São Paulo, 17 de Janeiro de 2017

/ Negócios

Indicador de intenção de compra atinge seu menor nível histórico
Imprimir

Levantamento da Fecomércio regride à pontuação mais baixa apurada desde janeiro de 2010 e também a pior variação anual já registrada

Os consumidores da capital paulista estão cada vez mais cautelosos na hora de adquirir novos bens, à medida que a economia está se enfraquecendo e aumentam as possibilidade de desemprego. É o que revela pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Segundo a entidade, o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) atingiu nova mínima histórica em abril, ficando em 100,1 pontos, o que representa uma queda de 5,2% na comparação com março de 2015 e um declínio expressivo de 16,4% ante o quarto mês de 2014. Trata-se da pontuação mais baixa apurada desde janeiro de 2010 e também a pior variação anual já registrada.

De acordo com a FecomercioSP, todos os itens que compõem o ICF tiveram retração em abril ante o mês anterior. Além disso, quase a totalidade, exceto Perspectiva Profissional, ficou nos menores patamares históricos.

O item Perspectiva de Consumo registrou a sexta variação negativa consecutiva, com recuo de 6,4% no mês, atingindo 85,3 pontos. A categoria mantém-se abaixo dos 100 pontos pelo quarto mês seguido, o que indica que as famílias de São Paulo devem consumir menos nos próximos meses em relação ao observado em igual período de 2014.

Já o indicador Nível de Consumo Atual segue há 27 meses com pontuação inferior a 100. Em abril, o segmento teve retração de 5,3% e alcançou 73 pontos. Neste cenário, um quinto dos consumidores afirmaram estar consumindo mais, enquanto 46% disseram que o consumo está menor na comparação com o mesmo período do ano passado.

A intenção dos paulistanos em adquirir bens duráveis também diminuiu. O item Momento para Duráveis caiu 5,9%, ficando com 77 4 pontos, e completou um ano com pontuação menor que 100. Segundo a FecomercioSP, o resultado sinaliza que as famílias estão restringindo o consumo e consideram o atual momento desfavorável à compra de produtos como TV, carro, fogão, geladeira, entre outros.

De acordo com a entidade, o índice que mede o Acesso a Crédito foi o que mais perdeu pontos em abril, ao apresentar queda de 6 2%, caindo de 122,9 para 115,3 pontos. "Desta forma, a consideração é que está reduzindo a percepção da facilidade de obter financiamentos", destaca a nota.

METODOLOGIA

O ICF varia de 0 a 200, sendo abaixo de 100 pontos considerado patamar de insatisfação e acima desta pontuação, patamar de satisfação das famílias em relação as condições econômicas.
 



A gigante do varejo online deve abrir loja sem caixas, sem filas e 100% automatizada

comentários

O chef Mahmoud Ghalou pensava apenas em sustentar a família quando investiu nas tradições culinárias do seu povo. Da iniciativa informal, nasceu a marca Sonho Árabe, sucesso em feiras e eventos

comentários

Os negócios com receita recorrente vêm crescendo tanto que os especialistas já falam em Economia da Recorrência. No varejo, os clubes de assinatura colocaram esse modelo em prática

comentários