São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Negócios

Se escândalo não atrapalhar, o próximo Natal será melhor que o de 2013
Imprimir

É o que afirma Luiza Helena Trajano, presidente do Magazine Luiza, para quem as vendas de eletrodomésticos devem crescer mais em 2015

 “Se a onda negativa [gerada pelo escândalo de corrupção na Petrobras] não atrapalhar, acredito que este Natal poderá ser até melhor do que o de 2013”, afirma Luiza Helena Trajano, presidente de uma das maiores redes de varejo do país, o Magazine Luiza, que opera 740 lojas em 16 Estados e faturou R$ 7 bilhões nos primeiros nove meses deste ano. Hoje bem mais esbelta, graças à reeducação alimentar, como conta, Luiza Helena disse ao Diário do Comércio que o consumidor se entusiasmou com a compra de televisores em 2014, por conta da Copa do Mundo: “O ano que vem já deve ser a vez das geladeiras, dos fogões, das lavadoras de roupas e dos móveis”.

Para os comerciantes que estão mais pessimistas, enfrentando retração de vendas, e desanimados com a retração do consumo, recomenda: “O lojista tem de inovar, tentar entender do que o consumidor precisa, ter atendimento diferenciado, trabalhar fora do caixa, trocar o pessimismo por ação, atitude”, afirma a empresária, também vice-presidente do IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo), que reúne 50 redes do país.

Veja os principais trechos da entrevista com Luiza Helena, que amanhã [quarta-feira] participa de debate sobre empreendedorismo no 15º Congresso da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), em Águas de Lindóia (SP) até quinta-feira.

NATAL
Não sei o que vão virar todas estas denúncias [que envolvem a Petrobras], pois é a primeira vez que estamos convivendo com isso seriamente. Mas, no caso do Magazine, posso afirmar que, de janeiro a setembro, a receita líquida subiu 24,8% para R$ 7 bilhões; a receita bruta do e-commerce cresceu 39,7% e alcançou R$ 1,3 bilhão e o lucro líquido somou R$ 89,3 milhões, superando o desempenho do ano passado. Eu acredito que o consumo neste ano estava represado e que este Natal poderá ser até melhor do que o do ano passado. Vamos ver como serão as vendas da Black Friday. Se forem boas, o Natal também será bom.

INTERNET
Nós acreditamos em multicanais de vendas. Estatísticas mostram que 57% das pessoas que compram pela internet também frequentam a loja física. Tanto é que a Amazon está fazendo uma experiência com loja física nos Estados Unidos. Temos de estar presentes onde o consumidor quiser. O varejista deve estar preparado para atender o consumidor em loja física, internet e desenvolver aplicativo para celular. E isto não se faz da noite para o dia. É preciso preparar a cabeça, o assunto não é só o técnico. Se a loja é pequena, ela pode estar hospedada em outros sites.

LOJAS FÍSICAS
O Magazine Luiza tem cerca de 740 lojas e vamos continuar crescendo. Estamos abrindo mais 20 lojas neste ano e programando a inauguração de mais 25 a 30 lojas em 2015. O que nós paramos, há dois anos, é de comprar redes, depois de adquirirmos a Maia no Nordeste e a Baú, o que nos deu mais de 250 lojas. Até que elas estejam integradas à rede, atrapalha um pouco a rentabilidade. Como agora estão integradas, voltamos a ter lucro e devemos crescer de forma orgânica.


Loja sede do Magazine Luiza na Vila Guilherme, em São Paulo: a empresa investe em multicanais
Fotos: Rafael Sério/Weathermen Produções

ABERTURA DE CAPITAL
Abrimos o capital em 2011. O que eu recomendo é preparar a empresa, isto é, ter uma boa governança, balanço bem auditado por consultoria internacional e manter as contas muito claras. Tudo isso fez muito bem para o Magazine. Todo esse processo trouxe transparência para a empresa. Minha orientação é para que a empresa faça toda a lição de casa porque, se resolver abrir o capital, ela já estará preparada. Nossa família detém atualmente 70% do capital. Poderemos até pensar no futuro em ceder mais ao mercado, mas não abaixo de 55%.

FUNDOS DE INVESTIMENTO
Nós estivemos com um fundo de investimento durante sete anos na empresa e este fundo nos ajudou bastante com governança. Mas é preciso estar disposto, pois vai ter uma pessoa no conselho que vai exigir muito. É um bom treino. Muitas vezes, a gente sente que está invadido, que a pessoa está amolando, mas, hoje, eu agradeço muito. Para chegar à Bolsa, este é o caminho saudável. Se não fizer isso, vai perder o bonde, a oportunidade. Tudo tem um custo, mas o retorno é triplicado. Só a liberdade que você tem de poder fazer qualquer coisa no momento que achar adequado não tem preço. Ninguém investe em uma empresa que não tenha governança e três anos de balanço auditado.

INADIMPLÊNCIA
Nós nunca pagamos prestação com um dia sequer de atraso. Os pequenos e médios empresários têm de entender que fluxo de caixa não é lucro. Falta de lucro não quebra empresa, mas fluxo de caixa mal feito pode quebrar uma empresa. O Sebrae oferece curso sobre este tema que pode ajudar o lojista. Muitas empresas recebem o dinheiro e começam a gastar com carro para os filhos e parentes achando que aquele fluxo de caixa é lucro. Não é. É o dinheiro de que você precisa para movimentar a empresa.

EMPREENDEDORISMO
O Brasil tem espírito empreendedor e é por isso que cada vez mais os jovens querem empreender. Recebi recentemente 25 estudantes do Insper que querem tocar seu próprio negócio. Queriam saber onde errei e onde acertei. Além de o país ter espírito empreendedor, os jovens querem empreender porque aqui tem mercado de consumo. Nos Estados Unidos, os consumidores já estão comprando a sétima TV de tela plana e por aqui somente 10% dos consumidores possuem uma. O brasileiro gosta de comer, de viajar, de ter casa boa, geladeira inox, enfim, gosta de coisa boa, até porque a TV, que é a referência dele, só mostra coisa bonita. O jovem quer ser independente. No passado, para uma empresa valer R$ 10 bilhões tinha de ter 300 anos. Hoje, uma empresa de dois anos vale mais do que isso. Os parâmetros mudaram muito, o momento é outro. Uma empresa de 70 anos pode valer muito menos do que outra que acabou de ser montada.

O QUE ESPERAR DO GOVERNO
O governo precisa tomar medidas para não deixar a inflação voltar e tem de reduzir as taxas de juros. Mas, se tiver de escolher entre uma coisa e outra, esperamos que a inflação não cresça, e que haja alguma desoneração porque o custo-Brasil é alto. Para o Magazine, a inflação não resultou em inadimplência e os bancos também não estão sentindo isso, é só olhar as provisões nos balanços.

DICAS
Para este momento de falta de mercado, o lojista precisa inovar. Não adianta apostar no que o consumidor não quer comprar, tem que focar, prestar atendimento diferenciado, trabalhar fora da caixa, manter uma equipe alinhada e trocar o pessimismo por ação, por atitude. Nós reunimos 1.300 líderes e demos desafios para os meses de novembro e dezembro gratificando com viagens para Paris, carros, desde que o funcionário faça mais do que precisa ser feito. Como motivá-los? Com desafios e levando o grupo a acreditar que é capaz de mudar, de fazer. Não dou a receita, cada lojista deve estudar o que motiva sua equipe dele. Além disso, precisa estar motivado porque, se ele próprio não acreditar, de nada adianta.



Relatório Focus do Banco Central projeta aumento de 3,29% para 3,33% inflação neste ano. Demais indicadores permanecem inalterados

comentários

A mediana da inflação esperada pelos consumidores nos próximos 12 meses ficou em 6,9% em julho revela levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV)

comentários

De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários