São Paulo, 26 de Setembro de 2016

/ Negócios

Mais de 480 mil empresas foram criadas no país em 2015
Imprimir

Em março, a lista foi puxada pelos microempreendedores individuais. A maioria das empresas nasceu no Sudeste e atua no setor de serviços

O índice de nascimento de novas empresas da Serasa Experian registrou alta de 22,3% em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado, com um total de 184.905 novos empreendimentos criados no país.

Em relação a fevereiro deste ano, a alta é de 28,0%. No acumulado do primeiro trimestre, foram criadas 480.364 empresas, alta de 2,3% em relação a igual intervalo de 2014.

De acordo com os economistas da Serasa, a desaceleração da criação de novas empresas no primeiro trimestre (nos três primeiros meses de 2014 o crescimento havia sido de 9,5%) reflete o cenário econômico mais adverso, caracterizado por redução da confiança empresarial, alta da inflação, dos juros e da taxa cambial, além do baixo dinamismo da atividade.

Por outro lado, o maior surgimento de novos empreendimentos em março foi devido ao efeito calendário, já que neste ano o carnaval caiu em fevereiro.

O segmento dos Microempreendedores Individuais (MEIs) puxou a alta do número de novas empresas surgidas em março: 134.803 novos negócios, uma alta de 24,3% ante fevereiro. As Sociedades Limitadas registraram criação de 20.602 unidades, representando aumento de 42,0%.

A criação de Empresas Individuais aumentou 34,7%, com um total de 18.761 novos negócios. O nascimento de novas empresas de outras naturezas jurídicas cresceu 17,9%, com 10.739 unidades.

Segundo a Serasa, a crescente formalização dos negócios no Brasil é responsável pelo aumento constante das MEIs, registrado desde o início da série histórica do indicador. Em seis anos, elas passaram de menos da metade dos novos empreendimentos (41,0%, em 2010) para 75,5% no último levantamento.

REGIÕES

Na divisão por regiões geográficas, o Sudeste segue liderando o ranking de nascimento de empresas, com 242.432 novos negócios abertos entre janeiro e março de 2015, ou 50,5% do total.

A Região Nordeste ocupa o segundo lugar, com 18,2%. O Sul segue em terceiro lugar, com 16,5% de participação, seguido do Centro-Oeste (9,6%) e Norte (5,3%).

O setor de Serviços continua sendo o mais procurado por quem quer empreender: de janeiro a março, 295.070 novas empresas surgiram neste segmento, o equivalente a 61,4% do total.

Em seguida, aparecem 144.844 empresas comerciais (30,2% do total) e, no setor industrial, foram abertas 38.954 empresas (8,1% do total) neste mesmo período.



Montante representou 2,18% do total de emissões - o menor desde setembro de 2015, segundo o Indicador Serasa

comentários

Agora ele espera que o discurso se materialize na prática, de acordo com o presidente do Citi no Brasil, Hélio Magalhães

comentários

Em setembro, todos os segmentos (extrativa, transformação e construção) registraram índices de confiança medidos pela CNI superiores a 50 pontos -o que não ocorria desde março de 2014

comentários