São Paulo, 01 de Outubro de 2016

/ Gestão

Pessimismo com a economia atinge marca recordista
Imprimir

Pesquisa Datafolha também revela que o índice de 62% de reprovação do governo Dilma só tem precedente às vésperas do impeachment do então presidente Fernando Collor

A avaliação ruim/péssima do governo de Dilma Rousseff subiu de 44% em fevereiro para 62% após as manifestações de domingo passado (15) que levou multidões às ruas nas principais cidades brasileiras, de acordo com levantamento do Datafolha divulgado nesta quarta-feira (18).

A esse recorde negativo soma-se o índice elevado de pessimismo dos brasileiros em relação ao desempenho da economia que, segundo a pesquisa, alcança agora 60%. Era de 55% no mês passado.

É uma marca sem precedentes desde 1997 quando a mesma questão passou a ser formulada pelo instituto.

Setenta e sete de cada cem brasileiros entrevistados afirmam acreditar que o índice de inflação deve crescer, assim como o desemprego (69%). Apesar disso, 61% afirmam que não correm esse risco.

MANIFESTAÇÃO NA AVENIDA PAULISTA NO DOMINGO

 

Antes deste ano, o recorde fora registrado em setembro de 2001, quando 72% previam a alta dos preços, revela o Datafolha. 

O pessimismo se deve à sequência de eventos que atingem diretamente a população, como o aumento de tributos, dos preços administrados, do combustível e da desvalorização do real ante o dólar. 

Segundo o instituto, essa é a mais alta taxa de reprovação de um governante desde setembro de 1992, véspera do impeachment do então presidente Fernando Collor. À época, a reprovação de Collor era de 68%.

As taxas mais altas de rejeição se concentram nas regiões Centro-Oeste (75%) e Sudeste (66%). A região Norte é que tem a maior taxa de aprovação (21%).

Já a avaliação dos que consideram o governo petista ótimo ou bom caiu de 23% no mês passado para atuais 13%.

O instituto ouviu também a opinião dos brasileiros a respeito do Congresso. A pesquisa mostra que somente 9% consideram ótimo ou bom o desempenho dos deputados e senadores. Para metade da população (50%), a atuação dos congressistas é ruim ou péssima.

A pesquisa Datafolha foi realizada com 2.842 entrevistados em 172 municípios entre segunda-feira (16) e terça-feira (17). A margem de erro do levantamento é de 2 pontos porcentuais.

*Com Estadão Conteúdo



A substituição de executivo-chefe que atingiu idade limite continua a ser um momento crítico para as grandes empresas. O Bradesco de Luis Carlos Trabuco (foto) é o mais recente caso de mudança no limite de idade para o cargo

comentários

Ex-presidente sofreu impeachment, mas não foi inabilitada para cargos públicos. STF analisa oito ações contra essa inconstitucionalidade. O pior que poderia ocorrer seria o divórcio entre o PMDB do Planalto e o PMDB do Congresso

comentários

O presidente esteve reunido com sua equipe antes de embarcar para a China, para encontro do G-20. Ele quer que os ministros divulguem a importância das propostas encaminhadas ao legislativo

comentários