São Paulo, 26 de Março de 2017

/ Negócios

Ano começou com queda de 2,2% no varejo nacional
Imprimir

É o que mostra indicador de janeiro, na comparação com dezembro do ano passado, elaborado pela Mastercard

As vendas do varejo no Brasil, excluídos os negócios com automóveis, materiais de construção e restaurantes, recuaram 2,2% em janeiro na comparação com igual mês do ano passado, aponta indicador da Mastercard

Já a queda média dos últimos três meses terminados em janeiro foi de 3,3%, o que representa uma melhora relevante em relação à baixa registrada no quatro trimestre de 2016 (-4,6%) na comparação anual.

Os setores de vestuário, produtos farmacêuticos, materiais de construção e artigos de uso pessoal e doméstico superaram a média do mercado.

Já móveis e eletrônicos, combustíveis e supermercados ficaram abaixo do crescimento global do comércio. O setor de restaurantes apresentou queda de 8,5% no primeiro mês deste ano ante igual período de 2016.

"O ambiente econômico ainda é desafiador, com um mercado de trabalho sem perspectivas de melhoras e queda da confiança dos consumidores. Esperamos uma queda contínua das vendas no varejo, mas há indícios de que a perspectiva esteja finalmente dando sinais de melhora", avalia Kamalesh Rao, diretor de pesquisas econômicas da Mastercard Advisors.

O destaque positivo do comércio varejista no país segue sendo do e-commerce, que apresentou alta de 15% em janeiro ante janeiro de 2016, acumulando sete meses consecutivos de ganhos.

Nos últimos três meses, o crescimento foi de 17,8% - resultado estável em relação ao apurado no último trimestre do ano passado. Entre os diferentes segmentos do comércio online, produtos eletrônicos superaram a média do canal, enquanto móveis, vestuário, hobby e livrarias e produtos farmacêuticos tiveram desempenho inferior à média.

Todas as regiões do país registraram recuo nas vendas. Apesar disso, o Sudeste (-1,5%) teve desempenho acima da média. Já as regiões Norte (-4,5%), Nordeste (-3,3%), Sul (-3,3%) e Centro-Oeste (-3,0%) ficaram abaixo do patamar registrado pelo varejo em janeiro ante igual período do ano passado.

O indicador da Mastercard, chamado SpendingPulse, informa sobre gastos no varejo nacional e o desempenho do consumo. O dado é baseado nas atividades de vendas na rede de pagamentos Mastercard, juntamente com as estimativas para todas as outras formas de pagamento, incluindo dinheiro e cheque. O levantamento, segundo a empresa, não reflete ou se relaciona com o desempenho operacional e financeiro da MasterCard.

FOTO: Thinkstock



A projeção é do Instituto de Economia da ACSP com base em dados do IBGE e do Índice Nacional de Confiança (INC), pesquisa mensal da Associação Comercial de São Paulo

comentários

Levantamento da Fecomercio mostra, entretanto, que na média os estoques ainda estão bem acima do ideal

comentários

Para Alencar Burti, presidente da ACSP, o resultado, ainda que preliminar, aponta para um arrefecimento da crise

comentários