São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Gestão

"Em 2016, as empresas terão de rever o negócio todo mês"
Imprimir

É o que afirma o consultor Antônio Napole, vice-presidente da Kaiser Associates. Para ele, as companhias deverão operar como se estivessem em período de guerra, com risco de morte a qualquer momento

Ninguém mais duvida que 2016 será um ano tão ou mais difícil para o país do que 2015. Começa com discussões sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff, desemprego, inflação e juros em alta e poder de compra do consumidor em queda.

Em um cenário tão nebuloso, quais as saídas para as empresas, considerando que, neste ano, boa parte delas já enxugou tudo o que podia em suas operações?

Habituado a traçar cenários e a orientar grandes corporações, e, mais recentemente, também as pequenas,  Antônio Napole, vice presidente da Kaiser Associates, consultoria americana com escritórios em seis países, diz que, em 2016, as companhias deverão repensar o negócio a cada mês, em vez de a cada ano, como costumavam fazer.

“É como se a empresa estivesse vivendo em um período de guerra, quando o risco de morrer existe a qualquer momento”, afirma Napole. O empresário deve imaginar sempre qual seria a pior situação para a empresa, o limite que ela é capaz de suportar.

“Vamos supor que esse limite seria uma queda de 30% nas vendas, num período de dois meses. Se isso acontecer, talvez seja melhor fechar o negócio do que tentar salvar o que não pode mais ser salvo”, afirma o vice-presidente da Kaiser.

Corte de custos e renegociações de contratos, as principais ações das empresas neste ano, devem continuar no centro das atenções em 2016, de acordo com Napole.

“Será uma boa oportunidade para os empresários reverem contratos com fornecedores. Uma economia de R$ 100 por mês no aluguel de bebedouros, por exemplo, se torna uma economia de R$ 1.200 por ano. É hora de ter este pensamento”, diz.

LEIA MAIS: Empresas brasileiras terão crise de fluxo de caixa em 2016

Veja a seguir os principais trechos da entrevista:

O sr. costuma traçar cenários para grandes empresas e estar com elas o tempo todo. Quais foram as principais ações das empresas para enfrentar a crise?

Reduziram as operações e o quadro de pessoal para cortar custos, em decorrência da queda de faturamento. E isso ocorreu em todos os setores, com exceção do agrícola, pois com a alta do dólar, as exportações de produtos agrícolas foram beneficiadas.

Só que as importações do setor também ficaram mais caras. O saldo é que as empresas desse setor conseguiram manter o tamanho da operação. Os clientes do varejo reduziram em 15%, em média, o faturamento neste ano em comparação com o ano passado.

LEIA MAIS: A receita de duas redes do interior para enfrentar 2016

Para 2016, quais as recomendações que o sr. tem dado para os clientes?

Elas devem continuar buscando a redução de custos, a renegociação de contratos de aluguel, a troca de fornecedores, encontrar maneiras de reduzir o consumo de energia, água, e envolver todos os funcionários no processo.

Existe o custo bom e o custo ruim. Se a frota da empresa é relativamente nova, não é hora de renová-la, até porque isso não traz receita. Agora. comissão de venda é um custo bom, não deve ser cortado, porque ela ocorre quando a venda acontece.

As empresas que não conseguirem suportar maior queda de vendas vão ter de pensar em vender parte do negócio ou o negócio todo. Agora, quem sobreviver pode aumentar participação de mercado. A regra de ouro para 2016 é sobreviver e negociar o máximo possível para manter a operação.

As grandes companhias devem sofrer menos do que as pequenas e médias empresas nesta fase de recessão, até porque elas têm mais acesso a crédito?

As pequenas empresas são mais rápidas e criativas do que as grandes. Quanto mais a pequena empresa conseguir inovar, cortar custos, melhorar os serviços, dar crédito, melhor será seu desempenho.

Uma pequena empresa com mais de cinco anos que já passou por uma crise tem condições de cortar supérfluos e custos desnecessários mais rapidamente até do que as grandes. Existe um ditado que diz que custo é como unha. Cresce sempre e precisa ser cortado.

Além do corte de custos, que foi uma grande preocupação das empresas neste ano, o que mais o sr. sugere para elas?

Uma maneira interessante para melhorar as vendas sem aumentar custos é o marketing colaborativo.

Exemplo: Uma empresa que instala máquinas de café com 2 mil clientes e outra que faz entrega de lanches e frutas nos escritórios também com  2 mil clientes. Se elas trocarem a lista de clientes, cada uma delas passa a ter 4 mil clientes.

Uma empresa especializada no comércio de bolsas pode pensar em trocar a carteira de clientes com uma loja especializada em roupas. Uma escola que só usa o seu espaço à noite pode pensar em alugar as salas para as empresas que precisam realizar eventos ou reuniões durante o dia. Isso significa aproveitar as oportunidades por meio da colaboração.

As grandes empresas já estão fazendo isso?

A Souza Cruz e a Ambev compram juntas as linhas de material de limpeza e de escritório para conseguir descontos maiores das indústrias. O que acontece é que as pequenas empresas não têm o costume de fazer isso, o que precisa mudar.

Elas precisam criar grupos para fazer volumes de compras. A colaboração pode significar a vida e a falta de colaboração pode significar a morte de muitas pequenas empresas no ano que vem.

Costuma-se dizer que uma empresa mostra a sua eficiência quando ela consegue passar bem em períodos de crise...

Posso dizer que uma empresa que passa por uma crise ela se torna mais eficiente, objetiva. É na crise que uma empresa testa a sua capacidade de ser gestora de um negócio. Não se aprende a gerenciar uma empresa quando tudo vai bem, mas, sim, quando é preciso fazer cortes, reduzir custos, selecionar investimentos.

A Endeavor fez uma pesquisa e descobriu que de 4 milhões de empresas, 32,5% conseguem crescer independentemente do momento econômico. Identificou ainda que os empresários mais bem-sucedidos são os que acumulam experiências, com cerca de 40 anos, e que já quebraram três vezes. Passar por uma crise, quebrar, e voltar a investir de novo e ter sucesso parece uma constante.

Agora é o momento de tudo ou nada. É preciso ter disciplina na execução do plano de negócios. Se a empresa erra em um planejamento ou perde um processo trabalhista, ela quebra.

LEIA MAIS: 'Brasil só volta a crescer em 2018'

O que muda para as empresas em um cenário com processo de impeachment no primeiro semestre?

Tanto faz se a presidente Dilma sai ou não. O cenário para o ano que vem é ruim de qualquer forma porque o problema da economia brasileira tem a ver com a questão fiscal. Por maior que seja a confiança em alguém que assume o país, é preciso fazer ajustes na economia, e todo mundo terá de pagar a conta.

O que poderia inverter essa falta de confiança na economia?

Seria bom para as empresas se o processo da Lava Jato andasse mais rápido. O que está atrasando o país são as pessoas que se beneficiam da corrupção em todos os níveis do país.

Seria bom que as pessoas desonestas fossem pegas o quanto antes, e não aos poucos. O país precisa de uma limpeza para poder melhorar depois.

LEIA MAIS: Como no futebol, Brasil pode ser rebaixado de novo  

 



Disse o presidente Michel Temer (foto) em entrevista ao Wall Street Journal. À publicação, ele afirmou que o setor privado pode voltar a investir porque o Brasil tem segurança jurídica

comentários

É o que afirma o economista Nelson Barrizzelli, consultor de varejo. Para ele, mesmo com a retomada da economia, empresas enfraquecidas terão dificuldade para sobreviver porque exauriram seus recursos

comentários

Para Armando Castelar Pinheiro, economista da FGV, recuperação de verdade depende do setor de serviços, que ainda não reagiu

comentários