São Paulo, 03 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Índice de Confiança do comércio sofre piora
Imprimir

Para quase a metade dos entrevistados, redução do ritmo de vendas reduzirá as contratações. É o que revela levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens e Serviços (CNC)

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) renovou o piso histórico em fevereiro. O índice recuou 2,5% na comparação com janeiro, já descontados efeitos sazonais, atingindo 100,6 pontos. Além de registrar a sétima queda consecutiva, o resultado mostra a confiança dos empresários mais próxima da zona negativa, abaixo de 100 pontos.

Ao todo, oito dos nove componentes que medem a confiança dos empresários chegaram ao seu menor patamar na série, iniciada em março de 2011, incluindo as avaliações sobre a economia, as expectativas para o setor e a previsão de investimentos. Os resultados foram divulgados nesta quinta-feira, 5, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, serviços e Turismo (CNC).

Na comparação com fevereiro de 2014, o Icec recuou 14,6%. A avaliação do setor com relação às condições correntes da economia foi o que mais pesou para este resultado. No mês passado, quatro em cada cinco empresários do setor (79,8%) consideraram que a economia piorou.

A apuração da pesquisa também indica que os empresários do comércio devem investir menos. Para 47,1% dos entrevistados, o realinhamento do setor ao menor ritmo de crescimento das vendas implica menos contratações.

"A menor expectativa em relação ao crescimento real da receita do setor, a elevação dos gastos a partir dos reajustes de tarifas públicas e o encarecimento do crédito deverão levar os empresários a ações mais cautelosas ao longo do ano", afirmou o economista da CNC Fabio Bentes, em nota.

A expectativa da CNC para a criação de vagas no varejo em 2015 aponta para a geração de 110 mil postos de trabalho no setor, 23% a menos do que o total de vagas geradas no ano passado (144 mil).

A desaceleração do mercado de trabalho, o encarecimento do crédito e a inflação ainda elevada levaram a CNC a revisar a previsão de vendas do crescimento do volume de vendas de 2,4% para 1,7% ao final de 2015. Confirmada a projeção, esse seria o pior resultado dos últimos 12 anos. Em 2003, o volume de vendas do varejo caiu 3,7%.



Previsões mostram que, embora o encarecimento do frete prejudique o e-commerce à curto prazo, o fim do monopólio dos Correios pode beneficiar o mercado como um todo

comentários

O brasileiro é o segundo entre os mais ricos da Suíça. Fortuna de US$ 27 bilhões corresponde ao PIB de diversos países e ultrapassou o patrimônio de tradicionais conglomerados suíços

comentários

Na contramão das regras de marketing, as promoções incluíram itens de primeira necessidade, como óleo de soja. Para consultoria, solução não deve ser vista como sinal do fim da crise, mas de paliativo para o consumo

comentários