São Paulo, 28 de Junho de 2017

/ Negócios

Empreender em meio à crise pode ser mesmo um bom negócio?
Imprimir

Muitos profissionais enxergam nas franquias uma oportunidade para gerar renda, mesmo em um cenário recessivo. Mas é preciso ter cuidado para não correr riscos

Após 18 anos como empregado, João Paulo vai usar o dinheiro da rescisão para diversificar “na vida”. O casal Frugis, por sua vez, busca uma segunda fonte de renda, já que um dos cônjuges está há cinco anos fora do mercado de trabalho.

O autônomo Alexei decidiu usar sua “antiga reserva para eventuais problemas” para investir em uma nova oportunidade de ganhar dinheiro. Já as irmãs Aline e Brunella querem ampliar os negócios para se tornar “um ponto fora da curva”  da recessão. 

Um público de perfis diversificados -mas no fundo, com o mesmo objetivo – lotou os corredores da Expo Center Norte na última edição da 24ª ABF Franchising Expo. Realizada na última semana de junho na capital paulista, a feira recebeu mais de 64 mil visitantes e contou com 480 marcas expositoras nacionais e internacionais.

É fácil entender a razão. O segmento de franquias, que prevê repetir o crescimento de 7,7% em 2015, tem sido um dos mais procurados para investir e gerar renda neste complicado cenário econômico. De acordo com o levantamento recente da Endeavor Brasil, três de cada quatro profissionais entrevistados dizem que preferem empreender.

CORREDORES LOTADOS DE POTENCIAIS EMPREENDEDORES NA EXPO/FOTO: STUDIO F

"O franchising oferece oportunidades de expansão, com produtos atraentes e formatos que facilitam essa opção para pessoas que querem realizar o velho sonho de ter o negócio próprio", afirma Juarez de Paula, gerente de varejo do Sebrae Nacional. “O suporte de uma franqueadora reduz os riscos para quem investe a poupança de uma vida inteira para se tornar empreendedor”, diz.

“Esse é o plano B em um cenário de retração mais profunda, a exemplo do que ocorreu em crises anteriores", diz Cristina Franco, presidente da ABF (Associação Brasileira de Franchising).  

Mas há uma diferença entre empreender e franquear. O especialista Marcus Rizzo, sócio da Rizzo Franchise, afirma que, no primeiro caso, monta-se o próprio negócio. No segundo, busca-se um negócio pronto.

“Aqui, paga-se taxa de franquia para absorver o know-how de quem já fez, errou e agora vende os acertos", diz.  Ou seja, antes de mais nada, é preciso avaliar em qual perfil você se encaixa.

O SONHO DE CADA UM 

Na mesma empresa desde os 17 anos, o analista financeiro João Paulo de Faria, 35, demitiu-se há um mês. Acompanhado do amigo e futuro sócio, o advogado Leandro Prestes, Faria se interessou por franquias voltadas ao público infantil, como roupas ou máquinas de brinquedos da Mr.Kids, daquele formato estabelecido em supermercados e postos de gasolina. 

“Sempre tive o sonho de empreender, só não tinha coragem. Mas precisava ‘diversificar na vida’, então decidi usar a recisão para investir em franquias. Me pareceu o melhor negócio, pois já nasce forte”, acredita. 

Prestes, que decidiu embarcar no sonho do amigo, concorda:  “Franquia é um negócio consolidado, muitas marcas se vendem por si. Em um cenário econômico duvidoso, permite apostar em nossa força de trabalho para continuar a ganhar dinheiro.” 

Mesmo sem interesse específico por algum segmento, o casal de advogados Ana Paula e Antônio Carlos Frugis andava pela ABF Expo à procura de uma segunda fonte de renda. Com gêmeos de cinco anos, a advogada havia deixado a antiga empresa após 12 anos para cuidar dos filhos. 

Quando saiu, guardou o dinheiro para futuro investimento. Agora, o casal decidiu que era hora de usá-lo.“Se ela voltar para o mercado, não terá uma remuneração compatível com sua experiência. Melhor arriscar assim”, afirma Antônio Carlos, hoje sócio de uma empresa de advocacia. 

Ana Paula diz que está à procura de algo promissor, mas com menor risco. “Sempre tive sonho de empreender. Mas com a crise, é interessante ter uma estrutura por trás.”  

Ana Vecchi, diretora da Vecchi Ancona Consultoria, afirma que, por duas vezes em que o mercado parou por conta de crises, nos anos 90 e após 2008, houve um grande crescimento do franchising.

Isso porque, muitos profissionais com bom histórico de carreira apostaram no sistema por refletir menor risco. Além disso, esses analistas e executivos podem agregar sua experiência ao negócio. 

“É necessário ressaltar, porém, que se a transferência de know how possibilita o sucesso, por si não o garante. É preciso aprender a operar o negócio para adquirir experiência em um setor onde se pode ou não tê-la”, afirma. 

UM INVESTIMENTO PARA SEMPRE?

Mas há quem tenha acumulado experiência em setores específicos, apesar de novato no franchising – caso das irmãs cariocas Brunella e Aline Moraes.

Ambas operam uma pequena empresa de terceirização de serviços há nove anos e atendem clientes do porte da Petrobras, Eletronuclear e condomínios residenciais. Mas, após a PEC das domésticas, passaram a ser procuradas por clientes atrás de limpeza domiciliar.

Então, decidiram diversificar. Na feira da ABF, se candidataram a uma microfranquia da rede Maria Brasileira – investimento de cerca de R$ 30 mil que deve dar um retorno “enorme” por profissionalizar o serviço, segundo Aline. 

“A atividade não tem glamour, mas é um serviço essencial. Então somos vistos como referência. Limpeza não tem crise, e vamos ampliar o negócio para sair da curva da recessão.” 

Outro exemplo é o autônomo Alexei Stuani, consultor imobiliário em uma grande incorporadora que também enxergou no franchising uma maneira de contar com uma segunda fonte de renda. Com a crise, decidiu investir a reserva que tinha feito para um eventual problema “para investir em uma oportunidade.” 

Sua experiência anterior como professor de eletroeletrônica no Senai fez com que se identificasse com a Concretta, franquia de ensino profissionalizante em construção civil, à qual se candidatou. Se identificou tanto, que nem a queda da atividade no setor o fez desistir do sonho.  

Se há crise num ponto, em outros não há. Riqueza troca de mão, e o meu potencial cliente pode ser aquele profissional que quer se qualificar para voltar o mercado quando a crise passar”, afirma.  

DICAS SOBRE NEGÓCIOS E CAPACITAÇÃO FORAM ALGUNS DOS MOTES DA EXPO/FOTO: STUDIO F

Lembrando que franquia não elimina os riscos, mas apenas os reduz, Marcus Rizzo afirma que é preciso ter cuidados na hora de investir a tal “poupança de uma vida inteira” ou de não poder errar no investimento - principalmente em tempos de recessão.

Segundo ele, 64% das redes franqueadoras apenas vendem produtos para franqueados, 43% não têm unidades próprias e 34% têm zero de experiência quando lançam uma franquia. 

“Converse com atuais e ex franqueados para avaliar se o que te oferecem é verdadeiro. Seja um investimento de R$ 1 mil ou R$ 1 milhão, é preciso se identificar com o negócio, senão vai dar errado, não importa se o mercado está em alta ou em baixa”, dá a dica. 

GAME EDUCA PARA OS NEGÓCIOS

Se das formas de ter uma trajetória de sucesso em qualquer tipo de negócio é através da capacitação, a ABF e o Sebrae Nacional resolveram se unir para facilitar a entrada de empreendedores ou reciclar os que já são empresários do setor dessa forma

Com projeto “Franquias Brasil”, lançado em fevereiro último, as duas instituições já capacitaram mais de 2 mil alunos em 51 municípios espalhados pelo país. Até 2016, serão oferecidos 337 cursos “Entendendo Franchising” em 120 cidades que, além dos conceitos, abordam aspectos legais e vantagens e desvantagens do sistema. 

Mas a grande novidade lançada na ABF Expo é o game Franquias Brasil. Composto por seis jogos online, o viral ensina a simular o dia da gestão de uma franquia.  

O game é gratuito, e pode ser acessado junto com a programação de cursos no site da ABF ou do Sebrae, e está disponível também para sistemas iOS e Android (para smartphones e tablets).

A ideia é levar capacitação com capilaridade para todo o Brasil. “A abertura de uma franquia pode envolver menos risco, mas mesmo assim os empresários precisam de apoio para fazer a gestão correta da empresa”, diz Juarez de Paula, do Sebrae. 

Cristina Franco, presidente da ABF, afirma que as duas iniciativas – principalmente o game de educação à distância – ajudarão a atingir um volume de capacitação sem precedentes para  disseminar as boas práticas do franchising. “Nossa meta é capacitar 10 mil pessoas em 2015”, finaliza.  

Arte e montagem fotográfica: Will Chaussé



Especialistas debateram distorção da sistemática de recolhimento do ICMS em recente simpósio da ABF. Eis aqui as conclusões

comentários

Da administradora Mariana de Souza (foto) ao médico Jairo Ferreira, conheça histórias de quem deixou seu emprego para se tornar franqueado

comentários

Para o economista Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central, o governo pode ter de elevar impostos para conter o rombo nas contas públicas

comentários