São Paulo, 04 de Dezembro de 2016

/ Opinião

Ajuste unilateral (ou os riscos da recessão)
Imprimir

O cenário econômico se torna cada vez mais pessimista, com avanços bastante limitados, como o da desburocratização

Todos os indicadores mostram que os diversos setores da economia estão apresentando desempenho negativo ou, pelo menos, muito fracos, sinalizando com a perspectiva bastante provável de retração do PIB em 2015.

Em janeiro, a produção industrial apresentou queda de 5,2% em relação a igual mês do ano anterior, com reduções ainda mais significativas no tocante aos bens de capital e aos duráveis, notadamente no setor automobilístico, cujas montadoras estão dando férias coletivas ou demitindo.

O varejo registra desaceleração acentuada de sua taxa de crescimento, sendo que a comercialização de automóveis e caminhões em fevereiro foi fortemente reduzida, o que agrava o cenário para a indústria automobilística ao longo do ano.

Os dados de serviços mostram que o faturamento do setor não acompanha a inflação, apresentando queda em termos reais, que se acentua a cada mês.

A balança comercial vem registrando saldo negativo, agravando o déficit nas transações com o exterior de forma preocupante.

Os indicadores de emprego já sinalizam a desaceleração da oferta de postos de trabalho, e algumas empresas importantes envolvidas na Operação Lava Jato começaram a demitir ou se preparam para isso.

Os investimentos, regra geral, estão praticamente paralisados, devido à incerteza não apenas com relação à evolução da economia, mas, também, perante a situação do fornecimento de energia.

A Petrobras - maior investidora do país - vem reduzindo seus projetos e obras e, o que é pior, afetando sua extensa rede de fornecedores com atraso de pagamentos, o que coloca em dificuldades um grande número de empresas.

O cenário para o ano é bastante preocupante porque as medidas até agora adotadas para promover o necessário ajuste fiscal são todas na direção de afetar a produção, elevando custos, e o consumo, drenando renda.

Aumento de impostos, redução de incentivos fiscais e de benefícios para os trabalhadores, elevação dos preços dos combustíveis e tarifaço na energia elétrica provocam uma inflação corretiva bastante significativa.

Para tentar conter o repasse dessas medidas aos preços, o Banco Central eleva os juros, o que inibe ainda mais os investimentos e reduz o consumo.

De outro lado, não se constata uma contrapartida equivalente de corte de despesas do setor público nos três poderes, o que vai resultar apenas em aumento da carga tributária e da participação do Estado na economia.

Não se vislumbra, também, a perspectiva de que se aproveite o ano para a realização de reformas estruturais que permitam reduzir o custo Brasil e alavancar as parcerias público-privadas para a redução dos gargalos da infraestrutura.

As únicas medidas para simplificar a vida dos empresários e estimular os negócios têm sido as adotadas pela Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Entre as medidas está a que reduz a burocracia para o fechamento de empresas, que se constituía numa dificuldade quase intransponível para muitas delas, que ficavam vegetando por muitos anos.

Como agora foi delegada ao ministro Guilherme Afif a tarefa de comandar a desburocratização no âmbito do governo federal, temos a esperança de que se possa obter avanços significativos na redução dos custos burocráticos.

Nesse sentido, acreditamos que o trabalho encaminhado pela ACSP e um grupo de entidades à presidente da República no ano passado, propondo diversas medidas de simplificação da burocracia, eliminando duplicações e exigências desnecessárias, possa ser um ponto de partida nessa direção.

O documento em questão - que contou com a participação de diversos especialistas - não se limita a propor medidas, mas apresenta, além das justificativas, minutas de decretos, de projetos de lei e até de emenda constitucional, visando a uma redução significativa dos custos burocráticos, sem perda dos necessários controles por parte do fisco.

O estudo foi recentemente revisado, e as Associações Comerciais vão procurar colaborar com o ministro Afif para que as propostas apresentadas possam ser discutidas e implementadas, o que demandará forte apoio e pressão dos empresários, uma vez que muitas das medidas dependem de aprovação do Congresso.  

 

 



Presidente do Sebrae diz que acordo com Argentina deve estimular iniciativas com outros países

comentários

Guilherme Afif Domingos refutou argumento de que modalidade estimularia a agiotagem. "Agiotagem é o cheque especial, são os juros do cartão de crédito”, disse o presidente do Sebrae na abertura da 17a Convenção da Facesp

comentários

Ex-presidente do BC no governo FHC diz que três quartos da deterioração fiscal do país decorreram do crescimento descontrolado dos gastos públicos

comentários