São Paulo, 22 de Julho de 2017

/ Negócios

Franquias crescem menos, mas crescem
Imprimir

Pela primeira vez em dez anos, o setor se expande abaixo dos dois dígitos e fechou 2014 com faturamento 7,7% acima do ano anterior

Apesar da revisão das projeções ao longo do ano – motivada pelo cenário econômico, a Copa do Mundo e as eleições – o faturamento das franquias cresceu 7,7% em 2014. A receita das redes totalizou R$ 127,3 bilhões, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF) divulgados nesta quinta-feira (26/2). 

Desde 2004, essa é a primeira vez que o setor cresce abaixo dos dois dígitos. Segundo Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF, o excesso de feriados da Copa do Mundo prejudicou franqueados nos pontos de venda. Já a inflação e a queda na renda deixaram as pessoas com menos dinheiro no bolso, além disso, o clima beligerante das eleições parece ter desanimado o consumidor.

O setor projeta crescimento na faixa de 7,5% a 9% em 2015 – números que podem ser revistos de acordo com as pesquisas trimestrais da ABF, devido às possíveis alterações de cenário e das consequências do racionamento de água e energia elétrica. “Mas com as mudanças que devem ser feitas na economia, esperamos uma retomada a partir do segundo semestre”, afirma o executivo da ABF.     

CRESCIMENTO EM DETALHES

Segundo a ABF, o total de lojas subiu para 125.641, uma alta de 9,8% frente ao ano passado. Hoje, há franquias em 2.108 municípios do País, quase quatro vezes mais que o total de shoppings. 

Esse é um dos resultados do movimento de interiorização do franchising. Camargo lembra que, com a suspensão da abertura de 16 centros de compras para 2015, as franquias buscaram outras opções para crescer no país, como pequenas galerias e supermercados. Nos últimos cinco anos, Boticário, Cacau Show, Subway e Bob’s chegaram a cidades de até 30 mil habitantes.

O número de novas redes cresceu 8,8% em 2014 - totalizando 2.942 marcas. Fry’s, Crepelocks, Keiretsu, Bom Galeto (de alimentação), Arte Própria (casa e construção), Live! (vestuário), Só Socks, Natural Quality (esporte, saúde, beleza e lazer) e NYS Collection (acessórios pessoais e calçados) são alguns exemplos.  

Quanto ao segmento, o que mais cresceu foi Comunicação, Informática e Eletrônicos, com alta de 27%. O aumento no número de prestadoras de serviço e agências digitais, além da crescente venda de smartphones e computadores e tablets puxaram essa expansão.

Entre as marcas de se destacaram, estão a loja de eletrônicos Nexar, e as agências de marketing digital Guia-se Negócios pela Internet e Ligue Site. As franquias de gigantes das telecomunicações, como Oi e TIM, também ganharam relevância, lembra Camargo.

“Algumas redes, mesmo no começo da crise, passaram a investir em serviços ou venda de softwares para melhorar seus números, e tiveram desempenho favorável”, completa. O número de lojas de microfranquias (franquias de baixo investimento inicial, até R$ 80 mil) também cresceu, na casa dos dois dígitos em 2014 (ou 14,7%).



Especialistas debateram distorção da sistemática de recolhimento do ICMS em recente simpósio da ABF. Eis aqui as conclusões

comentários

Da administradora Mariana de Souza (foto) ao médico Jairo Ferreira, conheça histórias de quem deixou seu emprego para se tornar franqueado

comentários

As estratégias adotadas para promover o crescimento desse modelo de negócio, que faturou 8,3% mais em 2016, serão o destaque da ABF Franchising, que começa nesta quarta

comentários