São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Negócios

Vendas do varejo têm pior resultado em três anos
Imprimir

A queda real (descontada a inflação) foi de 0,60% de janeiro a maio, segundo o Instituto para o Desenvolvimento do Varejo

As vendas do comércio varejista acumulam queda real de 0,60% de janeiro a maio deste ano, de acordo com dados do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo). O resultado, que considera a variação já descontada a inflação, é o pior em três anos de medições pelo instituto para esse período dos primeiros cinco meses do ano.

Considerando apenas o mês de maio, as vendas tiveram queda real de 3,5% na comparação com o mesmo mês de 2014.

Em nota, Luiza Helena Trajano, presidente do IDV e do Magazine Luiza, afirmou que o resultado reflete o cenário macroeconômico desfavorável e a piora de indicadores relevantes para o varejo, como a desaceleração da renda, o aumento do desemprego, a contração do crédito, a alta inflação e o menor índice de confiança do consumidor.

O segmento de bens duráveis foi o que mais colaborou com o resultado negativo de maio. Houve retração real de 7,7% ante o mesmo mês de 2014.

O segmento de bens não duráveis - que responde em sua maior parte pelas vendas de super e hipermercados, foodservice e perfumaria - apresentou queda real de 1,9% em maio.

Já o setor de bens semiduráveis, que inclui vestuário, calçados, livrarias e artigos esportivos teve crescimento de 1,7%.

O IDV também coleta junto a seus associados dados sobre as expectativas de vendas para este e os próximos meses.

O IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas) aponta crescimento real de 1,5% para junho, 1,8% para julho e 1,7% para agosto, sempre em relação aos mesmos períodos do ano anterior.

A expectativa para bens duráveis é de queda real de 0,4% em junho e crescimento real de 1,7% em julho e 2,4% em agosto.

No caso dos não duráveis, a expectativa é de um crescimento nas vendas de 0,4% em junho, mas de retração real de 0,8% em julho e 0,5% em agosto.

Para os semiduráveis, a estimativa de crescimento para junho é de 6,4% e de 7,3% em julho e 5,4% em agosto.

O IDV representa 65 empresas varejistas de diferentes setores. Entre os associados estão grandes grupos como Pão de Açúcar, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Raia Drogasil, entre outros.

Foto: Thinkstock



O preço médio anunciado de venda e locação de imóveis comerciais recuou 0,10% em junho na comparação com maio, de acordo com levantamento da Fipe

comentários

A crise econômica gerou mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros, que aprenderam a pesquisar preços e transformaram presentes em lembrancinhas

comentários

De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários