São Paulo, 30 de Setembro de 2016

/ Inovação

10 modelos de negócios inovadores na Internet para você copiar
Imprimir

Confira ideias do mundo inteiro de como ganhar dinheiro online

Novos negócios surgem todo dia na Internet. O difícil é torná-los viáveis. Os 10 diferentes modelos de negócios a seguir mostram modelos inovadores, mas já testados, que surgiram nos últimos anos em diferentes países, que estão no radar de empresas de consultoria e informação como Board of Innovation e Springwise. 

 

1. GANHAR COMISSÃO SOBRE NEGÓCIOS ENTRE PESSOAS

Fundada em Amsterdã, na Holanda, em 2013, a 3D Hubs criou uma plataforma virtual de impressão 3D.  Aqueles que querem imprimir objetos fazem uma busca no site de donos de impressoras 3D na sua região. Pela intermediação, a 3D Hubs ganha uma comissão de 15% de cada produto impresso. Para garantir a confiabilidade da plataforma, o sistema só funciona em cidades com pelo menos 10 donos de impressoras e, após esse patamar atingido, é selecionado um “prefeito” que irá organizar a rede e promover eventos para entusiastas da impressão 3D. Assim como em plataformas parecidas em outras áreas – como Airbnb (aluguel de imóveis) – os consumidores dão notas pelos serviço. A 3D Hubsjá opera em mais de 140 países. 

 

2. GANHAR COMISSÃO PARA LEVAR CLIENTES A EMPRESAS + ASSINATURAS DE CONSUMIDORES POR SERVIÇOS EXTRAS 

Entre os sites de comparação de preços, oDecide.com inaugurou em 2011, na cidade de Seattle, nos EUA, um modelo sofisticado. O sistema procura aqueles produtos mais bem cotados por consumidores e especialistas em várias fontes, compara-os com opções similares e também indica quando é a melhor hora para fazer a compra. Além de ganhar uma comissão conectando varejistas a consumidores, o Decide.com também tem como fonte de renda uma assinatura mensal de 2,5 dólares para dar alertas do melhor timing para a compra, com a garantia de que se o preço cair após a aquisição, a Decide.com cobre a diferença.  Em 2013, oDecide.com foi adquirido pela Ebay, que fechou o site e passou a utilizar o modelo para seu próprio negócio. 

 

3. VENDER DADOS AUTORIZADOS DE USUÁRIOS DO SITE OU REDE SOCIAL

Assim como várias redes sociais, a Patients like me ganha dinheiro vendendo informações dos usuários para empresas. Fundada em Cambridge, nos EUA, em 2004, a empresa providencia uma plataforma online para que as pessoas compartilhem suas experiências de saúde com outros pacientes e também com organizações da área médica. Assim, é possível comparar sintomas e tratamentos. A venda de dados ocorre com autorização dos pacientes. Em 2014, a Patients like me atingiu 250 mil membros em sua comunidade.


4. COBRAR COMISSÕES E SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM COMPETIÇÕES BASEADAS NO MODELO DE CROWDSOURCING

As empresas gastam, em média, um quinto do seu orçamento de marketing em análise de informações sobre os consumidores. Criada em 2012 em São Francisco, nos EUA, a Kaggle é uma plataforma que desafia estatísticos e cientistas da informação a encontrarem as melhores soluções para problemas colocados por empresas. O dono do modelo matemático campeão ganha um prêmio (que pode chegar a 1 milhão de dólares). A Kaggle recebe das empresas uma comissão por cada competição colocada no site. Também oferece um serviço de consultoria que conecta empresas aos 0,5% cientistas que estão no topo de sua comunidade, pelo qual cobra mensalmente o mínimo de 30 mil dólares durante o período de trabalho, valor dividido entre a Kaggle e o estatístico. A rede de crowdsourcing conta com a participação de 100 mil cientistas, de mais de 100 países, e já intermediou modelos para empresas como GE, Merck, Microsoft, Ford e Facebook. 

5. VENDER PRODUTOS E SERVIÇOS COM BASE NO CROWDSOURCING

A Quirky, empresa fundada em 2009 em Nova York, nos EUA, tem uma comunidade online de 550 mil pessoas que discutem, refinam e votam em ideias de inventores. Aquelas consideradas as mais viáveis são produzidas pela empresa e os produtos são vendidos em grandes lojas americanas como Target, Best Buy e Home Depot. O inventor contemplado ganha royalties. São cerca de três novos itens produzidos por semana – alguns vão da prancheta à loja em três meses. 


6. RECEBER PELO MODELO “PAGUE O QUE VOCÊ QUISER”

Criada em 2010 em São Francisco, nos EUA, a Humble Bundle vende online coleções de videogames, álbuns de música e ebooks, que são oferecidos durante duas semanas pelos seus criadores para os clientes. Eles determinam o preço e podem dividir o valor a pagar para três fontes: autor, caridade e Humble Bundle (a empresa costuma ficar com 15% do valor). O consumidor que paga mais que a média ganha costuma ganhar algum benefício extra.  A empresa já atraiu mais de 1,8 milhão de consumidores.


7. GANHAR COMISSÃO POR LEILÃO REVERSO

O leilão reverso funciona com lógica inversa ao leilão tradicional: as empresas fazem o lance e o consumidor escolhe. A Shiply, fundada em Londres, na Inglaterra, em 2007, trabalha com um sistema de leilão reverso para transporte. As pessoas listam itens que precisam levar de um lugar a outro, com detalhes de lugares e datas. As transportadoras fazem então seus lances, com base nos seus espaços ociosos – cerca de 25% dos caminhões europeus rodam vazios. A Shiply estima que consumidores economizem em média 75% nos custos de transporte. A Shiply ganha dois tipos de comissão: uma pelo serviço de leilão online e outra, que varia de 4% a 10% do valor do transporte, pelo sucesso da negociação. A Shiply conta com uma base de 57 mil transportadoras.


8. GANHAR VALOR FIXO POR CADA SERVIÇO PRESTADO

Pelo site Value My Stuff, criado em Londres, na Inglaterra, em 2009, as pessoas enviam fotos de joias, medalhas, quadros, móveis, antiguidades, selos e outros itens e, em dois dias, no máximo, recebem a avaliação de experts (são 62). A empresa cobra um valor de 10 libras por uma avaliação e faz pacotes, como o de 10 avaliações, por 75 libras – que divide com os especialistas. O certificado com o valor do bem pode ser mostrado diretamente no Ebay. AValue My Stuff também criou uma comunidade online para colecionadores e fez parcerias com empresas que oferecem seguro pelos bens e com companhias que transportam itens valiosos. 

9. VENDER TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL EM ASSOCIAÇÃO A UMA REDE VIRTUAL 

Fundada em 2010 em Berlim, na Alemanha, a Changers.com é uma plataforma privada de créditos de carbono. A empresa vende um carregador de energia solar e um painel capaz de carregar diversos aparelhos O carregador solar mede a energia produzida e traduz em créditos de carbono. No site, os usuários podem verificar quanto economizam de energia em relação a seus amigos e checar quais as cidades mais ativas. Para cada hora-watt economizada, o usuário recebe um crédito Changers. Assim, acumula créditos a serem trocados por produtos e serviços – para expor na loja da Changers, as marcas pagam uma comissão. A empresa já conseguiu parceiros com DHL e BMW. 

10. RECEBER COMISSÃO POR SERVIÇOS FINANCEIROS GARANTIDOS POR GRUPO DE AMIGOS

A Friendsurancecobre pequenos seguros em que os detentores de apólices dividem o risco com a família e com amigos. O site foi criado em 2010 em Berlim, na Alemanha, e permite que seus usuários criem comunidades de até 15 pessoas que possam cobrir um sinistro. As pessoas disponibilizam entre 5 e 50 euros num determinado seguro. Se o valor do sinistro superar o montante arrecadado, a Friendsurance cobre o valor que falta. Se não houver sinistro, cada membro recebe sua parte de volta – mais de 90% dos usuários recebem algum dinheiro por seguros não utilizados. A Friendsurance é uma intermediária entre os detentores de apólices e as seguradoras parceiras. A empresa aposta que, como a rede é de conhecidos, há muito menos fraudes, e estima uma economia entre 50% e 70% nos custos de pequenos seguros devido a esse fator – e aos custos administrativos menores.