São Paulo, 29 de Junho de 2017

/ Negócios

Sebrae aconselha empresários a evitar paralisia em tempos de crise
Imprimir

Luiz Barretto, que dirige a entidade de apoio às micro e pequenas empresas, falou em evento da CNI sobre a importância dos pequenos negócios na cadeia produtiva

Neste momento de ajuste da economia, é preciso que os empreendedores tenham cautela, mas não fiquem paralisados. A avaliação é de Luiz Barretto, diretor-presidente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). 

"É preciso ter essa mentalidade. Não conheço grande e pequeno empreendedor que esteja parado. Todos estão procurando uma forma de melhorar a produtividade", disse em São Paulo, nesta quarta-feira (13/5), durante o 6º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela entidade que ele, Barreto, preside.

Destacou ainda a necessidade de avanços na legislação de modo a contribuir para o aumento da competitividade da indústria brasileira e ressaltou a importância da integração entre companhias de diferentes portes. "Um ecossistema legal é fundamental para que tenhamos avanços", pontuou. 

O Sebrae atende cerca de 2 milhões de empresas a cada ano, das quais 164 mil são da indústria, o que representa 16% dos seus clientes.

Para Barretto, uma indústria forte é imprescindível para o crescimento de um país e, independentemente do porte da empresa, é importante que todas estejam alinhadas. "As grandes empresa precisa de uma cadeia de fornecedores preparada para inovação, todos os elos precisam ser competitivos, ter mais produtividade", afirmou.

Barretto afirmou que o Sebrae tem investido fortemente em inovação e que de 2015 a 2018 já foram aprovados mais de R$ 2 bilhões para projetos de inovação. "Uma delas é o agente local de inovação, que acompanha 40 empresas durante dois anos e orienta sobre inovação", disse, detalhando que são quase 50 mil empresas com 1500 agentes em campo.



De acordo com os dados do IBGE, 642.138 postos de trabalho foram eliminados. O corte de vagas foi concentrado nos setores de vestuário, fabricação de veículos e fabricação de máquinas e equipamentos

comentários

Índice subiu para 53,8 pontos, a primeira alta para no mês desde 2013, de acordo com a CNI. Por outro lado, emprego no setor teve queda

comentários

Apesar da constância, há uma preocupação acima da média com os preços, o emprego e a situação financeira

comentários