São Paulo, 07 de Dezembro de 2016

/ Leis e Tributos

Impostômetro bate recorde e chega a R$ 1,8 trilhão
Imprimir

Inflação resultou na elevação da receita tributária, segundo Rogério Amato, presidente da Associação Comercial de São Paulo

O Impostômetro bateu seu recorde. Às 17h desta segunda-feira (29/12), o painel da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) que registra os valores em impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros chegou a R$ 1,8 trilhão.

Desde 2005, quando o Impostômetro foi instalado no Centro de São Paulo, esta é a primeira vez que o total arrecadado chega a essa cifra. Em 2005, a carga tributária era de 33,38% do PIB; em 2013, passou para 35,95% do Produto Interno Bruto.

“Esse número mostra que a arrecadação tributária cresceu, acompanhando o aumento da inflação em 2014”, diz Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). 

Os principais impostos incidem sobre os preços e, portanto, a inflação implica também em elevação de receita tributária. “Além disso, o crescimento da economia perto de zero em 2014 não contribui para o incremento da arrecadação”, diz Amato.

Foto: Bárbara Ladeia/DC



A avaliação é de José Serra (foto), ministro das Relações Exteriores. Em debate na FGV ele disse que o "custo Brasil" consome 30% das mercadorias brasileiras

comentários

Esse é o valor relativo a impostos, taxas e contribuições que saiu do bolso dos consumidores, desde o início do ano, e foi para os caixas dos governos

comentários

Eletroeletrônicos e smartphones, alguns dos produtos mais adquiridos na data, são os mais tributados, segundo o IBPT

comentários