São Paulo, 24 de Abril de 2017

/ Leis e Tributos

Uber é condenado a pagar R$ 80 mil por vínculo empregatício
Imprimir

Motorista receberá direitos trabalhistas e compensações por danos morais causados durante os meses que prestou serviços

A 13ª Vara do Trabalho de São Paulo reconheceu na terça-feira (11/04), vínculo empregatício entre um motorista e o aplicativo de transportes Uber.

De acordo com a sentença, o motorista Fernando dos Santos Teodoro deverá receber direitos trabalhistas, como FGTS, 13º salário e férias remuneradas, além de compensações por danos morais causados durante os meses que prestou serviços para o Uber.

Ao todo, a Justiça determinou que o Uber tem de pagar R$ 80 mil ao motorista.

Na sentença judicial obtida pelo jornal "O Estado de S. Paulo", Teodoro afirma ter sido prejudicado pelo regime de trabalho exigido pelo Uber e pelas promessas feitas pela empresa antes de ingressar no app de transportes.

Segundo ele, estas exigências e as ameaças sofridas por taxistas no tempo que prestou serviço para a plataforma de transportes "geraram danos extrapatrimoniais à sua pessoa".

Na decisão de primeira instância, proferida pelo juiz Eduardo Rockenback Pires, o Uber terá que pagar férias, aviso prévio, 13º salário e FGTS e danos morais de R$ 50 mil - totalizando um pagamento de R$ 80 mil.

Os valores foram calculados pelo juiz de acordo informações do motorista, que diz ter trabalhado na plataforma do Uber entre dezembro de 2015 e junho de 2016, com ganho médio mensal de R$ 5,9 mil.

"(O Uber) sustentou que inexiste relação de trabalho entre si e os motoristas", afirmou o juiz na sentença.

"Todavia, (o Uber) presta serviços de transporte aos passageiros, lançando mão do trabalho humano prestado pelos motoristas. Não é correto, portanto, dizer que os motoristas são clientes; eles são trabalhadores que despendem energia em prol da atividade lucrativa da empresa."

Procurado pelo jornal, o Uber disse não concordar com a sentença proferida pelo juiz da 13ª Vara do Trabalho. "Ao conectar motoristas parceiros e usuários, a Uber cria milhares de oportunidades flexíveis de geração de renda, enquanto oferece a milhões de pessoas uma nova alternativa para se locomover pelas cidades. A Uber vai recorrer desta decisão", disse, por meio de nota.

HISTÓRICO

Para embasar a sentença, o juiz Eduardo Rockenback Pires disse que a decisão não é uma novidade.

"(O Uber) atua em inúmeros países, e decisões oriundas do Estado da Califórnia, nos Estados Unidos, e do Reino Unido demonstram que o entendimento tem sido basicamente o mesmo aqui enunciado (nesta decisão): (o Uber) atua na exploração de serviços de transporte."

Outro caso de vínculo empregatício reconhecido entre o aplicativo de transporte e motoristas aconteceu em fevereiro deste ano, quando o mineiro Rodrigo Leonardo Silva Ferreira, de 39 anos, venceu o Uber na Justiça e, de acordo com decisão proferida na época, passou a ter o direito de receber direitos trabalhistas, como aviso prévio indenizado, férias proporcionais e valores correspondentes ao FGTS.

Na época da decisão, advogados trabalhistas afirmaram que a sentença poderia abrir novo precedente na Justiça brasileira.

"Abre-se precedente para que outros motoristas, caso processem o Uber, também passem a ter vínculo empregatício. Pode ser o início de um acontecimento sem precedentes no País e que pode causar sérias transformações no setor de inovação", disse, em fevereiro deste ano, o advogado trabalhista Victor de Cassia Magalhães, do Nelson Wilians e Advogados Associados, ao jornal.

FOTO: Thinkstock



Proposta em tramitação no Congresso equipara as regras do transporte privado àquelas aplicadas para os taxistas

comentários

Aprovada na Câmara, proposta classifica serviços como os prestados pela Uber como sendo públicos, e não privados, equiparando esse modelo aos táxis

comentários

Em documento protocolado, a Leonforte Holdings solicita compensações financeiras por prejuízos que os investidores registraram com a compra de papéis da companhia

comentários