Gestão

Por que Sorocaba avançou como cidade empreendedora


A abertura de 80 startups nos últimos anos se deve à mão de obra qualificada, boa infraestrutura, formação de grupos de negócios e ao parque tecnológico (na foto)


  Por Mariana Missiaggia 28 de Novembro de 2016 às 08:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Apontada como uma das dez cidades mais favoráveis ao empreendedorismo no País, Sorocaba, a 100 quilômetros de São Paulo, quer também ser reconhecida como a melhor em inovação tecnológica do Estado.

Disputando espaço com capitais como São Paulo e Florianópolis, Sorocaba subiu sete posições no último ranking divulgado pela Endeavor, que mapeia 32 municípios brasileiros.

Para formular essa lista, sete quesitos são considerados: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura empreendedora.

No que diz respeito a mercado e infraestrutura, a cidade parece ter feito a lição de casa, ocupando o primeiro e segundo lugar da lista, respectivamente.

SOROCABA ESTÁ NO TOPO DO QUESITO MERCADO, SEGUNDO A LISTA DA ENDEAVOR

Uma pesquisa da Geofusion, empresa especializada em inteligência geográfica de mercado, divulgada em junho, revela que a renda média familiar dos sorocabanos é de R$ 5.159,00.

Esse valor é 32% superior à renda média nacional, de R$ 3.900, e também maior que nas cidades próximas às capitais, em torno de R$ 4.982, de acordo com o estudo comparativo.

Em razão do poder aquisitivo de sua população, Sorocaba tem recebido muitos investimentos nos últimos anos, como a chegada da Toyota, que tem ajudado a fortalecer as exportações na região. Alguns dos segmentos de maior expansão são o de supermercados e o de franquias.

Outro destaque diz respeito à infraestrutura da cidade, que atravessa um processo de modernização para manter sua atratividade.

Há dois anos, a secretaria de Planejamento e Gestão investe em um projeto chamado de Infovia, tendo por base o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) da Prefeitura, cujo objetivo é permitir uma comunicação mais rápida e segura entre as unidades municipais -o que facilita o acesso dos cidadãos aos serviços.

Na prática, trata-se de uma rede formada por 270 quilômetros de fibra óptica interligando todos os órgãos públicos. 

O sistema possibilita maior velocidade na transmissão de dados e informações de uma série de serviços públicos, como o videomonitoramento da Guarda Civil Municipal (GCM) e de operação do trânsito, conexão à internet das unidades de saúde, lousas digitais para as escolas municipais, internet pública, e agendamento para os atendimentos e serviços municipais.

O prefeito Antônio Carlos Pannunzio (PSDB) afirma que o diálogo entre o poder público municipal, as universidades e o setor empresarial é o principal responsável pelo bom posicionamento de Sorocaba no levantamento da Endeavor.

"Os segmentos se uniram ainda mais com a implantação e consolidação do Parque Tecnológico de Sorocaba", diz Pannunzio.

Em capital humano e inovação, Sorocaba desponta entre as 15 melhores colocadas. Já em ambiente regulatório, acesso a capital e cultura empreendedora, a cidade mostra que ainda há um longo caminho a ser percorrido.

Considerado a principal deficiência da cidade, o indicador ambiente regulatório envolve o tempo de abertura de empresas nas cidades analisadas, o tempo de regularização de imóveis, além do custo dos impostos e das obrigações tributárias.

De acordo com o estudo, o tempo de abertura de empresas em Sorocaba é de 107 dias e de 94 para a regularização de imóveis comerciais.

Geraldo Almeida, secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, explica, no entanto, que essa morosidade corresponde somente à abertura de empresas de alto risco, que demandam autorizações de outros órgãos estaduais, caso da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

Já para empresas de baixo risco, Almeida afirma que o prazo máximo é de dois dias. O secretário também reconhece que é preciso maior esforço do poder público para melhorar os impostos municipais, como o ISS (Imposto sobre serviço de qualquer natureza).

A análise de João Silva Moura Neto, economista e professor da Esamc (Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação de Sorocaba) reforça os argumentos do secretário.

Para o economista, a característica que torna a cidade mais favorável aos negócios é o fato de se assemelhar à capital paulista no que diz respeito à estrutura econômica bem diversificada.

Moura Neto explica que, apesar de Sorocaba ter uma predominância industrial, ela não se delimita a um setor especifico, diferente de outras cidades do interior com vocação determinante, como, por exemplo, para indústria aeronáutica ou automobilística.

Outra observação do acadêmico é de que o movimento causado pela crise dentro das grandes empresas, fazendo com que elas reduzam quadro e atividades, acaba por gerar maior diversificação de fornecedores.

Ou seja, abrindo cada vez mais espaço e fazendo com que o pequeno empresário tenha mais facilidade de acesso a novos negócios.

 

FAB LAB FACENS, EM SOROCABA, É O PRIMEIRO FORA DE CAPITAIS

A formação de mão de obra procedente de universidades como Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e de outras instituições privadas também tornam Sorocaba atraente aos olhos de empresários e investidores.

O Fab Lab Facens , um laboratório de produção digital pertencente à rede mundial Fab Lab, criada pelo MIT - Massachusetts Institute of Technology, foi inaugurado em 2015 com o objetivo de facilitar a prototipagem de ideias, sem custos e aberto ao público em geral.

No espaço estudantes, educadores, empresas, profissionais, inventores, curiosos e especialistas podem adquirir conhecimento, trocar experiências e utilizar os equipamentos para materializar seus projetos.

O COMEÇO DE TUDO

Quando Felipe Maia Lo Sardo, 26 anos, estava prestes a se formar na faculdade de engenharia, em Sorocaba, o ambiente empreendedor era bem diferente do que se vê hoje em dia.

Alheio aos estágios ou à contratação em uma multinacional como costuma desejar um recém-formado, Lo Sardo queria aplicar seu aprendizado em um negócio próprio.

Na companhia de três amigos, fundou uma plataforma para otimizar o check-in e check-out de redes hoteleiras.

EQUIPE DA GOOMER: UMA DAS STARTUPS PIONEIRAS DE SOROCABA

Depois de muitos altos e baixos, o engenheiro preferiu deixar a sociedade para criar uma nova startup, a Goomer – uma espécie de cardápio digital para bares, restaurantes e hotéis.

Envolvido com o universo das startups há mais de quatro anos, Lo Sardo explica que foi um dos primeiros a explorar uma cidade completamente avessa ao empreendedorismo.

O excesso de burocracia, as dificuldades para atrair investidores e a escassez de recursos para novos empreendedores foram algumas das dificuldades.

"Não conhecíamos nenhuma startup, nem sabíamos por onde começar. Aos poucos, abrimos o caminho para esse movimento na cidade junto com outros projetos".

Hoje, a Goomer, fundada em 2014, é uma das mais representativas da região com crescimento médio mensal de 19,8% e faturamento de R$ 500 mil.

À medida que foram surgindo novas empresas, alguns grupos e iniciativas também começaram a ser criados na cidade.

Um deles, o Startup Sorocaba nasceu com a meta de mapear as startups locais e saber o que essas empresas faziam e quem eram os empreendedores por trás dessas ideias.

Além de aproximar projetos e empreendedores, a Startup Sorocaba conseguiu colocar a cidade na rota da inovação mundial por ter recebido ações nacionais e internacionais de incentivo ao empreendedorismo e tecnologia, de acordo com Danielle Vieira, uma das fundadoras da iniciativa.

Startup Weekend (programa de incentivo para desenvolvimento de novos negócios), Technovation Challenge (maior competição de tecnologia do mundo para mulheres de 10 a 18 anos) e o Acelera Startup, competição promovida pelo CIESP/FIESP são alguns dos eventos que a cidade sediou.

DANIELLE, UMA DAS FUNDADORAS DO STARTUP SOROCABA

Em 2014, o projeto foi eleito como uma das dez iniciativas que mais contribuíram para o ecossistema de empreendedorismo brasileiro em 2014, em uma votação realizada pelo Startupi.

Hoje, a cidade reúne cerca de 80 empresas novatas e está mais aberta a disseminar a cultura empreendedora, incentivando conexões e negócios inovadores. Assim como o Startup Sorocaba, surgiram outros grupos na região com objetivos semelhantes.

"O Startup Sorocaba serve como exemplo para comunidades iniciantes por todo o Brasil, mostrando que a união das pessoas pode fazer a diferença, mesmo sem ajuda financeira e do governo”, diz Danielle.

*FOTO: Divulgação/Prefeitura de Sorocaba