São Paulo, 30 de Maio de 2017

/ Inovação

Falta capital humano para pesquisa avançar no Brasil
Imprimir

Quem diz isso é Benjamin Benzaquen Sicsú,, vice-presidente de inovação da coreana Samsung, que mantém cinco mil PhDS em 13 centros mundiais de pesquisa e desenvolvimento

O número de pessoas capacitadas para pesquisa e desenvolvimento (P&D) é muito pequeno para resolver os problemas do país. A avaliação é do vice-presidente de inovação da multinacional Samsung, Benjamin Benzaquen Sicsú, que participou hoje do 4º Seminário de Incentivo à Inovação, promovido pelo Instituto Valor, em São Paulo. Segundo ele, só a Samsung tem cinco mil PhDs distribuídos em seus 13 centros de pesquisa e desenvolvimento pelo mundo. Mas, no Brasil, onde mantém dois destes centros, possui apenas vinte PhDs. Dos cerca de 260 mil empregados da companhia coreana, 65 mil se dedicam a buscar inovações, ou 25% do quadro. 

"Se não investirmos em educação, começando pela básica, não vamos avançar no capítulo da inovação e desenvolvimento", disse ele.

Em ranking sobre a competitividade em 43 países, da Fiesp, o Brasil está na 39ª posição, com 21,5 pontos - só à frente de Turquia (20 pontos, 40º lugar); Colômbia (19 pontos), Indonésia (17,4 pontos) e Índia (10,3 pontos).

Sicsú lembrou que a Samsung já registrou 39 patentes no país, nos últimos anos, quase o dobro do que as empresas brasileiras registraram nos últimos 23 anos. Ele observou que no Brasil leva-se de oito a dez anos para registrar uma patente, contra de um a três anos no exterior.

Para o ex-presidente da Embraer e da Petrobras Ozires Silva, o Brasil perde muito do ponto de vista comercial, ao investir pouco em pesquisa e desenvolvimento, já que é invadido por tecnologia do mundo inteiro, mas não tem produtos vendidos em grande escala em outros países. Ele disse que é preciso que as empresas invistam mais em P&D, já que os planos nacionais de desenvolvimento feitos em Brasília nunca funcionaram.

No Brasil, o investimento em pesquisa e desenvolvimento está atualmente em US$ 24,2 bilhões ao ano, enquanto nos EUA essa cifra chega a US$ 398,2 bilhões.

"A Coreia do Sul e a China eram países esquecidos quatro décadas atrás. Através da inovação, hoje, seus PIBs rivalizam com o dos EUA".

Já o CEO da Acelera Partners, Beny Rubinstein, uma empresa que investe em startups e prepara os empreendedores para receber este recursos, afirmou que não falta dinheiro para aplicar em boas ideias. Mas, no Brasil é difícil encontrar bons projetos fora das grandes cidades do Sul do país, já que não existe uma rede que os conecte aos investidores.(Agência Globo)



Pesquisa mostra que quando se trata do bolso -e até de outras áreas da vida - agimos de acordo com perfis de comportamento

comentários

Para Carlos Carnevali Júnior (na foto), presidente do grupo IHC, o déficit na formação de profissionais, a instabilidade do real frente ao dólar e a rede de telecomunicações precária são algumas das razões que explicam o atraso

comentários

A infraestrutura é um ponto central, mas também financiará projetos em agronegócio, tecnologia e manufatura

comentários