São Paulo, 25 de Maio de 2017

/ Negócios

Como essa executiva fez dobrar o número de diretoras no Reino Unido
Imprimir

Em vez de apelar ao feminismo ou a quotas, a britânica Helena Morrissey (na foto, rodeada de colegas executivos) convenceu mais de uma centena de presidentes de conselhos de empresas que diversidade produz inovação e aumenta os lucros

Por Jenny Anderson
Se você sugerir a Helena Morrissey que ela é a versão britânica de Sheryl Sandberg, ela irá sorrir educadamente. "Acredito que deva me sentir lisonjeada", disse Helena, administradora de investimentos de 48 anos, em seu escritório na City, o histórico bairro financeiro de Londres. "Mas estou fazendo meu próprio trabalho."

A exemplo de Sheryl, a executiva do Facebook, Helena se tornou o rosto do progresso feminino nas empresas em seu país. Quatro anos atrás, ela fundou o Clube dos 30 Por Cento, organização que busca aumentar a representação das mulheres na diretoria até aquele número.

Contudo, ela optou por uma abordagem bem diferente das de outras mulheres. Sheryl pediu que as mulheres se afirmem e achem patrocinadores que as ajudem a progredir na carreira. Países como Noruega e França têm cotas definidas por lei para a porcentagem de mulheres presentes em conselhos de administração. Em vez disso, Helena centrou seu foco nos homens mais poderosos da Grã-Bretanha.

Trabalhando nos bastidores, ela convenceu 120 dos principais presidentes de conselho administrativo de que eles têm o mesmo objetivo: diretorias mais diversificadas que resultarão em maiores lucros para a empresa.

A abordagem produziu resultados notáveis. Desde 2010, a porcentagem de mulheres nas principais diretorias britânicas praticamente dobrou, somando 23 por cento, enquanto nos Estados Unidos, a cifra se arrastou alguns pontos, atingindo 17 por cento.

"Lá existe uma notoriedade e uma visibilidade inexistentes aqui", afirmou Brande Stellings, vice-presidente de serviços para conselhos corporativos na Catalyst, entidade sem fins lucrativos dedicada a aumentar as oportunidades das mulheres no EUA.

EXECUTIVA E MÃE

O fato de Helena receber o crédito pela conquista desses resultados enquanto criava nove filhos – com idades variando entre cinco e 23 anos – poderia tê-la tornado o alvo da ira em um país que nem sempre celebra o sucesso. Ou pode ter estimulado o debate a respeito da questão de se uma mulher pode ou não ter tudo. Não aconteceu nem uma coisa nem outra.

"Ela é uma exceção, não uma regra", disse seu marido, Richard, de 51 anos, que é budista, ex-jornalista e cuida das crianças em casa.
Grupos como o Catalyst nos Estados Unidos têm trabalhado para colocar mais mulheres em cargos com poder. Porém, o progresso no país tem sido glacial, tornando ainda mais atraentes os métodos e resultados do Clube dos 30 Por Cento.

"Se de alguma forma fosse possível forjar ou reproduzir o sucesso que ela teve num período tão curto, nós estaríamos fazendo um bom trabalho para a comunidade empresarial daqui", disse Peter Grauer, presidente da empresa jornalística Bloomberg LP e presidente fundador da divisão norte-americana do Clube dos 30 Por Cento, aberta no ano passado.

A abordagem do Clube é diferente e bastante influenciada por Helena, cujo enfoque refinado esconde uma determinação inflexível.
"Meu estilo não é dizer aos outros o que eles devem fazer, mas apresentar um caminho atraente", ela disse. E sem seguir o rumo negativo. Por exemplo, ela não cita os nomes de quem não entrou no Clube dos 30 Por Cento em seus primeiros dias. Igualmente, a executiva apoia todos que querem promover a mudança em vez de ficar reclamando a falta dela.

"Vejo tanto confronto e negatividade e não acho que isso resulte em muita coisa", ela declarou. Helena é fã de Sheryl e a elogia por iniciar um diálogo importante. "As mulheres precisam intervir, mas não acho que a questão seja mudar as mulheres ou mudar o sistema. Não é binário."

Helena é inflexível ao afirmar que o grupo não está promovendo uma causa feminista ou ligada à diversidade, mas uma questão empresarial. Ela cita pesquisa da McKinsey, Catalyst e Credit Suisse como prova de que conselhos administrativos diversos dão lucros maiores aos acionistas porque diretorias homogêneas geralmente produzem pouco pensamento inovador a respeito dos clientes, riscos ou resultados. Sem coincidência, uma representação de 30 por cento é o nível no qual psicólogos organizacionais concordam que a voz de uma minoria possa ser ouvida.

Tendo isso em mente, ela incentivou homens a liderarem a iniciativa e, assim que ingressarem na diretoria, empregá-los para recrutar outros. Quando Helena tentava conseguir apoio para o grupo, decidiu enviar uma mensagem a cada presidente do conselho de administração das empresas no índice FTSE 350 da Bolsa de Valores de Londres, em ordem alfabética.

Quando chegou à letra H, mensagens pouco amistosas dos que começavam com a letra A começaram a chegar. Ela logo viu que havia um jeito melhor. "É melhor fazer os presidentes se recrutarem do que me usar", ela contou.

A tentativa sem pressão parece ser eficaz na Grã-Bretanha, onde regras complexas de confronto parecem impregnar todos os níveis da sociedade.

LEIA MAIS: O que falta para as mulheres reinarem nos negócios?

"Acho que Helena teve um sucesso singular na defesa pacífica ao conseguir que as pessoas com poder produzam a mudança, acreditando que elas querem fazer a alteração", disse Robert Gillespie, da diretoria do Royal Bank of Scotland, com passagens pela Evercore e UBS.

CONTRA AS COTAS

Helena é veementemente contra qualquer cota imposta pelo governo, afastando-se da tendência em voga em boa parte da Europa, mas cita o grupo-alvo que busca alcançar: 30 por cento das diretorias compostas por mulheres até 2015. Ela disse acreditar que o grupo chegará a 27 por cento até o final do ano, e mais se se concentrar nos dez por cento de diretores não executivos que detém postos há mais de nove anos.

O movimento também tem detratores. Um presidente lhe disse que ela iria destruir os negócios; outros se perguntam por que ela não atua mais por categorias mais amplas da diversidade, como raça ou sexualidade. Além disso, o número de mulheres com papéis executivos de alto escalão na Grã-Bretanha continua baixo.

Mesmo assim, o Clube dos 30 Por Cento cresceu, com grupos em Hong Kong, África do Sul, Irlanda, Estados Unidos e planos para Canadá e Austrália.

 

HELENA MORRISSEY: O ROSTO DO AVANÇO FEMININO NAS EMPRESAS/FOTOS: ANDREW TESTA

Talvez o maior ativo do Clube seja sua capacidade de tentar novas abordagens. Sabendo que as diretorias procuravam empresas de colocação de executivos para formar listas, ele conseguiu o apoio de algumas dessas firmas. Ao saber que mulheres em estágio intermediário da carreira queriam orientação, mas nem sempre dentro das próprias organizações, o clube criou um grupo de aconselhamento em que uma advogada pode ser orientada por uma gerente de ativos, pois ela pode não querer falar com o chefe sobre buscar um equilíbrio entre filhos e trabalho ou de tirar folga para cuidar de um pai idoso.

Helena começou o ano levando a mensagem do grupo às escolas. Associando-se a outra organização beneficente, Speakers for Schools, o Clube dos 30 Por Cento cobre algumas escolas britânicas, com seus presidentes de conselho explicando aos alunos como a diversidade beneficia os negócios.

No dia 26 de janeiro, Douglas Flint, presidente do HSBC, deu conselhos a 400 estudantes de ensino médio na zona leste londrina.
O executivo contou que quando promove um homem, a reação costuma ser: "Por que demorou tanto? Faz tempo que estou pronto". Mulheres, por sua vez, se perguntam se têm a qualificação necessária. "Não sejam modestas demais", ele disse à plateia, incorporando as ideias de Sheryl Sandberg.



Para diminuir a burocracia e facilitar a criação de novos empreendimentos, o Empreenda Fácil irá reduzir o prazo de abertura de novos pequenos negócios de 101 para sete dias

comentários

Antes apenas empresas com prejuízos fiscais poderiam ter de fato um benefício, mas não tinham qualquer desconto. Agora, toda e qualquer empresa terá benefícios para participar do programa

comentários

A tendência é de recuperação da capacidade das empresas arcarem com seus compromissos financeiros, de acordo com a Boa Vista SCPC

comentários