São Paulo, 23 de Julho de 2017

/ Negócios

Turismo de Carnaval deve movimentar R$ 5,8 bi
Imprimir

O segmento de alimentação, que inclui bares e restaurantes, terá a maior fatia do montante previsto para 2017, R$ 3,31 bilhões, de acordo com CNC

As atividades turísticas ligadas ao carnaval devem movimentar cerca de R$ 5,8 bilhões este ano, de acordo com uma pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

O resultado significa uma queda nominal de 5,7% em relação à receita apurada para o mesmo período de 2016, o pior desempenho em três anos.

Descontada a inflação do setor, a perda é de 8,6%, a maior em pelo menos cinco anos.

"Apesar da tendência recente de uma menor variação dos preços dos serviços típicos dessa época do ano, a retração real de renda tem imposto a necessidade de ajustes frequentes no orçamento das famílias através da postergação dos gastos não essenciais, tais como lazer", diz Fabio Bentes, economista da Divisão Econômica da CNC, em nota oficial.

O segmento de alimentação fora do domicílio, que inclui bares e restaurantes, terá a maior fatia do montante previsto para 2017, R$ 3,31 bilhões, seguido pelo transporte rodoviário (R$ 977,9 milhões) e por serviços de alojamento em hotéis e pousadas (R$ 652,5 milhões). Juntos, os três setores responderão por mais de 85% de toda a receita gerada pelo feriado.

Os Estados do Rio de Janeiro (R$ 2,4 bilhões) e São Paulo (R$ 1,5 bilhão) deverão concentrar 68,2% da receita do setor no período. Minas Gerais movimentará R$ 332,7 milhões; Bahia, R$ 308,7 milhões; Ceará, R$ 140,3 milhões; e Pernambuco R$ 131,4 milhões.

*FOTO: Divulgação Carnaval Rio



Preços mais baixos, recuperação parcial do crédito e os saques das contas inativas do FGTS levaram a CNC a revisar a previsão de crescimento de 1,2% para 1,6%

comentários

Apesar de ainda negativo, o número mostra forte desaceleração depois de um longo período de contração no varejo, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC)

comentários

A liberação de saques nas contas inativas do FGTS nos últimos três meses não foi suficiente para reduzir o nível de inadimplência

comentários