São Paulo, 19 de Janeiro de 2017

/ Gestão

Natura começa a testar venda em lojas físicas
Imprimir

Em parceria com seu exército de 1,5 milhão de consultoras, a empresa quer expandir os canais de acesso direto ao cliente

O Boticário que se cuide. A Natura começou a testar no país alguns pontos para venda direta de seus produtos para os consumidores.

Roberto Lima, presidente da Natura, disse no sábado, durante o 3º Fórum Nacional do Varejo, que este processo já está em andamento e faz parte de um programa da empresa de ir para as lojas físicas em conjunto com as suas consultoras, um exército de 1,5 milhão de pessoas no Brasil e mais 400 mil na América Latina.

“Este será um modelo próprio da Natura, com a participação das consultoras, não será um projeto assim tão rápido como foi com a nossa ida para o e-commerce, mas está em andamento”, diz Lima.

Lima não quis adiantar qual seria o formato das futuras lojas, que está sendo projetado por uma equipe de arquitetos. “Estamos ainda em uma fase inicial”, afirmou.

“Decidimos seguir para as  lojas físicas porque os consumidores querem ter contato físico com nossos produtos. É muito importante que isso aconteça porque depois eles criam o hábito de se dirigir às nossas consultoras ou, se quiserem, poderão comprar pela internet, ou mesmo continuar indo às lojas.”

De acordo com Lima, assim como acontece hoje com qualquer produto que pode ser adquirido pela internet ou com as consultoras, o cliente também vai poder trocar um produto da Natura comprado pela internet em uma loja física. “A ideia é justamente criar uma experiência onichannel, pela qual o cliente pode ter contato com a Natura por meio de vários canais”.

A Natura já identificou os locais mais interessantes que podem se transformar em ponto de aproximação com os clientes, como diz Lima. “Já identificamos dezenas de consultoras que possuem os seus próprios pontos de venda e o que vamos fazer é simplesmente reconhecer que eles existem e ajudar essas consultoras a ter sucesso, dando a esses pontos de venda a aparência da marca.”

Lima diz que é cedo para falar se esse processo resultará mais tarde em expansão com o modelo de franquias, como ocorre com o Boticário. “Já identificamos algumas empreendedoras e vamos começar por elas”, diz ele. Especificamente na avenida Paulista, segundo Lima, já é possível reconhecer alguns desses pontos.

A multiplicidade de canais de vendas foi amplamente discutido no evento do Lide (Grupo de Lideranças Empresariais). A Natura adotou a modalidade de comércio eletrônico em dezembro passado. Entre segunda e quinta-feira passada (19) atingiu R$ 1 milhão de faturamento em vendas on-line. “Vamos crescer muito neste canal”, diz Lima, presidente da empresa que registrou faturamento líquido de R$ 8,7 bilhões em 2014. 

O setor de cosméticos, segundo ele, caminha bem. O Brasil é o terceiro maior consumidor de produtos de higiene e beleza do mundo, atrás dos Estados Unidos e do Japão.
 



Mais informado, exigente e infiel, o cliente vem impondo novas demandas para o varejo, como mostra neste artigo Enéas Pestana, um dos maiores especialistas do setor

comentários

Ativas, independentes e antenadas, as mulheres maduras representam uma nova força no mundo do consumo. Por que a publicidade e o marketing ainda não conseguem enxergá-las?

comentários

A sensação de sobrevivência sentida durante todo o ano de 2016 deve se repetir em 2017. Especialistas indicam maneiras de garantir a continuidade dos negócios

comentários