Movimento no comércio cai 1,0% em abril


Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o indicador da Boa vista apontou queda de 5,2%


  Por Estadão Conteúdo 16 de Maio de 2017 às 13:59

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O indicador de Movimento no Comércio da Boa Vista SCPC recuou 1,0% em abril, na comparação com ajuste sazonal ante março.

Já em relação ao mesmo mês do ano passado, foi verificado uma baixa de 5,2%, enquanto na avaliação acumulada em 12 meses (de maio de 2016 a abril de 2017), a queda foi de 3,4% ante os 12 meses antecedentes.

A Boa Vista elabora do indicador a partir da quantidade de consultas à base de dados por empresas do setor varejista, e tem como base a média de 2011.

Entre os diferentes setores do varejo, o pior desempenho ficou por conta do comércio de "Móveis e Eletrodomésticos", cujo movimento recuou 3,7% na margem e apresentou queda de 3,2% em 12 meses. Na sequência, o segmento de "outros artigos" recuou 3,1% na margem (e também perdeu 3,1% em 12 meses).

Entre as categorias de "Tecidos, vestuários e calçados" e "Supermercados, Alimentos e Bebidas", foi constatada em ambas retração de 0,6% na margem. Já na análise de 12 meses, houve quedas de 8,6% e 2,2%, respectivamente.

O setor com menor variação na margem foi o de "Combustíveis e Lubrificantes", que tradicionalmente tem uma demanda menos elástica do que as demais categorias. O recuo em abril ante março foi de 0,2%, enquanto a perda em 12 meses foi de 4,6%.

A Boa Vista aponta que o indicador tem se recuperado gradualmente "quando observado na aferição acumulada em 12 meses". Apesar disso, a instituição afirma que esperava um ritmo mais acelerado de retomada no início do ano.

"Para as próximas aferições aguardam-se resultados mais otimistas, uma vez que os efeitos da redução de juros iniciada no terceiro trimestre de 2016 devem ser observados com maior intensidade", diz a Boa Vista em nota.

Outros fatores apontados para sustentar o avanço do indicador são a melhora dos níveis de renda e continuidade da desaceleração de preços.

FOTO: Thinkstock