São Paulo, 25 de Março de 2017

/ Negócios

Dia dos namorados: com muito amor, mas pouco consumo
Imprimir

Pesquisa revela que mais da metade dos casais pretendem gastar menos em compras agora do que em 2014, que foi a pior data comemorativa em vendas

A expectativa de compra dos consumidores para o 12 de Junho não é das melhores. Pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 52,4% dos consumidores pretendem gastar menos agora do que em 2014.

Em 2014, o Dia dos Namorados foi a pior data comemorativa do ano, com queda de 8,63% nas vendas a prazo em relação ao ano anterior. Desta vez, a previsão também não é otimista.

O valor médio esperado é de R$ 138 e 82% dos consumidores pretendem pagar à vista. Mais da metade daqueles que pretendem gastar menos justifica a cautela por razões de desemprego ou endividamento.

O índice é mais representativo entre mulheres (37%) e nas classe C, D e E (31%). Mesmo entre os que acreditam que vão gastar mais, 31% disseram que o incremento na despesa se deve à inflação e ao preço mais alto dos produtos.

Quase 80% dos consumidores acreditam que o valor do produto está mais alto que em 2014 e apenas 18,5% afirmaram que teve algum aumento de salário.

Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o cenário econômico, determinante para o comportamento das vendas, também tem impacto nas datas comemorativas.

"A desaceleração da economia, com o crédito aos consumidores cada vez mais restrito, a inflação elevada e as altas taxas de juros, diminui o poder de compra do consumidor e a principal medida para salvar as finanças é o corte de gastos", diz, em nota distribuída à imprensa.

MARIDO E MULHER

Ao contrário do que se pode esperar, a maioria dos presenteados no Dia dos Namorados serão os casados (67,9%). Os homens pretendem presentear o cônjuge mais do que as mulheres. Isoladamente, eles são 76,7%.

Poucos companheiros, porém, devem receber mais do que um presente, já que 76,3% dos entrevistados não pretendem comprar mais do que um agrado. As classes C, D e E se mostraram mais sensibilizadas com a data comemorativa e o porcentual de consumidores que planejam comprar pelo menos dois presentes é 4% maior nesse grupo.

LEIA MAIS: Comércio cai 5,8% em maio, apesar do Dia das Mães

Os produtos preferidos para presentear são roupas (46,5%), seguidas por calçados (22,2%), perfumes e cosméticos (22,2%) e acessórios de moda (10,3%). Mas a maioria não deve gastar mais em comemorações, já que 49,3% já anunciaram que preferem ficar em casa. Apenas 18,5% vão sair para jantar fora e pouco mais de 8% pretendem ir ao motel.



A projeção é do Instituto de Economia da ACSP com base em dados do IBGE e do Índice Nacional de Confiança (INC), pesquisa mensal da Associação Comercial de São Paulo

comentários

Levantamento da Fecomercio mostra, entretanto, que na média os estoques ainda estão bem acima do ideal

comentários

Para Alencar Burti, presidente da ACSP, o resultado, ainda que preliminar, aponta para um arrefecimento da crise

comentários