São Paulo, 06 de Dezembro de 2016

/ Opinião

120 anos de lutas pela liberdade
Imprimir

"A ACSP vem procurando cumprir os objetivos traçados por seus fundadores e expressos no discurso de instalação, procurando sempre defender a liberdade em seu sentido mais amplo", escreve seu presidente, Rogério Amato

A Associação Comercial de São Paulo foi fundada em 7 de dezembro de 1894, pelo coronel Antonio Proost Rodovalho. Em seu ato de instalação, a entidade foi definida pelo presidente da Província de São Paulo, Bernardino de Campos, “como poderoso auxiliar consultivo do governo”.  Na mesma solenidade, seu diretor-secretário, comendador Duarte Rodrigues, afirmou que “a Associação cria, entre o Estado e o indivíduo, forças coletivas livres que, por uma parte, dispensam o governo de intervenções de que mal podem se desobrigar, e que, por outro lado, desenvolvem no mais alto grau o espírito de iniciativa”. Afirmou, ainda que, “nos países livres, a Associação reparte, por assim dizer, com o Estado, os ônus sociais. Um conserva-se como guarda vigilante, assegurando a todos a ordem e a liberdade; outra põe em campo sua atividade e estimula e desenvolve os interesses da coletividade. Qual cimento das sociedades modernas, a associação liga os indivíduos isolados e, pela reunião, multiplica-lhes as forças, pela ação livre do poder coletivo dos indivíduos...”

Há 120 anos a ACSP vem procurando cumprir os objetivos traçados por seus fundadores e expressos no discurso de instalação, procurando sempre defender a liberdade em seu sentido mais amplo, do qual a livre iniciativa no campo econômico é um de seus pilares, buscando unir os empresários e lutando pelo desenvolvimento econômico e social do país.

Como entidade civil, sem qualquer recurso de origem governamental ou compulsória, congrega em seus quadros empresas comerciais, industriais, agrícolas e prestadoras de serviços, além de instituições financeiras e profissionais liberais ligados às atividades econômicas, desde as micro empresas individuais, até grandes empresas e conglomerados, representando um mosaico bastante representativo da estrutura empresarial brasileira.

A ACSP possui 15 sedes distritais que cobrem toda a área da Capital. Participa da FACESP – Federação das Associações Comerciais do Estado de SP, que conta com 420 entidades comerciais das diversas regiões paulistas, através da qual faz parte da CACB - Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil, que congrega mais de duas mil entidades no país.

"A ACSP está preparada para os próximos 120 anos, graças aos seus princípios e valores imutáveis"

Muitos episódios poderiam ser relacionados para mostrar sua trajetória. Eles estão relatados no livro comemorativo do 120º aniversário da entidade. Mais importante é destacar que sua atuação sempre se fez com respeito à tradição e aos valores que nortearam seus fundadores e todos aqueles que os sucederam durante esse longo período, buscando, porém, conciliar a tradição com as exigências das mudanças ocorridas nesse mais de um século, quando o país alternou ciclos de prosperidade, com crises políticas e econômicas, exigindo dos empresários, bem como de suas entidades, muitos esforços para sobreviverem e prosperarem.

Vivemos um período de mudanças - tecnológicas, demográficas, de costumes, políticas - combinadas com um cenário de incertezas na economia, que exigem, tanto das empresas como das entidades, capacidade de adaptação e, mesmo, de transformação em suas estruturas e métodos operacionais, sem que percam suas origens e valores. A ACSP, que sempre procurou ser “contemporânea de seu tempo”, vem procurando se adequar a esse cenário ainda em mutação, mas que já exige mudanças significativas para que ela possa continuar a ser não apenas a voz dos pequenos e micro empresários, mas também uma prestadora de serviços que os auxiliem na administração de seus negócios e na sobrevivência dos mesmos em um ambiente de incertezas e dificuldades na economia.

Poucas organizações, empresas ou entidades ultrapassam a marca de um século de existência, especialmente num país ainda relativamente novo e em constante transformações. A ACSP pode se orgulhar de ser uma delas. Mas, o mais importante é constatar que ela está preparada para os próximos 120 anos, graças a seus princípios e valores que são imutáveis, mas também graças à sua capacidade de continuidade na mudança, ou de mudança com continuidade. 
ROGÉRIO AMATO
Presidente da Associação Comercial de São Paulo e da Facesp

                                                                                           

 


                                                                                                                              

 

 



Recuperação depende de uma evolução positiva do cenário político e da realização de um ajuste fiscal efetivo

comentários

Nas lojas de móveis e decorações houve o pior desempenho no mês. A menor queda ocorreu no segmento de autopeças e acessórios, de acordo com a pesquisa AC Varejo

comentários

Após três meses de alta, Índice Nacional de Confiança da Associação Comercial de São Paulo para de crescer em novembro. "O consumidor está tentando ajustar seu orçamento", diz Alencar Burti, presidente da ACSP (foto)

comentários