São Paulo, 17 de Janeiro de 2017

/ Negócios

Com corte de custos, francês Casino avançou no Brasil em 2014
Imprimir

No ano passado, as bandeiras Pão de Açúcar, Extra e Assaí registraram aumento de vendas de 9,5%, segundo Jean-Charles Naouri (foto), presidente mundial do grupo

O ambiente econômico no Brasil não é dos melhores, com a economia estagnada e o real fraco. Mesmo assim, o resultado financeiro do grupo varejista francês Casino avançou no País no ano passado. Dona dos supermercados Pão de Açúcar e Extra e também das Casas Bahia e Ponto Frio, a empresa atribuiu o resultado a um programa de eficiência para reduzir custos. Entre as apostas do grupo no Brasil estão o segmento de 'atacarejo', as lojas de conveniência e os eletrônicos.

Em teleconferência para divulgar os resultados financeiros do grupo em 2014, o presidente do Casino, Jean-Charles Naouri, fez um diagnóstico pouco otimista do cenário macroeconômico brasileiro. Aos analistas, o executivo disse que a "desaceleração da economia é bastante óbvia" e os sinais apontam para a continuidade dessas condições em 2015.

Mesmo assim, a varejista apresentou números positivos no País. "Tivemos crescimento no lucro graças ao esforço de gestão", resumiu nesta manhã de terça-feira. "Executamos um rigoroso plano de eficiência operacional", completou.Esse resultado contrasta com o desempenho mundial do grupo, que em 2014 registra um recuo de 70,5% no lucro líquido --de 251 milhões de euros ante 851 milhões de euros em 2013.

No ano passado, os supermercados do grupo no Brasil -as bandeiras Pão de Açúcar, Extra e Assaí- obtiveram faturamente de vendas de 11,1 bilhões de euros, com aumento orgânico de 9,5% ante 2013. No segmento de eletrônicos e móveis, a Via Varejo - que agrupa Casas Bahia e Ponto Frio - acumulou vendas de 7,2 bilhões de euros (cerca de R$ 23,3 milhões), com alta de 4%. O lucro antes de impostos e amortizações somou, respectivamente, 903 milhões de euros (aproximadamente R$ 2,9 bilhões) nos supermercados e 753 milhões de euros (cerca de R$ 2,4 bilhões) nas Casas Bahia e Ponto Frio.

GRUPO CRESCEU 9,5% EM VENDAS NO SEGMENTO DE SUPERMERCADO

Naouri destacou que o resultado melhorou especialmente no Assaí e na Via Varejo. Na rede de atacarejo Assaí, por exemplo, as vendas orgânicas cresceram 32,7% em um ano. Já a margem Ebtida registrada pela Via Varejo subiu mais de 2 pontos porcentuais em um ano, para 10,4%.

EXPANSÃO

Mesmo com a desaceleração econômica, o presidente da rede varejista ressaltou que a empresa continuou com o plano de expansão no Brasil. Em 2014, foram abertos 108 novos endereços do grupo no Brasil, sendo 92 lojas de conveniência - especialmente com a bandeira Minimercado Extra - e nove filiais Assai.

Durante a teleconferência, Naouri sinalizou que, entre as principais apostas da varejista para o Brasil em 2015, estão a bandeira Assaí, as lojas de conveniência e a Via Varejo. No caso da rede de atacarejo, o executivo disse que o conceito conhecido como 'cash & carry' no exterior é "bem adequado para a evolução do consumo no Brasil". Sobre as lojas menores com a marca "Minimercado", Naouri ressaltou que houve aceleração no desenvolvimento desse formato nos últimos trimestres.

O presidente da varejista disse ainda que o mercado explorado pela Via Varejo "continua muito promissor no Brasil". "A taxa de posse de eletrônicos e móveis por família no Brasil ainda é baixa", disse, ao comentar que o segmento ainda deve continuar crescendo no País. Entre as vantagens das Casas Bahia e Ponto Frio, o executivo ressaltou o poder de negociação da empresa com os fornecedores.

"Somos os primeiros compradores do segmento de não-alimentos na América Latina graças à Via Varejo. Isso nos dá excelentes condições de compra com os fornecedores, como as fabricantes de eletrônicos do Japão e Coreia", disse.



A gigante do varejo online deve abrir loja sem caixas, sem filas e 100% automatizada

comentários

O chef Mahmoud Ghalou pensava apenas em sustentar a família quando investiu nas tradições culinárias do seu povo. Da iniciativa informal, nasceu a marca Sonho Árabe, sucesso em feiras e eventos

comentários

Os negócios com receita recorrente vêm crescendo tanto que os especialistas já falam em Economia da Recorrência. No varejo, os clubes de assinatura colocaram esse modelo em prática

comentários