São Paulo, 28 de Junho de 2017

/ Negócios

Venda do HSBC deve atrair bancos estrangeiros...
Imprimir

..,mas não altera o panorama competitivo do setor no Brasil, segundo a agência Fitch. Embora seja o sexto maior banco comercial do país, é responsável por apenas 3% dos depósitos

O plano do HSBC de vender sua operação no Brasil deve atrair grandes bancos que já operam no país, mas não deve mudar substancialmente o competitivo cenário do setor financeiro do país, avalia a agência de classificação de risco Fitch.

Em nota, a Fitch lembra que o HSBC, embora seja o sexto maior banco comercial do país, é responsável por apenas 3% dos depósitos, respondendo assim por uma participação de mercado muito modesta ante os cinco primeiros colocados.

A agência acredita que os três maiores bancos privados operando no país, Bradesco, Santander Brasil e Itaú, são os que têm as maiores chances de levar a operação.

"Assim como o HSBC, os três conquistam e retém seus clientes não apenas oferecendo contas bancárias e empréstimos, mas também cuidando de seus investimentos. Seus pacotes de produtos para clientes comerciais também são mais desenvolvidos do que em bancos privados nacionais menores", diz a Fitch.

Ainda de acordo com o agência, a venda do HSBC não deve atrair instituições financeiras sem presença no país, dado o perfil concentrado da indústria bancária brasileira, a posição dominante e competitiva dos cinco maiores bancos e o cenário adverso da economia local.

"Players regionais do Chile, México, Peru e Colômbia não apresentam o tamanho necessário para considerar a aquisição uma oportunidade", diz a Fitch, acrescentando que as maiores exigências do Basileia III também devem pesar sobre a avaliação de qualquer oferta.



Prazo curto para pagar credores é apontado por especialistas como entrave para aplicação de capítulo especial da legislação que deveria ser usado por empresas de pequeno porte

comentários

Incertezas sobre recuperação econômica motivou mudança em 19 instituições financeiras. B3 (novo nome da BM&FBovespa) foi de estável para negativa

comentários

"A crise tem potencial de risco de atrasar a consolidação fiscal, reduzir as chances de aprovação da reforma da Previdência e diminuir o ritmo de corte dos juros", afirma economista-chefe do Goldman Sachs

comentários