São Paulo, 25 de Abril de 2017

/ Negócios

Inadimplência do consumidor recua, menos para o varejo
Imprimir

Levantamento da Boa Vista SCPC revela que dívidas vencidas não pagas no setor subiram 3,4% em março, em comparação com fevereiro passado

A inadimplência do consumidor recuou 0,2% em março na comparação com fevereiro, considerando os dados com ajuste sazonal, de acordo com números da Boa Vista SCPC.

Ante março do ano passado, a queda foi de 1,9%. No primeiro trimestre de 2015, o indicador apresentou elevação de 1,3% em relação a igual período de 2014. Já na comparação do acumulado em 12 meses até fevereiro (comparado a igual intervalo no ano anterior) houve elevação de 2,0%.

Quando considerado apenas o setor de varejo, a inadimplência registrou elevação de 3,4% em março ante fevereiro. O valor médio das dívidas incluídas no mês passado foi de R$ 1.123,00, após ajustes estatísticos. Na análise regional, o resultado mensal na série com ajuste sazonal apresentou maior alta no Nordeste (7,1%), seguido do Norte (2,0%) e Sul (0,8%). No Centro-Oeste (-3,9%) e Sudeste (-2,0%) houve queda.

"Apesar de a avaliação mensal ter demonstrado estabilidade, a tendência de longo prazo, evidenciada pelos valores acumulados em 12 meses, continuou apresentando elevação, fato que deverá ser acompanhado mais cautelosamente nos próximos meses", diz a Boa Vista em relatório. A expectativa da companhia é de que a inadimplência este ano suba 3%. Para a taxa de inadimplência oficial do Banco Central, a projeção (já com base na nova série) é de 5,8%.

O indicador de registro de inadimplência da Boa Vista é elaborado a partir da quantidade de novos registros de dívidas vencidas e não pagas informados à companhia pelas empresas credoras.



As medidas econômicas adotadas pelo governo estão no caminho certo e não podem parar apesar da crise política, segundo o Boletim de Conjuntura Econômica da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

comentários

As empresas do ramo fecharam o ano com R$ 250,5 bilhões em receitas, de acordo com a Abad. Expectativa é de que o setor feche 2017 com alta de 1%

comentários

Mesmo com liquidações no primeiro trimestre, o comércio varejista ainda não alcançou equilíbrio no nível de estoques

comentários