São Paulo, 27 de Março de 2017

/ Opinião

A desvalorização do rublo
Imprimir

O Kremlin procura ganhar competitividade e enfrentar as sanções econômicas ocidentais

“Uma condição necessária e suficiente para uma desvalorização cambial é a negativa prévia do governo de que irá fazê-la”, disse certa vez Harry Johnson, professor de economia da Universidade de Chicago e da London School of Economics. 

A sequência de eventos de culminou na flutuação da moeda russa na última segunda-feira atesta a veracidade da aguda percepção de Harry Johnson. Senão, vejamos.

Em 19 de junho último, Dmitry Peskov, porta-voz do presidente Vladimir Putin, desmentiu que o Kremlin pretenderia desvalorizar a moeda para estimular a economia, abalada pelas sanções promovidas pelos Estados Unidos e seus aliados na Europa Ocidental.

Essa informação chocava-se com a afirmação do ministro da fazenda, Anton Siluanov, que havia afirmado que seu ministério iniciaria a compra de moeda estrangeira no mercado para enfraquecer o rublo. Para ele, “um pequeno enfraquecimento da taxa de câmbio (do rublo) seria benéfica para a economia como um todo e para as finanças públicas, em particular”.

Os comentários do ministro da Fazenda provocaram uma acentuada queda da moeda russa, o que levou o vice-primeiro-ministro Igor Shuvalov a afirmar que os comentários do ministro da Fazenda foram tomados fora de contexto e que “não tinham nada a ver com uma desvalorização”.

Em 10 de novembro, última segunda-feira, o Banco Central russo aboliu o sistema de bandas cambiais que utilizava para determinar o valor do rublo russo e abandonou o sistema de intervenção diária no mercado de câmbio para impedir a desvalorização da moeda. Com isso, o rublo russo passou a ser determinado pelo mercado de câmbio em um regime de plena flutuação cambial.

A decisão do Banco Central russo veio na esteira da maior desvalorização da moeda em 11 anos. O prévio aumento da taxa de juros não foi capaz de por termo à corrida dos investidores contra a moeda local. Desde 2013, o rublo perdeu 40% de seu valor.

O presidente Putin, segundo suas declarações na cúpula de Cooperação Econômica da área Ásia-Pacífico, em Beijing, está confiante de que as medidas tomadas estabilizarão a moeda. Disse também que a desvalorização recente do rublo não tem qualquer relação com os fundamentos econômicos.

Essa última observação merece comentário. Desde o início de 2013, o Banco Central russo perdeu cerca de US$ 75 bilhões de suas reservas internacionais. Elas se situam hoje em um patamar em torno de US$ 400 bilhões. Apenas a título de comparação, as reservas internacionais do Brasil situavam-se em US$ 376 bilhões em agosto último.

Sucede que a Rússia e o Brasil são países distintos em quase tudo, especialmente na necessidade de reservas internacionais. O nosso país é um “global trader” que exporta alimentos e minérios, mas que exporta também um grande número de produtos manufaturados.

Ao contrário da Rússia, o Brasil exporta para um grande número de países em todos os continentes. A Rússia tem suas exportações concentradas em petróleo e gás para um reduzido número de países.

Em decorrência, a Rússia está muito mais vulnerável a flutuações nos preços do petróleo e do gás que está o Brasil frente a flutuações dos preços de seus produtos de exportação, já que tem uma pauta diversificada de produtos e de destinos.

Além disso, a flutuação da moeda russa, depois de uma intensa especulação que levou à sua desvalorização, está mostrando o peso das sanções econômicas impostas ao país. Essas sanções fazem parte dos fundamentos econômicos da Rússia e assim devem ser avaliadas. A busca de vender o gás para a China certamente será uma alternativa viável, porém em condições piores que originalmente desejadas pelo Kremlin. Além disso, levará tempo até que os gasodutos necessários para desviar a oferta dos mercados da Europa ocidental para a distante China.

Esses eventos encerram duas lições, uma da tentativa de influenciar expectativas irrealistas e outra da dificuldade de tourear os fundamentos econômicos. Na campanha eleitoral muitas promessas se mostraram vazias na primeira semana depois de computados os resultados das eleições. As expectativas não mudaram.

A segunda lição é a inutilidade de bater de frente com os fundamentos. Para a Rússia, esses fundamentos são frágeis, e a economia está vulnerável. Para o Brasil, alguns de nossos fundamentos também são frágeis, como o crescimento do déficit em conta corrente do balanço de pagamentos, o crescimento da dívida interna e a inflação em alta, especialmente pela correção dos preços administrados.

Bem fará a senhora presidente se der ouvido aos que a aconselham a mudar o modelo econômico que infelicitou seu primeiro mandato. O momento é agora para que ela inicie 2015 já com uma nova configuração da política econômica.

 



Atos foram bem menores que os do impeachment de Dilma. Avenida Paulista pode ter reunido até 100 mil pessoas, que também criticaram a votação para 2018 em lista fechada

comentários

Mercado interno não consegue absorver volume não exportado. Produção e emprego vão diminuir, de acordo com a ABPA

comentários

Banco aplicou R$ 14,3 bilhões no setor entre 2005 e 2015

comentários