São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Negócios

Inadimplência do consumidor recua, menos para o varejo
Imprimir

Levantamento da Boa Vista SCPC revela que dívidas vencidas não pagas no setor subiram 3,4% em março, em comparação com fevereiro passado

A inadimplência do consumidor recuou 0,2% em março na comparação com fevereiro, considerando os dados com ajuste sazonal, de acordo com números da Boa Vista SCPC.

Ante março do ano passado, a queda foi de 1,9%. No primeiro trimestre de 2015, o indicador apresentou elevação de 1,3% em relação a igual período de 2014. Já na comparação do acumulado em 12 meses até fevereiro (comparado a igual intervalo no ano anterior) houve elevação de 2,0%.

Quando considerado apenas o setor de varejo, a inadimplência registrou elevação de 3,4% em março ante fevereiro. O valor médio das dívidas incluídas no mês passado foi de R$ 1.123,00, após ajustes estatísticos. Na análise regional, o resultado mensal na série com ajuste sazonal apresentou maior alta no Nordeste (7,1%), seguido do Norte (2,0%) e Sul (0,8%). No Centro-Oeste (-3,9%) e Sudeste (-2,0%) houve queda.

"Apesar de a avaliação mensal ter demonstrado estabilidade, a tendência de longo prazo, evidenciada pelos valores acumulados em 12 meses, continuou apresentando elevação, fato que deverá ser acompanhado mais cautelosamente nos próximos meses", diz a Boa Vista em relatório. A expectativa da companhia é de que a inadimplência este ano suba 3%. Para a taxa de inadimplência oficial do Banco Central, a projeção (já com base na nova série) é de 5,8%.

O indicador de registro de inadimplência da Boa Vista é elaborado a partir da quantidade de novos registros de dívidas vencidas e não pagas informados à companhia pelas empresas credoras.



De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários

Levantamento da Boa Vista SCPC mostra que 62% dos inadimplentes comprometem mais da metade da renda mensal para quitar as dívidas

comentários

Os preços dos eletroeletrônicos foram os que registraram as maiores quedas, de 5% em média, na passagem de maio para junho

comentários