São Paulo, 30 de Março de 2017

/ Negócios

Vendas a prazo caem 3,9% em janeiro
Imprimir

Índice da Associação Comercial de São Paulo também revela queda de 3,2% nas vendas à vista, em comparação a janeiro de 2014

 
Pesquisa da Associação Comercial de São Paulo revela maus resultados para as vendas no varejo paulistano em janeiro de 2015. Em comparação ao mesmo mês do ano passado, as vendas a prazo caíram 3,9%, enquanto as vendas à vista registraram queda de 3,2%.
 
O levantamento também constatou menor procura por crédito e queda na inadimplência.
 
“Os ajustes macroeconômicos já anunciados com o aumento da taxa de juros e dos impostos e tarifas podem ter derrubado as vendas na capital e deixado o consumidor ainda mais cauteloso do que já estava”, afirma Rogério Amato, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo).

A queda nas vendas a prestações aparecem no IMC (Indicador de Movimento do Comércio a Prazo), que é um dos indicadores periodicamente pesquisados pela Associação Comercial.

Já em relação ao mês de dezembro – mês de maior movimento para o comércio -, o indicador registrou forte queda sazonal de 24,7%.

 

 

O ICH (Indicador de Movimento de Cheques), que mostra as vendas à vista, registrou queda de 3,2% sobre janeiro do ano passado e e 47,1% na comparação com dezembro/2014.

Um outro índice, o IRI (Indicador de Registro de Inadimplentes), que mede a entrada de registro de consumidores inadimplentes, apresentou estabilidade. Caiu 5,2% em relação a janeiro do ano passado e aumentou 3,5 em relação a dezembro.

O IRC (Indicador de Recuperação de Crédito), que aponta os cancelamentos de dívidas, também se manteve estável e com propensão para baixo. Queda de 5% em janeiro e 40,9 em relação ao mês passado.

Os dados do Balanço de Vendas da ACSP são feitos a partir de amostra fornecida pela Boa Vista Serviços.



A informação é da FecomercioSP. Os destaques foram as concessionárias de veículos, farmácias e perfumarias, lojas de autopeças e de materiais de construção

comentários

Para os economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a diminuição das taxas praticadas pelos bancos precisa estar mais alinhada com as quedas da Selic

comentários

Segmento de autopeças foi o único a crescer (4,5%) em volume de vendas, de acordo com levantamento da Associação Comercial de São Paulo

comentários