São Paulo, 03 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Criação de novas empresas tem queda superior a 9% em abril
Imprimir

Pesquisa da Serasa Experian reflete redução da confiança empresarial, alta da inflação, dos juros e da taxa cambial, além do baixo dinamismo da atividade econômica

O índice de surgimento de novas empresas da Serasa Experian registrou queda de 9,1% em abril com relação a março, com um total de 168.124 novos negócios criados no país.

Comparada a abril de 2014, foi registrada alta de 3,1%. No acumulado do primeiro quadrimestre, foram criadas 648.488 empresas, alta de 2,5% em relação a igual intervalo do ano passado.

Os economistas da Serasa voltaram a afirmar que a desaceleração da criação de novas empresas no acumulado do ano (no primeiro quadrimestre de 2014 o crescimento havia sido de 6,9%) reflete o cenário econômico mais adverso, caracterizado por redução da confiança empresarial, alta da inflação, dos juros e da taxa cambial, além do baixo dinamismo da atividade econômica.

Na passagem de março para abril, a criação de empresas individuais caiu 20,2%, para 14.965 novos negócios; o nascimento de novas empresas de outras naturezas teve queda de 18,2%, com 8.784; as 17.443 novas sociedades limitadas registraram criação de 17.443 unidades, representam retração de 15,3%; enquanto o número de novos microempreendedores individuais (MEIs) surgidos em abril foi de 126.932, recuo de 5,8% no período.

A Serasa também volta a afirmar que a crescente formalização dos negócios no Brasil é responsável pelo aumento constante das MEIs, registrado desde o início da série histórica do indicador.

Em seis anos, elas passaram de menos da metade dos novos empreendimentos (42,4%, em 2010) para 75,5% no último levantamento.

Na divisão por regiões geográficas, o Sudeste segue liderando o ranking de nascimento de empresas, com 325.141 novos negócios abertos entre janeiro e abril de 2015, ou 50,1% do total.

A Região Nordeste segue em segundo lugar, com 18,3% do total. O Sul continua em terceiro lugar, com 16,6% de participação, seguido do Centro-Oeste (9,7%) e Norte (5,3%).

O setor de Serviços continua sendo o mais procurado por quem quer empreender: de janeiro a abril, 397.779 novas empresas surgiram neste segmento, o equivalente a 61,3% do total.

Em seguida, aparecem 195.563 empresas comerciais (30,2% do total) e, no setor industrial, foram abertas 53.105 empresas (8,2% do total) neste mesmo período.

 



De janeiro a outubro deste ano, as devoluções atingiram a média de 2,36%. Em sentido oposto, São Paulo apresentou o menor índice (1,8%), segundo a Serasa

comentários

Em relação a igual período de 2015, queda é de 2,9%, de acordo com a Serasa

comentários

Segundo a Serasa, a inflação elevada e o desemprego comprometem o poder de compra do brasileiro

comentários