter por certo que uma das principais pernas do ajuste não produzirá efeitos durante boa parte do ano – se é que virá a produzir resultados ainda esse ano.

Trata-se justamente da revogação do subsídio implícito às empresas beneficiadas pela mudança da base de cálculo da contribuição previdenciária da folha de pagamento para o faturamento.

Como estava previsto, o Executivo enviaria medida provisória revogando o benefício – como foi feito. O envio da medida provisória produziria resultados imediatos, caso fosse aceita pelo legislativo.

A devolução da medida provisória e sua substituição por projeto de lei não tem esse efeito. Mais que isso, está sujeito à tramitação e, por ter sido enviado em regime de urgência, trava a pauta legislativa – impedindo que outras medidas do pacote de ajuste possam ser apreciadas pelo Legislativo.

É de observar-se que o ganho que se esperava com a recepção da medida provisória e sua conversão em lei (pouco mais R$ 5 bilhões) é um dos itens de menor impacto no total do programa de ajuste. Outros itens, como a elevação das alíquotas de tributos ou as mudanças sugeridas para as despesas obrigatórias, têm muito maior impacto.

O risco maior, evidentemente, é a rejeição completa do programa de ajuste. O PT, partido majoritário, é contra o ajuste, argumentando que o ano já será de parco crescimento do PIB e de grande crescimento do desemprego.

O PMDB, até aqui o principal parceiro do PT na base de sustentação do governo, rebela-se por não ter sido ouvido nas decisões – e por não querer sozinho o ônus da impopularidade das medidas. Mais que isso, não foi ainda aquinhoado como deseja com os cargos de segundo escalão, até aqui guardados a sete chaves na Presidência da República.

Com quem contará o governo para levar adiante o ajuste? Obviamente não será com a oposição, qual papel não é, por definição, de apoiar o governo. Claramente, se quiser ir adiante com o programa de ajustamento, compete ao Executivo retomar o diálogo em bases amigáveis com o PMDB e com os demais partidos que o apoiam. Não será fácil, mas a palavra impossível não é usada na política.

Esse diálogo deve ocorrer imediatamente, a menos que o governo queira transmitir à sociedade a sensação de que se perdeu a governabilidade. Isso é algo que não interessa a ninguém, já que as consequências dessa percepção seriam desastrosas para todos.

 



PT, PC do B e Psol apoiam o regime de Nicolas Maduro, e o clima nesses partidos de esquerda é de ressentimento. Mas as Forças Armadas não se deixariam instrumentalizar por aqui

comentários

Mudar as regras do jogo em caso de queda de Temer seria uma manobra demorada no Congresso. Mas, se desse certo, favoreceria a candidatura presidencial de Lula

comentários

Pesquisa da Fundação Perseu Abramo, na periferia paulistana, encontra valores mais próximos do liberalismo econômico, com apelo de menos Estado e menos impostos

comentários