São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Leis e Tributos

“Os recursos desviados pela corrupção deixam de atender as reais necessidades nacionais”
Imprimir

A entrada em vigor da lei anticorrupção atende ao desejo nacional por mudanças e também à pressão internacional para que o país se alinhe às melhores práticas de combate a este crime

No arcabouço legal brasileiro faltava justamente dispor de um mecanismo de punição ao único elo ainda ileso nos atos de corrupção, as empresas privadas. Ao criminalizar a prática de suborno de agentes públicos com foco na pessoa jurídica, a Lei Nº 12.846 pode se tornar um dos mais importantes instrumentos para desatar os gargalos de competição e competitividade que prejudicam o desenvolvimento pleno do país. Nesta entrevista, o advogado e especialista no tema Antonio Carlos Porto de Araujo, da consultoria Delta Economics & Finance, explica como a corrupção atingiu tal dimensão no Brasil e qual o potencial da nova legislação para mudar este cenário.

O Brasil demorou para endurecer o tratamento à corrupção. O que motivou a criação da Lei Nº 12.846/13 alinhada às iniciativas internacionais?

A abertura comercial foi um dos motivadores para que as práticas fossem aperfeiçoadas, pois o problema afeta as regras de competição e competitividade. A inserção do país no mercado global chama a atenção de investidores e demais parceiros internacionais, cujos países de origem já dispõem de um arcabouço regulatório preventivo de práticas de corrupção. O país também havia firmado acordo com a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), pelo qual os países signatários do tratado se comprometeram a combater a corrupção nas transações e no comércio internacional.  A Lei Nº 12.846/13 trouxe mecanismos aptos a atender as demandas.

Quais fatores levaram o país a atingir tal nível de corrupção, considerado um dos mais altos do mundo e mais impregnados na sociedade?

Há pelo menos três fatores preponderantes. O primeiro ocorre devido à desorganização social e à deficiência do Estado em fornecer os meios necessários para que essas práticas sejam coibidas com eficácia. Criou-se, então uma concepção de que, para se fazer negócios com o ente público, é necessário ou conveniente o pagamento de propina ou oferecimento de favores às pessoas ou estrutura desse ente público. O segundo ponto está no lado comportamental – em uma sociedade desigual, a delinquência passa a ser vista como uma reação normal. Digo normal porque, nesta visão, a corrupção não deriva, essencialmente, de uma patologia, quer individual, quer social. O crime de corrupção torna-se consequência aceita do desenvolvimento social e da cultura popular local. O terceiro ponto está no próprio aperfeiçoamento da prática deste crime. Mecanismos de blindagem patrimonial, criação de empresas fictícias, contas em paraísos fiscais fazem parte do complexo mecanismo utilizado para essa prática delituosa. Os valores e favores pagos na troca por benesses com o ente público deixam estrategicamente de ser documentados. Ao contrário, usam rotas criadas para o desvio de dinheiro e pagamento utilizando-se de terceiros, os chamados “laranjas” para distribuir e lavar o dinheiro destinado e originado dessas práticas.

Leia mais
1 - Como a lei anticorrupção pode afetar os negócios no Brasil
2 - “Não tenho nada com isso”. Esqueça as facilidades do jeitinho brasileiro

Como a corrupção das empresas privadas prejudica o desenvolvimento de um país?

Tem-se clara a premissa de que a corrupção praticada pelas empresas privadas prejudica todo o desenvolvimento nacional, ao aprisionar recursos que originalmente seriam aplicados na máquina pública em atendimento às reais necessidades nacionais. Esses valores sequer ingressam ao Tesouro Nacional. Por isso, a importância da criação da lei anticorrupção, pois trata da responsabilidade, civil e administrativa das pessoas jurídicas ou grupos econômicos que lesem o patrimônio público.

Quais os setores econômicos mais vulneráveis à nova legislação?

Há setores no Brasil historicamente sensíveis à corrupção. Envolve as cadeias produtivas muito dependentes de relações comerciais com o poder público, como a de construção civil, transporte público e lixo. Outros setores vulneráveis são aqueles em que há menor concorrência e maior poder de monopólio combinado com baixa prestação de contas. Também em segmentos em que a terceirização é regra, os cuidados e conformidades deverão ser redobrados.

Como a lei anticorrupção pode modificar este quadro?

Há alguns anos, com a pressão regulatória e os mecanismos de controle das contas públicas, nota-se uma preocupação maior em prevenir que essas relações contratuais tenham desvios.  Ao exigir práticas concorrenciais saudáveis, as novas regras vêm reforçar este movimento que busca desestimular a prática da corrupção. Em relação à terceirização, objeto de um dos artigos da lei, já se nota no mercado uma tendência de revisão de contratos e processos, com vigilância muito maior em relação às empresas terceirizadas, já que práticas de corrupção de uma empresa atingirão a todas. Deixar de rever processos e contratos será um erro grande.

Que medidas preventivas estão ao alcance de uma PME, levando em conta que ela dispõe de poucos recursos e tempo para cuidar disso?

As medidas a serem levadas em consideração são as mesmas de qualquer empresa, respeitadas suas especificidades e escala. Inicialmente deve passar por treinamento, qualificação e requalificação de sua força de trabalho, esclarecendo os aspectos amplos da lei anticorrupção, bem como suas implicações. Grande parte das questões abrangidas pela legislação dizem respeito ao comportamento dos colaboradores. Muitas vezes, eles desconhecem o alcance da lei. Sabe-se que há um grau de pessoalidade muito grande entre colaboradores de PMEs e o ente público que o contrata e é comum a troca de favores e presentes entre eles. Contratos de compra com regalias e premiações fazem parte da história brasileira. Isso deverá ser radicalmente alterado, já que o enquadramento à nova lei poderá fazer com que essas práticas sejam severamente punidas.

 



É o que mostra um indicador do Ipea. Recuo de 2,6% indica continuidade do quadro recessivo no quarto trimestre de 2016

comentários

O país foi novamente superado por economias que recentemente passaram por forte crise como a Grécia, Ucrânia e Rússia, de acordo com levantamento de agência de risco

comentários

"Embora a região não tenha sido poupada da pior recessão da história moderna do Brasil, seus efeitos foram mais leves", observa a revista britânica, que aponta Florianópolis (foto) como um dos principais polos de startups

comentários