São Paulo, 06 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Franchising faz de conta que não há crise e mantém otimismo
Imprimir

Visitantes deverão conhecer oportunidades de negócios na ABF Franchising Expo, que pode movimentar R$ 550 milhões

Começa na quarta-feira, 23, em São Paulo, a ABF Franchising Expo, uma das maiores feiras de franquias do mundo, com a estimativa de movimentar R$ 550 milhões em negócios e receber 62 mil visitantes em quatro dias. Quem visitar a 24ª edição do evento vai encontrar 480 marcas e opções de investimento que oscilam entre R$ 20 mil e R$ 2 milhões.

As projeções para este ano são maiores em relação ao ano passado, quando 60 mil pessoas estiveram no Expo Center Norte e fizeram negócios da ordem de R$ 520 milhões.

Mesmo em um cenário de retração econômica, a expectativa positiva é justificada pelos números que o franchising apresentou nos primeiros meses do ano, segundo o diretor de capacitação da Associação Brasileira de Franchising (ABF), Juarez Leão.

DESEMPREGO

Muitos argumentam, no entanto, que o crescimento dessa busca pela franquia não é muito sólido, na medida em que atrai candidatos ao empreendedorismo menos experientes, que se lançam no mercado com as indenizações recebidas ao serem desligados de seus empregos. 

Nelson Felipe Kheirallah, vice-presidente da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), não vê motivos para tanto otimismo dos organizadores da feira. Para ele, a franquia tem sido uma solução no Brasil todo, a melhor opção para o novo empreendedor, e a salvação para os shoppings que têm o volume de vendas praticamente sustentado pelo franchising.

“Naturalmente, a previsão tem que ser otimista, porém é muito claro que o varejo está em plena recessão, e ainda não chegou ao fundo do poço. Portanto, acho difícil que esse número se confirme.”

Kheirallah também diz que com a mudança na legislação sobre a folha de pagamento, o varejista terá um custo ainda maior, e então, o desemprego deve chegar ao comércio. 

CRESCIMENTO

Na comparação do primeiro trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado, o setor cresceu 9,2%. Descontada a inflação, o desempenho foi de 5,7%.

De acordo com JuarezLeão, em momentos de crise, a franquia desperta maior interesse do possível empreendedor por ser um negócio já formatado. "A franquia tem uma capacidade de reação ao momento com lançamentos de promoções e novos produtos que um varejista tradicional dificilmente conseguiria fazer", diz.

O ingresso, válido para os quatro dias de feira, custa R$ 70. A recomendação para quem vai visitar o evento é fazer um planejamento prévio para saber quais marcas pretende conhecer melhor.

Segundo Leão, muitos visitantes chegam à feira sem conhecer nenhuma operação e em duas horas de conversa já querem sair com o negócio fechado. "Fazemos uma analogia com o casamento. Ninguém conhece uma pessoa às 14h e às 16h quer se casar com ela", diz.

A recomendação é para o interessado pesquisar com antecedência sobre os segmentos que ele mais se identifica, com quais marcas tem afinidade e qual o valor do investimento que pretende desembolsar. É recomendado ainda que o interessado, após esse primeiro contato na feira, visite franqueados da marca e até busque conversar com consumidores.

Em média, os investidores visitam a feira em dois dias distintos. A recomendação é ir durante a semana, afinal, no sábado o evento registra o maior número de visitantes e uma conversa com o franqueador fica mais disputada. A ABF também vai promover cursos com duração de duas horas durante a feira para ajudar os candidatos na escolha da franquia.

ESTREIA

A ABF Expo terá 78 marcas que participarão pela primeira vez do evento. Uma delas é o Suplicy Cafés. O negócio foi criado em 2003 e começou a franquear unidades há quatro anos. "Antes éramos muito pequenos. O último ano foi de reestruturação e, agora, temos toda uma equipe para dar suporte ao franqueado", afirma Marco Suplicy, fundador da empresa.

Atualmente, a rede tem 11 lojas em operação e uma em obras. A expectativa é abrir mais oito neste ano. Começar uma franquia da marca exige investimento a partir de R$ 280 mil. "Não temos restrições (quanto ao perfil do investidor)", afirma o gerente de expansão da rede, Marco Alves. 

*Foto: Eduardo Nicolau/ Estadão Conteúdo



Para ampliar seu espaço no bilionário segmento de intercâmbio, a CVC, líder do setor de turismo no Brasil, está convidando empreendedores especializados em cursos no exterior para se converterem em franquias

comentários

Capital, experiência, visão estratégica. Eis o perfil de franqueados como Gabriel Antonini, da 5 à Sec (acima), que estão no comando de várias lojas de uma mesma rede

comentários

Nos últimos anos, o setor cresceu a passos largos. Por mais atrativo que seja, o modelo de negócio possui armadilhas que podem causar arrependimento ao empreendedor

comentários